quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Lição 4, A Provisão de DEUS no Monte do Sacrifício, 5 partes, 4Tr16, Ev Henrique, EBD NA TV

Lição 4, A Provisão De DEUS No Monte Do Sacrifício
4º Trimestre de 2016 - Título: O DEUS de Toda Provisão - Esperança e Sabedoria Divina para a Igreja em meio às Crises
Comentarista: Pr. Elienai Cabral
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
AQUI VOCÊ VÊ PONTOS DIFÍCEIS DA LIÇÃO - POLÊMICOS
Ajuda para a lição em http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/avidadeabraao.htm#Lição 2  
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/avidadeabraao.htm#Lição 3
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/avidadeabraaoparte2.htm#Abrão no Egito
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/avidadeabraaoparte4.htm
 
 
TEXTO ÁUREO
"E Disse Abraão: DEUS Proverá Para Si O Cordeiro Para O Holocausto, Meu Filho. Assim, Caminharam Ambos Juntos."(Gn 22.8)
 
 
VERDADE PRÁTICAA Declaração De Abraão Se Cumpriu Plenamente Quando CRISTO Morreu Na Cruz Para Perdão Dos Nossos Pecados.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 22.3 A obediência de Abraão e a provisão no monte do sacrifício
Terça-feira - Gn 22.6 Um altar é erguido no monte do sacrifício
Quarta - Hb 11.18 A fé do patriarca e a provisão no monte do sacrifício
Quinta - Gn 22.9 A obediência do filho e a provisão no monte do sacrifício
Sexta - Gn 22.13,14 O cordeiro substituto no monte do sacrifício
Sábado - Gn 22.17 A bênção de DEUS no monte do sacrifício
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Gênesis 22.1-3
1 - E aconteceu, depois destas coisas, que tentou DEUS a Abraão e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. 2 - E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi. 3 - Então, se levantou Abraão pela manhã, de madrugada, e albardou o seu jumento, e tomou consigo dois de seus moços e Isaque, seu filho; e fendeu lenha para o holocausto, e levantou-se, e foi ao lugar que DEUS lhe dissera.
 
22:1-19. A oferta sacrificial de Isaque.
O pai e o filho são-nos revelados com especial clareza nesse momento supremo. De Abraão, a perturbadora exigência só evoca amor e fé, certo como ele está de que a “ loucura de Deus” é sabedoria ainda não descoberta.5 Assim, fica ele capacitado, pela entrega do seu filho, a refletir o ainda maior amor de Deus, enquanto que a sua fé lhe propicia um primeiro vislumbre de ressurreição. Ver coment. do v. 5. A prova, em vez de quebrantá-lo, leva-o ao ponto culminante da peregrinação de sua vida toda andando com Deus. Isaque também chega logo ao cume em sua jornada — não pelo que faz e sim pelo que sofre. Neste acontecimento está o seu papel, por mais que ele mesmo não se torne personagem distinguido. Outros farão proezas; ele aí fica na condição de vítima calada, num único episódio, para demonstrar o plano de Deus quanto à “semente” escolhida: ser um servo sacrificado.
1. Tentou (AV) é mais bem expresso por provou ou testou (cf. RV, RSV, AA). A confiança de Abraão teria de ser posta na balança contra o senso comum, o afeto humano e a ambição de toda a sua vida; de fato, contra tudo que é terrenal.
2. Cada uma das frases iniciais acrescenta um grau à tensão. Moriá reaparece apenas em 2 Cr 3:1, onde se identifica com o lugar em que Deus suspendeu a praga de Jerusalém e onde Salomão edificou o templo. Nos termos do Novo Testamento, ficava nas vizinhanças do Calvário.
3. Sobre a partida de Abraão bem cedo, ver coment. de 21:14.
4. A indicação da data, ao terceiro dia, incidentalmente se harmoniza com a localização de Moriá anotada acima, mas fala principalmente da prolongada prova e da obediência mantida.
5. A certeza de que Isaque, como Abraão, voltaria do sacrifício não era simples frase vazia; era a plena convicção de Abraão, baseada na promessa: “ por Isaque será chamada a tua descendência” (21:12).
Hb 11:17-19 revela que ele esperava que Isaque ressuscitasse. Daí em diante o consideraria como devolvido dos mortos. Quanto a uma extensão desta atitude, ver as reflexões de Paulo sobre a vida mediante a morte em 2 Co, especialmente 5:14.
6. A colocação da lenha sobre Isaque traz inevitavelmente à memória o pormenor de Jo 19:17: “ e ele próprio, carregando a sua cruz, saiu” . Mas o fogo e o cutelo estão nas mãos do pai. O fato de a vítima e o ofertante caminharem ambos juntos (o pungente refrão retorna no v. 8), prefigura a coparticipaçâo maior expressa em Is 53:7,10.
8. O Deus proverá de Abraão haveria de imortalizar-se no nome do lugar; ver o v. 14. Quase se poderia dizer que constitui o moto da sua vida toda. Muitos são os que viveram por esse lema daí por diante. Sua completa certeza de Deus, juntamente com uma completa abertura quanto aos pormenores, faz desta um modelo de resposta a uma questão agonizante. O método de Deus competia a Ele; tomá-los-ia de surpresa.
9,10. Von Rad assinala a diminuição no ritmo da narrativa rumo ao momento fatal; nos vers. 10 “ mesmo os movimentos singelos” são captados. Trata-se de obra-prima na arte da narração.
11,12. O momento exato da intervenção extrai da experiência a última gota de significado. Do lado humano, o sacrifício último é enfrentado e determinado; do lado divino, nem um vestígio de ferimento é permitido, e nem um leve sinal de devoção passa despercebido (como o esclarece a frase o filho, o teu único filho, eco do v. 2, repetido no v. 16) . É a resposta à interrogação levantada por Miquéias (6:6,7), resposta vividamente conclusiva, embora de modo nenhum fácil.
13. Pela segunda vez (cf. 21:19) acha-se a provisão de Deus pronta e à espera. Note-se que, ao menos neste sacrifício, a vítima foi substituta (em lugar de seu filho). E aquilo que aqui está explícito, o posterior ritual de Levítico 1:4 parece bem apropriado para expressar.
14. Jehovah-jireh (AV; AA: “ o Senhor proverá” ), independentemente do seu uso como nome de Deus, é a expressão empregada por Abraão no v. 8. Prover (proverá) é um sentido secundário do verbo simples “ ver” (cf. o nosso see to it; como também o português “ veja que” ), como em 1 Sm 16:1, AV. Ambos os sentidos provavelmente coexistem na pequena expressão contida no v. 14, a saber: “ No monte ... ficará evidente” (AV: “ ...se verá."; AA: “ ...seproverá”).
15-18. Obedecer é achar nova segurança como Abraão descobrira em 13:14; observe-se também a nova promessa em 17. O melhor comentário do juramento de Deus encontra-se em Hb 6:16-18.
Genesis - Série Cultura Bíblica - Derek Kidner
 
