quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Vídeo Lição 5, Paz de DEUS: Antídoto contra as inimizades, completo, 68 minutos, , 1Tr17, Pr. Henrique, EBD NA TV,

Escrita - Lição 5, Paz de DEUS: Antídoto contra as inimizades


Lição 5, Paz de DEUS: Antídoto contra as inimizades 
1º Trimestre de 2017 - Título: As Obras da Carne e o Fruto do ESPÍRITO - Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente.
Comentarista: Pr. Osiel Gomes da Silva (Pr Pres. Tirirical - São Luis -MA)
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
AQUI VOCÊ VÊ PONTOS DIFÍCEIS DA LIÇÃO - POLÊMICOS
 
 
 
TEXTO ÁUREO
“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (Jo 14.27).
 
 
VERDADE PRÁTICA
A paz, como fruto do ESPÍRITO, não promove inimizades e dissensões.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda — Sl 4.8 A paz de DEUS nos faz repousar em segurança
Terça — Sl 34.14 Aparte-se do mal e siga a paz
Quarta — Sl 119.165 Os que amam a lei de DEUS têm paz
Quinta — Is 9.6 JESUS é o Príncipe da Paz
Sexta — Jo 16.33 Em JESUS CRISTO encontramos a paz verdadeira
Sábado — Rm 12.18 Se possível, viva em paz com todos
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- Efésios 2.11-17.
11 — Portanto, lembrai-vos de que vós, noutro tempo, éreis gentios na carne e chamados incircuncisão pelos que, na carne, se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; 12 — que, naquele tempo, estáveis sem CRISTO, separados da comunidade de Israel e estranhos aos concertos da promessa, não tendo esperança e sem DEUS no mundo. 13 — Mas, agora, em CRISTO JESUS, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de CRISTO chegastes perto.
14 — Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derribando a parede de separação que estava no meio, 15 — na sua carne, desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, 16 — e, pela cruz, reconciliar ambos com DEUS em um corpo, matando com ela as inimizades. 17 — E, vindo, ele evangelizou a paz a vós que estáveis longe e aos que estavam perto;
 
OBJETIVO GERAL
I. Mostrar que depois de receber a paz de CRISTO, o crente deve transmiti-la as outras pessoas;
II. Explicar que existem três tipos de inimizade e o seu alvo é destruir a unidade da Igreja de CRISTO;
III. Saber que temos a missão de anunciar o evangelho e para isso precisamos ter paz com todos.
 
PONTO CENTRAL - A paz que JESUS oferece não depende de situações e circunstâncias.
 
Em JESUS, temos paz. Não estamos falando da paz que o mundo oferece. Estamos falando de uma paz que excede todo entendimento; uma paz com DEUS que, mesmo em um mundo cheio de guerras e conflitos, podemos afirmar que vivemos em paz. A verdadeira paz resulta da fé em DEUS, porque somente Ele incorpora todas as características da paz. Para encontrar a paz de espírito e a paz com os outros, você precisa encontrar a fé em DEUS e a paz com DEUS.
 
Resumo da Lição 5, Paz de DEUS: Antídoto contra as inimizades
I. A PAZ QUE EXCEDE TODO ENTENDIMENTO 
1. Paz. 
2. Paz com DEUS. 
3. Promotor da paz. 
II. INIMIZADES E CONTENDAS, AUSÊNCIA DE PAZ 
1. Três tipos de inimizades. 
2. Inimizade e soberba. 
3. Inimizade e facção. 
III. VIVAMOS EM PAZ 
1. O favor divino. 
2. A cruz de CRISTO. 
3. A nossa missão. 
 
 
VÁRIOS COMENTÁRIOS DE LIVROS COM ALGUMA CORREÇÃO DO Pr. Luiz Henrique
Lição 5, Paz de DEUS: Antídoto contra as inimizades
 
Resumo rápido do Pastor Henrique
COMENTÁRIO/INTRODUÇÃO 
Estudo de hoje: Paz como uma das qualidades do fruto do ESPÍRITO e a inimizade como um dos frutos da carne.
Quem não é nascido de novo não tem ainda o Fruto do ESPÍRITO em si, portanto, não pode ter a verdadeira paz que só CRISTO oferece. A paz de DEUS é interior e não se importa com as adversidades da vida. A certeza de salvação e esperança de estar para sempre com o SENHOR é maior do que tudo.

I. A PAZ QUE EXCEDE TODO ENTENDIMENTO 
1. Paz. 
PAZ - DICIONÁRIO STRONG EM PORTUGUÊS
ειρηνη - eirene - Lê-se Êremê
provavelmente do verbo primário eiro (juntar);
1) estado de tranqüilidade nacional
1a) ausência da devastação e destruição da guerra
2) paz entre os indivíduos, i.e. harmonia, concórdia
3) segurança, seguridade, prosperidade, felicidade (pois paz e harmonia fazem e mantêm as coisas seguras e prósperas)
4) da paz do Messias
4a) o caminho que leva à paz (salvação)
5) do cristianismo, o estado tranqüilo de uma alma que tem certeza da sua salvação através de CRISTO, e por esta razão nada temendo de DEUS e contente com porção terrena, de qualquer que seja a classe
6) o estado de bem-aventurança de homens justos e retos depois da morte

A paz aqui é espiritual, é um milagre de DEUS em nossa vida, pois só a temos devido ao sacrifício de JESUS por nós. A paz interior é resultado da paz com DEUS que temos a partir do momento que aceitamos a JESUS CRISTO como SALVADOR e SENHOR. O ESPÍRITO SANTO veio morar em nós e trouxe Consigo o fruto do ESPÍRITO, e neste a paz para vivermos em harmonia com DEUS e nossos irmãos e até com nossos inimigos, se for possível.
O mundo pode estar em guerra a nossa volta, mas nós estamos em paz com DEUS e procuramos estar em paz com todos.

Ultimamente, temos visto o aumento da chamada Síndrome do Pânico. O crente que vive em paz com DEUS não sentirá tais sintomas.
18 Sintomas da Síndrome do Pânico:
Sensação de perigo iminente
Medo de perder o controle
Medo da morte ou de uma tragédia iminente
Sensação de estar fora da realidade
Dormência e formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto
Palpitações, ritmo cardíaco acelerado e taquicardia
Sudorese
Tremores
Dificuldade pra respirar, falta de ar e sufocamento 
Hiperventilação
Calafrios
Ondas de calor
Náusea
Dores abdominais
Dores no peito e desconforto
Dor de cabeça
Tontura
Sensação de estar com a garganta fechando
Tudo isso ocorre com quem não está em paz com DEUS.

2. Paz com DEUS. 
Quando nos convertemos fomos declarados justos diante de DEUS porque nossos pecados foram levados por JESUS na cruz e para o inferno. Como diz o profeta Isaias: "...o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados." Isaías 53:5
Paulo nos revela isso assim: "Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com DEUS, por nosso Senhor JESUS CRISTO;" (Rm 5.1). Já não somos inimigos de DEUS, agora somos filhos amados.
Depois de termos esse milagre realizado me nossa vida podemos passar esta paz aos outros pela pregação do evangelho e compartilhamento da presença de DEUS em nós.
"Assim que, se alguém está em CRISTO, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isto provém de DEUS, que nos reconciliou consigo mesmo por JESUS CRISTO, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, DEUS estava em CRISTO reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de CRISTO, como se DEUS por nós rogasse. Rogamos-vos, pois, da parte de CRISTO, que vos reconcilieis com DEUS. Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de DEUS." 2 Coríntios 5:17-21

JUSTIFICAÇÃO - DICIONÁRIO STRONG EM PORTUGUÊS δικαιοω dikaioo
1) tornar justo ou com deve ser
2) mostrar, exibir, evidenciar alguém ser justo, tal como é e deseja ser considerado
3) declarar, pronunciar alguém justo, reto, ou tal como deve ser

JUSTIFICAÇÃO - Dicionário Bíblia Almeida 
1) Segundo alguns BIBLISTAS, o ato judicial de DEUS por meio do qual ele, pela sua graça, perdoa os seres humanos de sua culpa. A base para esse perdão é que JESUS cumpriu a Lei em lugar dos seres humanos e sofreu o castigo pelos pecados deles (Rm 5.12-21). As pessoas são justificadas através da fé (Rm 3.21-25,28; 5.1), que DEUS lhes dá pela ação do ESPÍRITO SANTO.
2) Segundo outros biblistas, justificação é o ato pelo qual DEUS, como Rei, Senhor e Salvador, aceita e põe em relação correta consigo a pessoa que faz com ele uma ALIANÇA, a qual é baseada na fé em CRISTO. A justificação é originada e mantida pelo ESPÍRITO SANTO (v JUSTIÇA - Rm 1.17; 3.24 e 4.25 ).