Y êhovah yireh - O SENHOR proverá = “Javé proverá”
nome simbólico dado por Abraão ao Monte Moriá, em comemoração à intervenção do anjo de Javé que impediu o sacrifício de Isaque e providenciou um substituto.
 
Mowriyah ou מריה Moriyah - Moriá = “escolhido por Javé”
1) o lugar para onde Abraão levou Isaque a fim de sacrificá-lo
2) o monte no lado oriental de Jerusalém sobre o qual Salomão construiu o templo
 
יצחק  Yischaq - Isaque = “ele ri”
1) filho de Abraão e Sara, sua esposa, e pai de Jacó e Esaú
dicionario-biblico-strong-lc3a9xico-hebraico-aramaico-grego-james-strong
 
MORIÁ
Este termo se aplicava à região onde Abraão ofereceu Isaque (Gn 22.2), e ao local do Templo de Salomão (2 Cr 3.1). Alguns desafiaram esta identificação devido às variantes textuais em 2 Crónicas 3.1, e por causa de sua proximidade a Berseba. Entretanto, com um jumento carregado, Abraão poderia ter levado 3 dias para viajar os 80 quilómetros de distância até Moriá (Gn 22.4). Não há opositores e nenhuma razão adequada para se duvidar de que o monte Moriá (Gn 22.2), a eira de Araúna, o jebuseu (2 Sm 24.16ss.), e o local do Templo de Salomão (2 Cr 3.1) sejam praticamente idênticos. Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, John Rea 
É INCRÍVEL A FALTA DE CONHECIMENTO BÍBLICO DE NOSSOS GOVERNANTES QUE ASSINARAM UM DOCUMENTO DIZENDO QUE NÃO EXISTE RELAÇÃO ENTRE ISRAEL E O MONTE DO TEMPLO.
ISSO, NO MÍNIMO, É DESAFIAR A DEUS.
NÃO É POR SER DESCENDENTE DE ÁRABES QUE O NOSSO PRESIDENTE PRECISE SER TÃO IGNORANTE BÍBLICO.
 
O nome de Isaque se origina da raiz hebraica, sahaq, que significa "rir". O riso de Abraão (Gn 17.17) parece ter sido uma expressão de alegria, ou até de admiração, enquanto o riso de Sara (Gn 18.11-15) era uma expressão de incredulidade que ela, vergonhosamente, tentou desmentir. No devido tempo, Isaque tornou-se o núcleo principal de todas as esperanças de Abraão; isso explica a importância do episódio do oferecimento de Isaque em sacrifício. O dilema que Abraão experimentou era que a promessa de Deus não poderia se cumprir se Isaque morresse; no entanto Deus estava pedindo Isaque a Abraão. O texto em Hebreus 11.17-19 mostra o comentário Divino sobre esse acontecimento, mostrando como a fé de Abraão triunfou ao crer na fidelidade de Deus, pois "considerou que Deus era poderoso para até dos mortos" ressuscitar Isaque (v. 18), se necessário, para cumprir a sua promessa.
 