JUSTIFICAÇÃO - Dicionário Teológico - [Do heb. tsadik\ do gr. dikaios-, do lat. justificationem] Ato de declarar justo. Processo judicial que se dá junto ao Tribunal de DEUS, através do qual o pecador que aceita a CRISTO é declarado justo (Rm 5.1). Ou seja: passa a ser visto por DEUS como se jamais tivera pecado em toda a sua vida (Rm 5.1).
A justificação é mais que um mero perdão. O criminoso perdoado, ou anistiado, continuará criminoso. Mas se DEUS o justificar, torna-se ele justo (Rm 8.1). A justificação é obtida única e exclusivamente pela fé em CRISTO JESUS.

JUSTIÇA - Tesouro de Conhecimentos Bíblicos - Emílio Conde
- Do hebraico “sedã-qãh” e do grego “dikaiosy-nê”, “dikaos’', é a virtude que dá a cada um o que lhe é de direito.
A palavra justiça na Bíblia adquire um sentido mais amplo do que nos códigos coordenados pelos magistrados para orientarem seus atos, ao serem chamados para julgar ou aplicar a lei.
Há uma diferença profunda entre o significado da palavra justiça na interpretação humana e sob o ponto de vista divino
A justiça divina não é apenas um sentimento passageiro e falho; é um atributo essencial através do qual os atos de DEUS personificam a equidade
É vá a tentativa de medir a justiça de DEUS através de medidas humanas. Os fariseus e os rabinos do tempo de JESUS pensavam que receberiam a justa recompensa divina somente por cumprirem a Lei. A eles JESUS respondeu: “Depois de haverdes feito tudo quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer” (Lc 17.10).
A noção de justiça de DEUS em Paulo é encontrada em Romanos 1.17; 3.5,21,25; 10.3; 2 Coríntios 5.21 e tem um sentido derivado. Para a maior parte dos exegetas, a justiça divina em Romanos é a justiça que vem de DEUS, que o homem recebe de DEUS, meramente imputada, ou como fruto de santificação. Para outros, a justiça de DEUS em Paulo é a justiça que o próprio DEUS possui, isto é, um atributo divino que em certo sentido é comunicado aos homens.
A justiça de DEUS é o fundamento para a justiça humana e para a graça da filiação, como encontramos nas cartas de João: “Se sabeis que Ele é justo, reconhecei também que todo aquele que pratica a justiça é nascido dele” (1 Jo 2.29). A justiça de DEUS requer que o homem que conhece e ama essa justiça se abstenha de proceder como os demais que são como que cegos espirituais. A justiça forma o elemento principal do caráter que aprova a Palavra de DEUS. A exigência para que o homem se apresente diante de DEUS e dos homens pronto para receber a justiça consiste apenas em amar a misericórdia e andar humildemente com DEUS.
As Escrituras apresentam como justos os homens que possuem as qualificações acima mencionadas. Vamos observar o que a Bíblia diz acerca de Simeão, quando JESUS foi apresentado no templo: “Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão; homem este justo” (Lc 2.25). Simeão é chamado de justo, isto é, digno de justiça, simplesmente porque viu o Messias e creu nas infalíveis promessas divinas de restauração do gênero humano.
Tudo quanto até aqui declaramos, foi apenas uma tentativa de esboçar o magnífico e incomparável tema que é a justiça de DEUS. Contudo, somente nos aproximamos do problema; não conseguimos penetrar no esplendor do reflexo dos atos de recompensa da justiça divina, nem nos foi possível demonstrar a profundidade dela, por uma razão muito simples: é impossível alcançar a base da justiça de DEUS, pois está escrito que a justiça é a base do trono de DEUS e quem poderá perscrutar esse fundamento?! (Sl 97.2).
Adão e Eva foram expulsos em consequência da justiça de DEUS que havia determinado bênção para o obediente e castigo para o transgressor.

3. Promotor da paz. 
A paz que encontramos em CRISTO deve ser anunciada e proclamada a todos os que nos cercam, pois é desejo de DEUS que todos a incorrem também. As pessoas perceberão esta paz em nós, mesmo durante nossas aflições e circunstâncias adversas pelas quais passarmos por elas.
Paulo fala de nosso esforço para ter paz com todos, de nossa parte devemos fazer de tudo o que for possível para isso seja possível, mesmo sabendo que muitos nos odiarão, mas JESUS disse que devemos amar nossos inimigos e orar por eles.
"Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Romanos" 12:18
"E odiados de todos sereis por causa do meu nome; mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo." Mateus 10:22
"Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;" Mateus 5:44

II. INIMIZADES E CONTENDAS, AUSÊNCIA DE PAZ 
1. Três tipos de inimizades. 
INIMIZADE
 εχθρα - echthra - Lê-se Festrá
1) inimizade
2) causa de inimizade
Inimizades.
A palavra grega exthrai, traduzida por “inimizades”, significa hostilidade, animosidade. Trata-se daquele sentimento hostil nutrido por longo tempo, que se enraíza no coração. A ideia é a de um homem que se caracteriza pela hostilidade para com seu semelhante. É o oposto do amor.

Três tipos de inimizade. Vejamos:
Inimizade para com DEUS (Rm 8.7) - “Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra DEUS, pois não é sujeita à lei de DEUS, nem, em verdade, o pode ser.” (Rm 8.7).
inimizade entre as pessoas (Lc 23.12) - “E no mesmo dia, Pilatos e Herodes entre si se fizeram amigos; pois dantes andavam em inimizade um com o outro.” (Lc 23.12)
hostilidade entre grupos e pessoas (Ef 2.14-16) - “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, E pela cruz reconciliar ambos com DEUS em um corpo, matando com ela as inimizades.” (Efésios 2:14-16)
Em Gálatas, Paulo apresenta a inimizade, as contendas e as disputas como obras da carne (Gl 5.20).

2. Inimizade e soberba. 
A inimizade pode ser resultado da soberba, ou desejo de ser grande, de ser maior que todos. Desejo de fama e de glória. JESUS ensinou que aquele que deseja ser grande deve ser o menor.
"Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal;" (Marcos 10:43)
Na igreja todos devemos servir a todos, cada um com seu talento dado por DEUS. Cada um deve administrar aos outros aquilo que recebeu para benefício de todos.
"Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de DEUS." (1 Pedro 4:10)
Que fareis pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. 1 Coríntios 14:26

Paulo nos diz que aqueles que buscam inimizades estão pecando, pois são carnais e não podem agradar a DEUS.
"Porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens?" (1 Co 3.3)

3. Inimizade e facção.
As inimizades, muitas vezes, causam divisão e grande prejuízos à obra de DEUS. São grupos que se formam e se dividem dentro da ighreja e com focos diferentes. A evangelização, que deve ser o objetivo comum, perde seu papel primordial e é substituído por passeios e festas entre grupos.
Na igreja de Corinto havia 4 grupos distintos. Eram partidos em torno de Paulo, Apolo, Cefas e CRISTO. Uns diziam que pertenciam a Paulo, enquanto outros a Apolo (1Co 1.12), outros a Pedro e ainda outros diziam pertencer a CRISTO. Paulo dá fim à discussão e às inimizades perguntando aos irmãos: “Está CRISTO dividido? Foi Paulo crucificado por vós?” (1Co 1.13).
Até o grupo de CRISTO estava errado pois estavam divididos como se pudesse CRISTO dividir a igreja em grupos.
Toidos devem se unir na evangelização dos povos, como um corpo, com todos os membros se dirigindo para um único lugar, o Céu, com um mesmo SENHOR,JESUS, todos em comunhão com um mesmo ESPÍRITO, O ESPÍRITO SANTO, todos sendo filhos de um mesmo DEUS, o PAI.

III. VIVAMOS EM PAZ 
1. O favor divino. 
Fomos todos árvores cheias de espinhos e que estavam destinadas ao fogo eterno, éramos zambujeiros, mas fomos enxertados na oliveira verdadeira, JESUS e assim nos chegamos a DEUS (Rm 11.17). Os judeus não compreenderam que foram colocados por DEUS no mundo para abençoar as outras nações (Gn 12.3).
Paulo nos mostra que, em CRISTO, tanto gentios como judeus, todos somos iguais perante DEUS e todos carecemos de misericórdia e amor de DEUS, por isso, devemos viver em paz e unidade, desde que através de JESUS. Só em JESUS poderemos achar a unidade do corpo de CRISTO. Levemos a paz a todos os povos, sem acepção de pessoas.

OLIVEIRA (Tesouro de Conhecimentos Bíblicos)
- Do hebraico “zayit”, do grego “elaia”. Nome científico: “olea euro-paea L”.
Como a figueira e a videira, a oliveira é a planta característica da Palestina. É vista mais comumente nas encostas das montanhas e floresce em maio. Sua cor é acinzentada; a parte inferior das folhas é esbranquiçada e a superior é verde escura. Por causa do intenso calor, suas folhas se enrolam e encolhem, razão por que a sombra que oferecem é pequena. Quando floresce, saem umas folhas esbranquiçadas que caem depois que nascem um ou dois frutos. São muito conhecidos os olivais de Siquém, Jerusalém e Hebrom. As palavras derivadas da oliveira são poucas na Bíblia: monte das Oliveiras (Zc 14.4; Mt 26.30; Mc 14.26; Lc 22.39); encosta das Oliveiras (2 Sm 15.30). Sua madeira dura é utilizável; seu fruto, em forma de ameixa, tem uma carne muito oleosa; por causa dessa utilidade, é denominada de rainha das árvores (Jz 9.8). Nesse texto de Juízes, está registrado o apólogo de Jotão.
Em Israel, os olivais de Ramá da Galiléia são famosos, havendo oliveiras ali com alguns milênios de idade. Visitando o Jardim das Oliveiras ou do Getsêmane, deparamo-nos com oliveiras que presenciaram, silenciosas, o sofrimento de JESUS. A Palestina não é somente descrita como terra que mana leite e mel, mas também “terra das oliveiras”, abundante de azeite e mel (Dt 8.8). No tempo de Davi, havia um chefe encarregado dos olivais e um outro do depósito de azeite (1 Cr 27.28).
Outro fato que os leitores devem conhecer é que a azeitona, em grande parte, e em algumas regiões é colhida verde. A razão disso é que - assim dizem os entendidos - o azeite é melhor. O azeite era extraído, esmagando-se ou pisando-se as azeitonas (Êx 27.20; Jl 2.24; Mq 6.15).
O azeite também era usado para ungir os reis quando escolhidos. Os sacerdotes também eram ungidos com o óleo especial (1 Sm 2.10,35; 12.3; 16.6).
Finalmente temos uso do azeite na alimentação. Esta função como alimento é das mais importantes, pois o uso do azeite não provoca irritações, nem alergias, como acontece com outros produtos oleosos e gordurosos, que facilitam também o desenvolvimento de doenças. Na Grécia e na Palestina, a alimentação é preparada à base de azeite; esse fato elimina muitas doenças do aparelho digestivo que afligem as criaturas que se alimentam com gorduras pouco saudáveis.
Agora vejamos o simbolismo da oliveira na Bíblia. A partir da época de Noé e do Dilúvio, a oliveira transformou-se símbolo universal da paz, não somente para os homens de sentimentos religiosos, mas também para os políticos que tudo exploram em seu próprio favor. A razão por que o ramo da oliveira é o símbolo da paz baseia-se no fato registrado em Gênesis 8.11, onde aparece a pomba que Noé soltou, após cento e cinquenta dias de chuva; ela voltou trazendo uma folha de oliveira, sinal de que a ira de DEUS se aplacara, sinal de que havia novamente paz entre os homens e DEUS.
O fruto da oliveira, em seu estado silvestre, é pequeno e sem valor. Torna-se bom e abundante quando na oliveira silvestre é enxertado um ramo de boa árvore. Por outro lado, a oliveira se reproduz através dos brotos que saem da raiz; esses são enxertados em outra oliveira para que cresçam e dêem frutos. Dessa figura interessante, Paulo tira uma lição preciosa, quando escreve aos romanos (Rm 11.17-24). Ele se refere aos ramos silvestres (os pagãos), enxertados na oliveira cultivada (os judeus); o ramo enxertado vive pela seiva transmitida através do tronco: os gentios recebem benefícios por causa de Israel.
O azeite na Bíblia é o símbolo do ESPÍRITO SANTO; precisamos de sua unção para que nosso testemunho diante dos homens seja vivo e eficaz!
Com o óleo especial de oliveira eram ungidos os reis e os sacerdotes que se tornavam consagrados para o serviço de DEUS

2. A cruz de CRISTO. 
A cruz é um dos símbolos mais conhecidos do cristianismo. A cruz é sinal de maldição. É onde JESUS levou nossos pecados, doenças e enfermidades. Pelo seu sacrifício fomos justificados, regenerados, perdoados, redimidos, salvos, pois, pela graça de DEUS e mediante a fé no sacrifício de JESUS, somos reconciliados com DEUS.
JESUS sofreu calado por nós. Não abriu sua boca para reclamar ou dizer palavras ofensivas aos seus algozes (Is 53.7; Jo 3.16). JESUS permaneceu quieto durante seu julgamento e castigo. Ele demonstrou ter paz e equilíbrio emocional mesmo vivendo uma situação tão terrível. Ele sabia o porquê de sua missão e que o seu sacrifício era necessário para que pudéssemos nos reconciliar com DEUS.

Coleção Comentários Expositivos Hagnos - Hernandes Dias Lopes
Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; 14 para que aos gentios viesse a bênção de Abraão em Jesus Cristo, a fim de que nós recebêssemos pela fé a promessa do Espírito. (Gálatas 3.13).
A justificação tem como causa meritória o sacrifício expiatório de Cristo (3.13). Depois de mostrar a total impossibilidade de o homem ser justificado pelas obras da lei, Paulo apresenta o remédio, mostrando que Cristo nos resgatou e nos abriu o caminho da salvação. Cristo foi nosso representante, fiador e substituto. Ele assumiu o nosso lugar e levou sobre si os nossos pecados. Foi traspassado pelas nossas transgressões. Bebeu sozinho o cálice amargo da ira de Deus que deveríamos beber e sofreu o golpe da lei que deveríamos sofrer. Fez-se pecado e maldição por nós. Morreu em nosso lugar e em nosso favor. O sacrifício de Cristo é a causa meritória da nossa salvação, enquanto a fé é a sua causa instrumental.
John Stott tem razão quando diz que a maldição foi transferida de nós para Cristo. Ele a colocou voluntariamente sobre si mesmo, a fim de nos libertar dela. E essa transferência da maldição que explica o horrível grito de abandono e solidão que ele enunciou na cruz.273 Estou de pleno acordo com a declaração de Adolf Pohl de que Cristo não se fez maldição porque transgrediu a lei. Ao contrário, foi obediente até a morte e morte de cruz. Ele “...se ofereceu sem mácula a Deus” (Hb 9.14), “...sem defeito e sem mácula” (lPe 1.19). Porém, se não suportou a maldição por si, ele a suportou por nós, “...o justo pelos injustos” (lPe 3.18).
A justificação implica a plena satisfação das demandas da lei (3.13). A justificação é um ato, e não um processo. E um ato jurídico, legal e forense, e não uma experiência subjetiva. Acontece fora de nós, e não em nós, no tribunal de Deus, e não em nosso coração. Porque Cristo se fez maldição por nós e morreu em nosso lugar, pagando a nossa dívida, estamos quites com a lei de Deus e com a justiça de Deus. Não há mais nenhuma condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus.
A justificação redunda em resgate da maldição da lei (3.13). A obra de Cristo na cruz foi a maior missão resgate do mundo. O Filho de Deus desceu às profundezas do abismo, quando foi pendurado na cruz, pois ali se fez maldição. Ali sorveu cada gota do cálice amargo da ira de Deus. Ali foi ferido e traspassado pelos nossos pecados. Ali desbaratou os principados e potestades e anulou o escrito de dívida que era contra nós. Foi no Calvário que Cristo nos resgatou da maldição da lei, do império das trevas e da potestade de Satanás. A palavra grega exegorasen, usada no versículo 10, contém a ideia de comprar no mercado, redimir, pagar o preço pela libertação de um escravo.
A justificação pela fé é a bênção de Abraão destinada a todos os que creem (Gl 3.14). Deus não tem duas formas de salvar o pecador. Abraão foi justificado pela fé, e assim todos os gentios recebem essa bênção de Abraão, a justificação, pela fé. A justificação é em Cristo, e não à parte de Cristo. O Espírito prometido, que nos convence do pecado, da justiça e do juízo, nos é dado pela fé, e não pelas obras da lei.
Concluo esta exposição com as oportunas palavras de William Hendriksen:

Entre todas as pedras preciosas que resplandecem na coroa da bênção de Abraão (a bênção que recebeu), com toda segurança, esta era uma das mais preciosas, a saber, que por ele - mais precisamente, por meio de sua semente, o Messias - uma quantidade inumerável de pessoas seria abençoada. Por meio de Cristo e seu Espírito, o Espírito da promessa (At 1.4,5; Ef 1.13), o rio da graça (Ez 47.3-5) continuaria seu curso sem fim, abençoando primeiramente aos judeus, mas depois também aos homens de toda raça, tanto gentios como judeus. Sim, o rio da graça flui pleno, abundante, refrescante, fortificante para todos. E, para receber a bênção, a saber, a realização da promessa: “Eu serei o teu Deus”, a única coisa da qual se necessita é a fé, a confiança no Cristo crucificado, porque foi no Calvário que as chamas da ira de Deus descarregaram toda sua fúria, e os crentes de todas as nações, tribos e línguas são salvos para sempre!

3. A nossa missão. 
JESUS veio ao mundo com uma missão do PAI, morrer na cruz pelos nossos pecados. JESUS nos deu uma missão (Mt 28.19,20; Mc 16). Para executarmos essa missão, precisamos estar em paz com todos, pois em inimizade não poderíamos levar o evangelho a ninguém. Como ouviriam de um inimigo o evangelho? Anunciemos ao mundo que somente JESUS pode nos dar a verdadeira paz, pois Ele é o Príncipe da Paz (Is 9.6). 

Uma comissão universal (16.15-20) - Coleção Comentários Expositivos Hagnos - Hernandes Dias Lopes
Paul Beasley-Murray comentando esse passo bíblico faz algumas considerações oportunas que vamos considerar.
Em primeiro lugar, a boa nova é o próprio Jesus (16.15). As boas-novas (euangelion) é uma das palavras favoritas de Marcos. Ele a usa sete vezes (1.1,14,15; 8.35; 10.29; 13.10; 14.9). Para Marcos, a história de Jesus é a boa nova a ser proclamada. O evangelho é a mensagem de que Deus está agindo por meio de Jesus, seu Filho, trazendo libertação ao cativo, quebrando o poder do diabo, do pecado e da morte. Pelo evangelho proclamamos que em Jesus o curso da História tem sido mudado. Jesus pela sua morte e ressurreição estabeleceu o seu Reino. Isso é a grande boa nova do evangelho, diz Paul Beasley-Murray.
Em segundo lugar, a boa nova de Jesus precisa ser pregada (16.15). O verbo pregar é outra palavra favorita de Marcos. Ela é encontrada quatorze vezes nesse evangelho, enquanto só aparece nove vezes em Mateus e Lucas. Marcos enfatiza que Cristo veio pregando (1.14). Marcos sabe que Jesus é mais do que um pregador, por isso, relata vários dos seus milagres, porém destaca a primazia do ministério de pregação de Jesus (1.38). Embora Jesus tenha se ocupado em atender as necessidades físicas das pessoas, Ele focou primordialmente as necessidades espirituais. Jesus chamou seus discípulos para pregar (3.14) e os enviou a pregar (6.12). Agora, Jesus ordena seus discípulos a pregar em todo o mundo. Dewey Mulholland diz que estar calado é um perigo maior que perseguição e morte. O evangelho só é boas-novas se for compartilhado.
O propósito de Deus é o evangelho todo, por toda a igreja, em todo o mundo, a todas as criaturas. O evangelho deve ser pregado a todas as nações (13.10), em todo o mundo, a toda criatura (16.15). A Igreja precisa ser uma agência missionária. Ela precisa ser luz para as nações. Uma igreja que não evangeliza precisa ser evangelizada. A igreja é um corpo missionário ou um campo missionário.
A evangelização é uma tarefa imperativa, intransferível e impostergável. O mundo precisa do evangelho e a salvação do evangelho precisa ser oferecida livremente a toda a humanidade, diz John Charles Ryle.
Em terceiro lugar, a boa nova de Jesus precisa ser recebida (16.16). O evangelho somente é experimentado como boas-novas quando é recebido e crido. A Palavra de Deus é como espada de dois gumes, ao mesmo tempo em que traz vida, também sentencia com a morte. A Igreja é perfume de vida e também de morte, pois ninguém pode ficar neutro diante da mensagem do evangelho que ela proclama. Aos que recebem a mensagem, a Igreja é cheiro de vida para a vida, porém, àqueles que rejeitam as boas-novas, ela é cheiro de morte para a morte.
Aquele que crê deve ser batizado e introduzido na comunhão da igreja. A fé, porém, precede ao batismo. O batismo não faz o cristão, mas demonstra-o. Uma pessoa pode ser salva sem o batismo, como o foi o ladrão que se arrependeu na cruz, mas jamais alguém pode ser salvo sem crer em Jesus. É a descrença e não a ausência do batismo a razão da condenação (16.16). John Charles Ryle corretamente afirma que milhares de pessoas são lavadas em águas sacramentais, mas jamais foram lavadas no sangue de Cristo. Isso, contudo, não significa que o batismo deve ser desprezado ou negligenciado.
Certamente, Jesus não está dizendo que o batismo é necessário para a salvação, mas a pessoa que é salva deve ser batizada. É a rejeição de Cristo que traz a condenação eterna. Jesus foi claro, quando disse: “Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (Jo 3.36). Adolf Pohl diz que o vínculo direto entre os termos não é “batismo e salvação”, mas “fé e salvação”, ou “incredulidade e condenação”.
Em quarto lugar, a boa nova de Jesus precisa ser confirmada (16.17,18). Adolf Pohl corretamente afirma que os sinais não estão vinculados a cargos, mas em primeiro lugar à fé que deixa Deus ser Deus (5.36; 9.23; 11.22). Em segundo lugar, eles fazem parte do contexto missionário, pois o fato de eles “acompanharem” pressupõe que os discípulos estão a caminho para difundir o evangelho.
Paul Beasley-Murray diz que o que temos aqui é descritivo e não prescritivo. O que temos aqui é um sumário da vida da Igreja primitiva. Os cristãos primitivos expulsaram demônios em nome de Jesus (3.15; 6.7,13; At 8.7,16,18; 19.12). Eles falaram em línguas (At 2.4; 10.46; 19.6; 1Co 12.10,28; 14.2-40). Paulo foi picado por uma víbora sem sofrer o dano de seu veneno letal (At 28.3-6). Eles impuseram as mãos sobre os enfermos para curá-los (At 28.8). Não há, porém, nenhuma alusão no Novo Testamento sobre a ingestão de veneno. O único registro que temos na história é de Eusébio, historiador da Igreja, que fala sobre Justus Barsabas, um cristão que, forçado a beber veneno, pela graça de Deus não morreu.

CONCLUSÃO
A Paz, qualidade do fruto do ESPÌRITO, é a paz que Excede Todo Entendimento, é Paz Com DEUS, De posse desta paz devemos ser Promotores Da Paz.
As Inimizades e Contendas são obras da carne, essa inimizade é ausência De Paz, existem pelo menos três Tipos De Inimizades, entre uma pessoa e outra, entre grupos e entre nações. Muitas vezes a Inimizade é produto da soberba. A Inimizade produz Facção, ou divisão até mesmo dentro da igreja. 
Portanto,Vivamos Em Paz. Esta pa é um Favor Divino. Foi conquistada na Cruz por CRISTO. JESUS nos deu uma Missão, a missão de ir por todo o mundo e compartilhar esta paz de DEUS com todos. Compartilhar JESUS e sua salvação para que todos tenham paz com DEUS e entre si.

Paz é um milagre - é paz sobrenatural - vem do ESPÍRITO SANTO - Paz com DEUS
Porquanto o Reino de DEUS não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no ESPÍRITO SANTO; (Rm 14.17).

-------------------------------------------------------------------------------------

Comentário Mattew Henry do Novo Testamento
Se formos cuidadosos para agirmos sob a direção e o poder do ESPÍRITO bendito, apesar de não sermos liberados dos estímulos e da oposição da natureza corrupta que resta em nós, esta não teria domínio sobre nós. Os crentes estão metidos num conflito em que desejam sinceramente essa graça que possa alcançar a vitória plena e rápida. Os que desejam entregar-se à direção do ESPÍRITO SANTO não estão sob a lei como aliança de obras, nem expostos a sua espantosa maldição. Seu ódio pelo pecado, e sua busca da santidade, mostram que tem uma parte na salvação do Evangelho.
As obras da carne são muitas e manifestas. Estes pecados excluirão do céu aos homens, todavia, quanta gente que se diz cristã vive assim e dizem que esperam ir para o céu!
Enumeram-se as qualidades do fruto do ESPÍRITO, ou da natureza renovada, que devemos manifestar em nosso caráter. E assim como o apóstolo tinha mencionado principalmente as obras da carne, não somente daninhas para os mesmos homens, senão que tendem a fazê-los mutuamente nocivos, assim aqui o apóstolo nota principalmente as qualidades do fruto do ESPÍRITO, que tendem a fazer mutuamente agradáveis aos cristãos, assim como a torná-los felizes. As qualidades do fruto do ESPÍRITO e seus resultados na vida cristã mostram evidentemente que eles são conduzidos pelo ESPÍRITO.
A descrição das obras da carne e do fruto do ESPÍRITO e suas qualidades nos diz que devemos evitar e resistir, e que devemos desejar e cultivar; e este é o afã e empresa sinceros de todos os cristãos reais. O pecado não reina agora em seus corpos mortais, de modo que lhe obedeçam (Rm 6.12), mas eles procuram destruí-lo. CRISTO nunca reconhecerá os que se rendem para serem servos do pecado. E não basta com que cessemos de fazer o mal, senão que devemos aprender a fazer o bem. Nossa conversação sempre deverá corresponder ao princípio que nos guia e nos governa (Rm 8.5).

Obra da Carne e o Fruto do ESPÍRITO - William Barclay
PAZ  - eirene ειρηνη - Lê-se Êremê - Paz
O Melhor da Vida
Havia poucas coisas que o mundo antigo desejava mais do que a paz. A busca pela paz era universal. O alvo de todas as filosofias antigas era ataraxia, a serenidade, a tranquilidade, a mente quieta. César talvez pudesse produzir um mundo em paz, mas o anelo dos homens era um coração em paz, uma paz não proclamada por César, mas por DEUS (Epiteto: Discursos 2.13.12). Nesta busca pela paz, há certas ideias que voltam sempre a ocorrer.
(a) A paz somente pode vir com a eliminação do desejo.
“ Se quiser tornar Pitocles feliz,” disse Epicuro, “não aumente os seus bens, mas diminua os seus desejos.
” Nada que se possa dar ao homem pode lhe trazer a paz. Deve-se retirar-lhe os desejos humanos instintivos que fazem da vida uma frustração e um campo de batalha.
(b) A paz somente pode vir com a morte da emoção. O homem deve tornar-se apathès, livre da emoção. Se permitir que outra pessoa controle o seu coração, ou que qualquer pessoa possua as chaves do mais intimo do seu ser, então a paz será perdida para sempre. Conforme diz Glover, os pensadores fizeram da vida um deserto, e chamavam-no de paz.
(c) A paz vem da aquisição da indiferença. Nesta vida tudo pode ser incluído entre duas classes. Há as coisas que estão dentro do controle de um homem, e as coisas que não estão. A única coisa que esta dentro do controle de um homem e sua mente, sua escolha moral, a atitude que adotara para com a vida e as circunstâncias. Diante de todas as coisas externas e de tudo quanto possa ser afetado por forças e circunstâncias fora do seu controle, o homem deve conservar indiferença total. A solicitude para com qualquer pessoa ou objeto deve ser estrangulada antes de nascer, conforme ensinavam os estoicos.
(d) A paz vem de uma total independência autossuficiente, da autarkeia.
O homem nunca deve tornar-se, em sentido algum, dependente de qualquer coisa fora de si mesmo. Sua vida deve ser totalmente autossuficiente, defendida pela resolução de que não se importará com nada.
Estas eram as ideias básicas da paz: “a ausência da dor física e da preocupação na mente,” conforme a definição de Epicuro. Fica bem claro que estes filósofos antigos viam a paz em termos de imparcialidade, auto isolamento e resistência contra a vida. A única coisa proibida era o envolvimento na situação humana externa. E fica bem claro que há uma diferença enorme entre isto, o modo de vida neo-testamentário e o ideal cristão.
Examinemos, então, a ideia neo-testamentária de paz. A palavra paz entrou no Novo Testamento com uma historia grandiosa. E a tradução da palavra hebraica shalôm. É verdade que shalõm significa paz, e como paz é traduzida na maior parte das referências em nossas Bíblias, embora existam outras possibilidades tais como: (BV): saúde (sal 38), .3bem-estar (como vai ele?) (Gn 43.27), prosperidade (riquezas e fama) (Jó 15.21). Shalõm realmente significa tudo quanto contribui para o bem do homem, tudo que faz com que a vida seja verdadeiramente vida. Entre nós, paz passa a ter um significado um pouco negativo. Tende a significar a ausência de guerra e de problemas. Por exemplo, se numa batalha, as hostilidades propriamente ditas chegassem ao fim, sem haver mais lutas, provavelmente diríamos que houve paz; mas bem certamente o hebreu não chamaria de paz uma situação onde há terras queimadas, e onde as pessoas ainda se olham com um tipo de suspeita aterrorizada. No pensamento hebraico a paz é algo muito mais positivo; e tudo quanto contribui para o sumo bem dos homens. A saudação salaam não expressa simplesmente o desejo negativo de que a vida da pessoa fique livre de problemas; expressa a esperança e a oração positivas de que ela possa desfrutar de todas as boas dádivas e bênçãos da mão de DEUS. Ao pensar no significado de paz, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo, é essencial ter em mente o significado positivo da palavra.
Examinemos brevemente, então, a palavra eirènè conforme é usada na LXX.
i. Descreve a serenidade, a tranquilidade, o perfeito contentamento da vida totalmente feliz e segura. O caminho da retidão será a paz, e o efeito da retidão será a quietude e segurança para sempre (Is 32.17). O salmista deitar-se-á em paz e dormirá, porque é DEUS quem o faz repousar seguro (sal 4.8). Jeremias contrasta a terra da paz com a floresta do Jordão (Jr 12.5).
Esta palavra “paz” traz a calma e a serenidade da vida da qual o medo e a ansiedade foram banidos para sempre.
ii. Eirènè (Lê-se Êremê) é a palavra para descrever a perfeição dos relacionamentos.
(a) E a palavra da amizade humana. Os amigos de um homem são literalmente, em hebraico, “os amigos da minha paz” (Jr 20.10, ARA: “ íntimos amigos;” Jr 38.22, ARA: “bons amigos” ). A condenação que Isaias
faz dos homens maus e injustos é que não conheceram o caminho da paz. Têm sido destruidores de relacionamentos pessoais. Procura a paz, diz o salmista, e empenha-te por alcançá-la (sal 34.14). Faça tudo para endireitar o relacionamento com o seu próximo.
(b) É a palavra do relacionamento certo entre uma nação e outra, como, por exemplo, quando Josué faz a paz com os homens de Gibão (Js 9.15).
(c) É a palavra do relacionamento certo entre o homem e DEUS. Entre DEUS e os Seus, há uma aliança da paz, o que torna certo que será mais fácil serem removidas as montanhas e as colinas do que a misericórdia de DEUS afastar-se dos homens (Is 54.10). Jeremias declara que DEUS tem pensamentos de paz para com os homens (Jr 29.11).
É fácil ver quão importante é a palavra “paz.” É muito mais do que um estado negativo onde os problemas cessaram temporariamente. Descreve a saúde do corpo, o bem-estar e a segurança, a perfeita serenidade
e tranquilidade, uma vida e um estado em que o homem tem um relacionamento perfeito com o seu próximo e com o seu DEUS. Verdadeiramente, “paz” é uma palavra que entra no vocabulário do NT trazendo consigo aspectos de glória.
No NT a palavra paz, eirènè, ocorre oitenta e oito vezes, e em todos os livros. O NT é o livro da paz.
A ocorrência mais comum acha-se nas saudações. A saudação normal numa carta do NT é: “Graça a vós outros e paz” (Rm 1.7; 1 Co 1.3; 2 Co 1.2; Gl 1.3; Ef 1.2; Fp 1.2; 1 Ts 1.1; 2 Ts 1.2; Fm 3; cf. 1 Tm 1.2; 2 Tm 1.2; Tt 1.4; 1 Pe 1.2; 2 Pe 1.2; 2 Jo 3; Ap 1.4). é uma saudação especialmente significativa. Graça é charis; charis é o substantivo de chairein que é o inicio normal de uma carta pagã. É usualmente traduzido: “Saudações!” , e pode significar, conforme já vimos: “A alegria seja contigo!” Paz é eirènè, e é a saudação normal e comum numa carta judaica. É como se os escritores cristãos tomassem e juntassem as saudações pagãs e judaicas e dissessem: “Em JESUS CRISTO realizou-se tudo quanto judeus e gentios já sonharam e desejaram para si mesmos e para os outros. Em JESUS CRISTO existe, para judeus e gentios, hebreus e gregos, tudo para o sumo bem dos homens.” Todas as bênçãos reúnem-se no bem-estar perfeito oferecido em JESUS CRISTO. No NT, paz tem certas origens: A paz provém da fé. A oração de Paulo pelos cristãos em Roma é que o DEUS da esperança os enchesse com todo o gozo e paz no seu crer (Rm 15.13). A paz provém da certeza da sabedoria, do amor e do poder de DEUS. A paz provém de apostar sua vida na fé de que aquilo que JESUS disse a respeito de DEUS é verídico.
A paz provém da fé que se aplicou à atuação. Há glória e honra e paz para todos quantos praticam o bem, para o judeu e o grego igualmente (Rm 2.10). A paz provém da obediência que se fundamenta na total confiança em DEUS. A vida cristã tem em primeiro plano a atividade intensa, e, como pano de fundo, uma passividade sábia em que o cristão descansa em DEUS.
A paz provém de DEUS. Paulo fala da paz de DEUS que excede todo o entendimento (Fp 4.7). Com toda a probabilidade, isto não quer dizer tanto que a paz de DEUS ultrapassa o poder da compreensão da mente
humana, mas que a paz de DEUS ultrapassa a capacidade de planejar da mente humana. A paz é muito mais uma coisa que DEUS dá, do que algo que o homem cria.
A paz é o dom de JESUS CRISTO. Quando o CRISTO ressurreto voltou para Seu próprio povo, Sua saudação foi: “Paz seja convosco” (Jo 20.19, 21, 26).
Mesmo assim, JESUS também deixou Sua ultima vontade e testamento:
“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou” (Jo 14.27). Em ultima analise a paz não é algo que o homem alcança — é algo que ele aceita.
No NT, a paz tem significado que é mais frequente do que qualquer outro, e foi transmitido pelo pensamento e uso judaicos. A paz é o relacionamento certo em todas as esferas da vida.
(a) A paz é o relacionamento certo dentro do lar. Em 1 Co 7.12-16.
Paulo trata de um problema que fora levantado pela igreja de Corinto. Havia um partido dentro da igreja de Corinto que acreditava que, se um cônjuge num casamento se tornasse cristão e o outro permanecesse pagão, o cônjuge cristão deveria deixar o outro, rompendo e terminando, assim, o casamento. Paulo dá conselhos enfáticos contra tal comportamento. O dever do cônjuge cristão não é abandonar o cônjuge pagão, mas levá-lo a JESUS CRISTO. Passa, então, a citar a razão: “DEUS vos tem chamado a paz” (1 Co 7.15). Esta palavra “paz” descreve a união indissolúvel do relacionamento que existe entre o marido e a esposa dentro do lar.
(b) A paz e o novo relacionamento entre os judeus e os gentios. JESUS, disse Paulo, é a nossa paz, porque de dois povos fez um, e derrubou o muro de hostilidade que estava no meio. Criou nEle mesmo um novo homem para tomar o lugar dos dois, fazendo a paz por este modo (Ef 2.14-17).
Há um quadro duplo aqui. O Templo em Jerusalém consistia de uma serie de átrios em ordem crescente de santidade e separação. O átrio mais externo era o Átrio dos Gentios onde qualquer homem de qualquer nação podia entrar. Havia, depois, o Átrio das Mulheres, além do qual as mulheres não podiam penetrar a não ser que fosse para fazer algum sacrifício estipulado. Mais para dentro ainda, havia o Átrio dos Israelitas, além do qual não podia penetrar qualquer leigo. O átrio mais interior era o Átrio dos Sacerdotes, na extremidade do qual havia o Templo propriamente dito e o SANTO Lugar, e onde ficam os altares. Entre o Átrio dos Gentios e o Átrio das Mulheres havia um cercado bem baixo chamado o cel.; e encaixada nele, em intervalos, havia uma inscrição: “Nenhuma pessoa de outra raça deve entrar no cercado e plataforma em volta do Lugar SANTO.
Quem for encontrado agindo assim será responsável pela sua própria morte, que se seguirá.” Havia, bem literalmente, um muro de divisão entre os judeus e os gentios, uma separação total. Aquele muro foi edificado pelos judeus, mas do lado dos gentios havia uma parede invisível de ódio, suspeita e antissemitismo que excluía o judeu. Com a vinda de JESUS, a parede de separação foi derrubada; a diferença radical foi apagada. Nas orações matutinas judaicas havia uma expressão de ações de graças da parte do homem judeu, em que agradecia a DEUS por não ter nascido gentio, escravo ou mulher. Mas a grande declaração de Paulo é que em CRISTO não há nem judeu, nem grego, nem escravo, nem liberto, nem homem, nem mulher (Gl 3.28). Em JESUS CRISTO as barreiras estão derrubadas, e só nEle pode ser estabelecido o relacionamento certo entre uma nação e outra, e entre uma raça e outra.
(c) A paz descreve o novo relacionamento que deve existir dentro da Igreja. Na Igreja, os cristãos devem manter a unidade do ESPÍRITO no vinculo da paz (Ef 4.3). Em Colossenses, Paulo usa uma metáfora: “Seja a paz de CRISTO o arbitro em vossos corações” (Cl 3.15). A palavra “arbitro” é proveniente dos jogos esportivos, referindo-se ao arbitro que dá suas decisões. Dentro da Igreja a paz de DEUS deve ser o arbitro de todas as decisões dentro do nosso coração.
As decisões não devem ser governadas pela ambição pessoal, desejo de prestigio, amargura ou espirito implacável; devem, sim, ser governadas pela paz de DEUS; devem ser feitas num relacionamento pessoal com os homens que é possibilitado exclusivamente por um relacionamento com DEUS.
(d) A paz descreve o relacionamento cristão entre um homem e outro.
É dever de cada cristão esforçar-se por criar e manter esse relacionamento. O cristão deve esforçar-se em prol da paz com todos os homens (Hb 12.14). O cristão deve labutar para ser achado em paz por CRISTO, ou seja, num relacionamento certo com seu próximo (2 Pe 3.14). A condenação dos maus é que não conheceram o caminho da paz (Rm 3.17). Há aqui uma promessa e uma advertência subentendidas. Ninguém pode fazer uma obra mais cristã do que estabelecer o relacionamento certo entre os homens. E DEUS certamente não considerara inocente o homem que perturba os relacionamentos pessoais dentro da Igreja. O pacificador está fazendo a obra de DEUS; o provocador de contendas está fazendo a obra do diabo.
(e) A paz descreve o novo relacionamento entre o homem e DEUS. Temos paz com DEUS porque, mediante a obra de JESUS CRISTO, entramos num relacionamento certo com Ele (Rm 5.1). JESUS fez a paz, ou seja:estabeleceu um relacionamento certo, entre DEUS e o homem, pelo sangue da Sua cruz (Cl 1.20). Através da obra de JESUS CRISTO, o medo, a alienação, o terror e a distância já não existem e temos intimidade com DEUS. Bem pode ser dito que o novo relacionamento é resumido na nova palavra pela qual podemos, mediante JESUS, dirigir-nos a DEUS. O próprio JESUS chamava DEUS de Abba (Mac 14.36), e mediante o ESPÍRITO nos é possível usar a mesma palavra (Rm 8.15). Abba, na Palestina antiga, como yába ainda o é entre os árabes hoje, era a palavra com a qual uma criancinha dirigia-se ao pai no circulo familiar. Uma tradução em nossa língua pareceria grotesca, pois o significado é “papai.” Que infinita diferença esta no clamor aterrorizado de Manoá, dizendo para a esposa: “Certamente morreremos, porque vimos a DEUS” (Jz 13.22).
A paz e o relacionamento completamente novo que JESUS CRISTO possibilitou entre o homem e DEUS. Fica claro que esta paz tem um valor infinito; e sabemos que alcançá-la não é uma tarefa fácil humanamente falando. Já dissemos que ela é o dom de DEUS, porque no NT Ele é chamado de o DEUS da paz pelo menos seis vezes (Rm 15.33; 16.20; Fp 4.9; 2 Co 13.11; 1 Ts 5.23; Hb 13.20,21).
Mas, embora todas as dádivas de DEUS sejam feitas gratuitamente, há também um sentido em que não são oferecidas de graça. Devem ser intensamente desejadas e buscadas com grande esforço. Destarte, o NT usa três grandes palavras para a parte do homem na busca desta paz. Devemos buscar a paz e persegui-la (“empenhe-se por alcançá-la” — ARA) (1 Pe 3.11).
Devemos ser zelosos para sermos achados por ele em paz (2 Pe 3.14). 
A palavra traduzida por buscar é zêtein, e significa fazer da paz o objeto de todos os nossos esforços. A palavra traduzida por perseguir é diõkein, que significa perseguir ate alcançar, como um caçador faria. A
palavra traduzida por ser zeloso é spoudazein que significa procurar uma coisa com entusiasmo ardente. A paz que consiste em relacionamentos certos não se obtém de modo fácil ou automático, mas quando a desejamos de todo o coração e a buscamos com toda a nossa mente, usando todas as nossas faculdades para achá-la e mantê-la, DEUS abre a Sua mão e a dá abundantemente.

INIMIZADE - Obra da Carne eo Fruto do ESPÍRITO-William Barclay
echthra - εχθρα - Lê-se Festrá - Inimizade
B, ARC, ARA, Mar.: Inimizades; BJ, P, BV: ódio; BLH; as pessoas ficam inimigas; M: brigas. Outras traduções de outras ocorrências da palavra:
RSV: hostil ou hostilidade (Rm 8.7; Ef 2.14, 16). M: inimizade tradicional entre famílias (Ef 2.16); W: inimizade mutua (Ef 2.16); P. elementos conflitantes (Ef 2.14).
Não é necessário gastar muito tempo discutindo o significado de echthra; echthros é a palavra grega normal para um inimigo, e echthra, para a inimizade.
No próprio NT, ocorre somente em duas outras passagens. Em Rm 8.7 
Paulo escreve que a mente que se fixa na carne é hostil a DEUS, ou, conforme diz NEB: “O ponto de vista da natureza inferior é inimizade contra DEUS.” Em Ef 2.14,16 é usada para a parede divisória de hostilidade que faz separação entre o judeu e o gentio até que ambos se tornem um só em JESUS CRISTO.
No mundo antigo havia três tipos de inimizade, e estas continuam sendo reproduzidas na vida humana.
i. Havia inimizade entre uma classe e outra dentro da mesma cidade do mesmo pais. Platão disse que em cada cidade havia uma guerra civil entre os que possuem e os que não possuem. Pode haver em qualquer
comunidade uma guerra de classes que as pessoas de disposição maligna podem facilmente fomentar visando atingir seus propósitos pessoais maldosos.
ii. Havia a inimizade entre os gregos e os bárbaros. Esta, disse Platão, era uma guerra que não conhecia fim; e Sócrates implorava que Homero nunca fosse omitido do currículo educacional do jovem grego, porque
Homero demonstra a separação eterna entre o grego e o bárbaro. Para os gregos, havia num sentido literal uma diferença entre os gregos e os bárbaros. “Havia,” escreve T. R. Glover, “alguma diferença natural entre os gregos e os bárbaros. Não se podia ir contra a Natureza; e a Natureza planejara dois tipos distintos do homem — o grego e o não grego — e a diferença era fundamental” (T. R. Glover: Springs of Hellas, pag. 32).
Deve ser notado quão essencialmente arrogante era esta distinção grega. Como, perguntava insistentemente Ctesias, o historiador antigo, homens que só sabiam latir chegariam a governar o mundo? Ora, este teste do idioma grego relegava nações altamente civilizadas, tais como o Egito, a Fenícia, a Pérsia, a Lídia tão próspera, a categoria de bárbaras.  Aristóteles pensava que o próprio clima do mundo mantinha esta diferença.
Aqueles que habitavam no norte, nos países frios, tinham bastante coragem e ânimo, mas pouca perícia e inteligência; aqueles que habitavam no sul, na Ásia Menor, conforme o nome que agora damos a região, tinham bastante perícia, inteligência e cultura, mas pouco ânimo ou coragem.  Somente os gregos viviam num clima projetado pela Natureza para produzir o caráter perfeitamente equilibrado e harmonizado (Aristóteles: Política 7.7.2). Para os gregos, estes “bárbaros” eram por natureza escravos, e era perfeitamente correto para um grego superior reduzi-los a escravidão, comprá-los e vendê-los. Esta atitude para com o não grego ressaltava-se vividamente num adjetivo que Plutarco aplica a Heródoto, o historiador antigo. Heródoto tinha uma curiosidade insaciável, e poderíamos dizer que era de alcance mundial. Para eles, grandes façanhas permaneciam grandes façanhas, quer realizadas por um grego, quer não. Era, conforme J. L. Myers escreve a respeito dele em The Oxford Clássica Dictiomry: “ isento do preconceito e intolerância raciais”. E o resultado é que Plutarco rotula-o com a palavra Philo bárbaros, amigo dos bárbaros, como se a palavra fosse uma condenação (Plutarco: De Mal. Her. 857 A).
É de relevância que dois dos lugares onde ocorre a palavra echthra (Ef 2.14, 16) referem-se ao relacionamento no mundo antigo entre judeus e gentios. Havia realmente uma parede de hostilidade, uma inimizade
tradicional antiga, entre judeus e gentios. Era uma ojeriza que existia em ambas as partes. Os romanos podiam falar da religião judaica como sendo superstição bárbara (Cícero: Pro Flacco 28), e do povo judaico como o mais vil dos povos (Tácito. Histórias 5.8). Na mesma passagem, Tácito diz a respeito dos judeus que tem uma lealdade inabalável uns aos outros, mas um ódio hostil a todos os demais homens. Diodoro Siculo repete o ditado de que os judeus supõem que todos os judeus sejam inimigos (31.1.1.3). Apiao declarou que os judeus juraram pelo DEUS do céu, da terra e do mar que nunca demonstrariam boa vontade a qualquer homem de outra nação, e especialmente que nunca fariam isso com os gregos (Joseio: Contra Apião 1.34; 2.10). Por outro lado, os judeus consideravam os gentios impuros. Casar-se com um gentio era o mesmo que ter morrido. Nos seus momentos mais amargos, os judeus podiam considerar os gentios como animais imundos, odiados por DEUS, e destinados a serem combustível para o fogo do inferno. O antissemitismo não e nenhum fenômeno novo, e a exclusividade judaica faz parte da essência do judaísmo. A cortina de ferro do preconceito racial e da amargura inter-racial Nilo e coisa nova. O espírito que produz os motins raciais é a segregação das cores e tão antigo quanto a civilização — e desde o seu inicio e condenado pela ética e fé cristãs.
iii. Há a inimizade entre um homem e outro. Neste caso, é mais simples definir echthra em termos do seu antônimo. Echthra é o antônimo exato de agapê. Agapê, amor, a suprema virtude cristã, é a atitude mental que nunca permitira sentir amargura para com homem algum, e que nunca buscara outra coisa senão o sumo bem dos outros, independentemente de qual seja a atitude dos outros para com ela .Echthra é a atitude da mente e do coração que coloca as barreiras e que tira a espada; agapê é a atitude do coração e da mente que alarga o circulo, que estende irmão da amizade e que abre os braços do amor. A primeira é uma obra da carne; a outra e qualidade do fruto do ESPÍRITO.

PAZ - Dicionário Teológico
- [Do hb. shalom;do gr. eirene; do lat. pacem] Nas Escrituras, paz não significa apenas ausência de guerras, ou de, conflitos. De acordo com os profetas e apóstolos, é a serenidade que o ESPÍRITO SANTO nos infunde no coração mediante a fé que depositamos na providência divina (Is 26.3; Fp 4.7).
Como qualidade do fruto do ESPÍRITO, a paz é a profunda quietude do coração firmada na convicção de que DEUS está no comando de todas as coisas (GL 5.22,23).
Num tempo de necessidade e insegurança, esta foi a oração de um homem que vivia a paz como qualidade do fruto do ESPÍRITO: “Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se multiplicaram o seu trigo e o seu vinho. Em paz também me deitarei e dormirei, porque só tu, Senhor, me fazes habitar em segurança” (SL 4.7,8).

PAZ - Dicionário Português
s. f. 1. Estado de um país que não está em guerra; tranqüilidade pública. 2. Repouso, silêncio. 3. Tranqüilidade da alma. 4. União, concórdia nas famílias. 5. Sossego. — Paz-de-alma: pessoa inofensiva, pacífica.


Paz - Comentário Bíblico Wesleyano
A coroa de tudo. É a qualidade da mente para o qual os homens lutam, sangram e morrem e ainda que escapa milhões. É mais do que perdoar a si mesmo e viver consigo mesmo. É um sentimento de relação harmoniosa com a de mais significativo ambiente de DEUS, o céu, a justiça, a verdade, e os homens de boa vontade. Não é tanto o ajuste de circunstâncias externas como a realidades internas e finais. Ela respira a calma durante a tempestade e dá uma âncora para a alma. É uma fonte de força e coragem, esperança e confiança. Mas, também, não é uma conquista. É um resultado de uma relação que produz um hábito da mente.

inimizades são violações de amor em sentimento ou em ato. 

Paz .Comentário Bíblico - John Macarthur - NT (Tradução M4ycqn)
Se a alegria fala da alegria de coração que vem de estar bem com DEUS, então a paz ( eirēnē ) refere-se a tranquilidade de espírito que vem da relação de poupança. O verbo tem a ver com a ligação em conjunto e se reflete na expressão moderna "ter tudo juntos ou em comum" Tudo está no lugar e como deveria estar.Assim como a alegria, a paz não tem nenhuma relação com as circunstâncias. Os cristãos sabem que "DEUS faz com que todas as coisas contribuam juntamente para o bem daqueles que amam a DEUS, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Rom. 8:28). Porque DEUS está no controle de todos os aspectos da vida de um crente, como suas circunstâncias podem aparecer a partir de uma perspectiva humana, não faz diferença final. É por isso que JESUS pode dizer sem qualificação para aqueles que confiam nEle: "Não se turbe o vosso coração" (João 14:1). Não há absolutamente nenhuma razão para que um crente seja ansioso ou viva com medo.JESUS é o Príncipe da Paz, tanto no sentido de que Ele é extremamente pacífico em Si mesmo e no sentido de que Ele outorga Sua paz para aqueles que são Dele. Mesmo quando enfrentou Satanás face-a-face no deserto, JESUS teve perfeita paz, sabendo que seu Pai celestial estava continuamente com Ele e supriria todas as suas necessidades (Mt 4: 1-11.). É a Sua própria paz que Ele lega a seus discípulos: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." (João 14:27)."As coisas que você aprendeu e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, praticai essas coisas", disse Paulo; "E o DEUS de paz estará convosco" (Fp 4: 9.). Porque eles têm o DEUS da paz em seus corações, os crentes não precisam "estar ansioso por nada", tendo "a paz de DEUS, que excede todo o entendimento, [para] guarda [seus] corações e [suas] mentes em CRISTO JESUS" ( v. 6-7).

Inimizades está no plural e se refere a atitudes de ódio, que resultam em conflitos entre indivíduos, incluindo os conflitos amargos. Atitudes erradas invariavelmente trazem ações erradas.

Paz - Coleção Comentários Expositivos Hagnos - Hernandes Dias Lopes
A palavra grega eirene, traduzida por “paz”, refere-se fundamentalmente à paz com DEUS. Era usada para descrever a tranquilidade e a serenidade que goza um país sob um governo justo. Significa não apenas ausência de problemas, mas, sobretudo, a consciência de que nossa vida está nas mãos de DEUS.
Virtudes ligadas ao nosso relacionamento com o próximo. “... longanimidade, benignidade, bondade...” (Gl 5.22b). Essas três virtudes estão conectadas com a nossa relação com o próximo: longanimidade é paciência para com aqueles que nos irritam ou perseguem, benignidade é uma questão de disposição, e bondade refere-se a palavras em Gálatas 5.22, tinham tudo em comum, estavam em comum acordo.

Inimizades.
A palavra grega exthrai, traduzida por “inimizades”, significa hostilidade, animosidade. Trata-se daquele sentimento hostil nutrido por longo tempo, que se enraíza no coração. A ideia é a de um homem que se caracteriza pela hostilidade para com seu semelhante. É o oposto do amor.

Paz - Comentário Bíblico Moody
É o dom de CRISTO (Jo. 14:27) e inclui uma reação interior (Fp. 4:6) e relacionamento harmonioso com os outros (contraste com Gl. 5:15,20)

inimizades - é algo latente, passando pelas porfias, que é algo operante (indicando neste caso disputas devidas ao egoísmo), pelas dissensões (antes, divisões)

Tradução do hebraico “SHALOM”, que não significa apenas ausência de guerra, inimizade e brigas, mas inclui também tranqüilidade, segurança, saúde, prosperidade e bem-estar material e espiritual para todos (Sl 29.11; Jo 20.21).

Paz com DEUS - Comentário Bíblico Wesleyano
ESTA PAZ indica a "paz de completa reconciliação com Ele" ou "a segurança e tranquilidade de aceitação." A ira de DEUS já não ameaça naqueles que são aceitos em CRISTO. Godet chama essa paz "serenidade completa" como para o passado, o futuro, e até mesmo o julgamento, porque CRISTO não somente morreu por nós, mas vive para nos manter neste estado de salvação ( 5: 9 , 10 ) Embora a palavra sugere sentimento , denota muito mais. É uma relação entre DEUS e o homem. 
A outra coisa a fazer é justificada para desfrutar da comunhão restaurada que o tipo de justificação pela fé traz na expiação. Já esta reconciliação é nossa por graça. A Inimizade é destruída. Em vez de medo da ira, agora é comunhão entre o homem e DEUS. O homem não foi capaz de conseguir isso. É uma libertação operada pelo sangue de CRISTO. A paz é mais do que não-agressão. É a harmonia e a partilha mútua. Na KJV é chamado de " expiação " . Nós, que éramos tão "separados" somos agora "um" pela expiação. Isso agora desfrutaremos na certeza de que o tipo de fé e justiça inclui todos os recursos necessários para o triunfo final através de JESUS CRISTO, nosso Senhor.

 
AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
Referências Bibliográficas (outras estão acima)
Dicionário Bíblico Wycliffe. 4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal, Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006, Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm  --  www.ebdweb.com.br - www.escoladominical.net - www.gospelbook.net - www.portalebd.org.br/  --
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD, Manual Bíblico Entendendo a Bíblia, CPAD, Dicionário de Referências Bíblicas, CPAD, Hermenêutica Fácil e descomplicada, CPAD, Revistas antigas - CPAD
Tesouro de Conhecimentos Biblicos / Emilio Conde. - 2* ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de DEUS, 1983
Wiesber, Comentário Bíblico. Editora Geográfica, 2008,
Champlin, Comentário Bíblico. Hagnos, 2001,
Concordância Exaustiva do Conhecimento Bíblico "The Treasury of Scripture Knowledge"
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Bíblia The Word
Bíblia SWord
Dicionário Strong Hebraico e Grego
Dicioário teológico - Claudionor Correa de Andrade
Enciclopédia Ilúmina
Obra da Carne e o Fruto do ESPÍRITO - William Barclay