Abraão no NT
O nome de Abraão ocorre 74 vezes no NT, mais que o nome de qualquer outro santo do AT, exceto Moisés (79 vezes). Deus é o "Deus de Abraão" (Mt 22.32; At 7.32) e Abraão vive em uma consciente comunhão com Ele (Lc 16.22; veja O Seio de Abraão). Abraão foi o antecessor do Messias (Mt 1.1) e pai dos israelitas segundo a carne (Mt 3.9; Jo 8.33; At 13.26). Mas ele se tornou o pai espiritual de todos aqueles que compartilham a sua fé pelo Espírito Santo (Rm 4.11-16; 9.7; Gl 3.16,29; 4.22,31). A fé de Abraão levou ao seu perdão, e tipifica o modelo de fé que devemos exercitar (Rm 4.3-11). As demonstrações de sua fé, ao obedecer à ordem de Deus para abandonar a Mesopotâmia, assim como o oferecimento de seu filho, Isaque, são mencionados como exemplos notáveis de sua fé em ação (Hb 11.8-19; Tg 2.21).
Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, John Rea
 
TEOFANIA   - Teofania é DEUS mesmo em forma visível ao homem. Tanto faz sendo em forma de homem, ou de animal ou de anjo. Três anjos apareceram a Abraão, mas só um aceitou intercessão. Só um falou. Só um ficou com Abraão enquanto os outros dois foram para Sodoma. Esse que ficou entendemos ser JESUS em forma humana. Isso é teofania. [Gn 18:2] Levantou ele os olhos, olhou, e eis três homens de pé em frente dele. Vendo-os, correu da porta da tenda ao seu encontro, prostrou-se em terra [Gn 18:22] Então, partiram dali aqueles homens e foram para Sodoma; porém Abraão permaneceu ainda na presença do SENHOR. Esse nome SENHOR no original é יהוה Yêhovah ; de divindade Javé = “Aquele que existe” 1) o nome próprio do único Deus verdadeiro 1a) nome impronunciável, a não ser com a vocalização. Anjo do SENHOR quer dizer DEUS mesmo em forma de anjo. Aqui no caso era um homem e era DEUS mesmo em forma de um homem. No caso de nossa lição quando Abraão ia sacrificar seu filho, quem aparece a Abraão é o anjo do SENHOR, chamado Anjo Teofânico, DEUS mesmo.
 
OBJETIVO GERAL
Ressaltar a provisão de DEUS no monte do sacrifício.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Mostrar que é necessário ter fé para subir ao monte do sacrifício;
Compreender que a fé de Abraão o fez vencer a provação no monte do sacrifício;
Explicar que JESUS é o Cordeiro de DEUS que subiu ao monte do sacrifício por amor a nós.
 
PONTO CENTRAL - Pela fé Abraão pôde ver a provisão de DEUS no monte do sacrifício.

Resumo da 
Lição 4, A Provisão De DEUS No Monte Do Sacrifício 
I - FÉ PARA SUBIR O MONTE DO SACRIFÍCIO
1. Abraão é provado.
2. No limite da capacidade humana.
3. Um pedido difícil.
II - PROVAÇÃO NO MONTE DO SACRIFÍCIO
1. Amor, obediência e fé no monte do sacrifício.
2. O clímax da prova.
3. O momento decisivo da prova.
III - JESUS, O CORDEIRO DE DEUS NO MONTE DO SACRIFÍCIO
1. O sacrifício do Cordeiro de DEUS (Jo 1.29).
2. A reconciliação mediante o sacrifício do Cordeiro.
3. A justificação mediante o Cordeiro de DEUS.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - É necessário ter fé para subir o monte do sacrifício.
SÍNTESE DO TÓPICO II - Todo crente é provado pelo Senhor no monte do sacrifício.
SÍNTESE DO TÓPICO III - JESUS é o Cordeiro de DEUS que foi imolado por nós no monte do sacrifício.
 
PARA REFLETIR - A respeito da provisão de DEUS no monte do sacrifício, responda: DEUS nos dá tentação além do que podemos suportar? Confirme a resposta com uma referência.
Não. O apóstolo Paulo escrevendo aos coríntios declarou: "Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é DEUS, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar" (1 Co 10.13).
O que DEUS pediu a Abraão?
DEUS pediu que ele sacrificasse seu único filho como oferta.
Quantos dias Abraão e Isaque tiveram que caminhar até chegar à terra de Moriá?
Acredita-se que eles caminharam durante três dias.
Qual a resposta de Abraão a Isaque quando perguntou a respeito do animal para o sacrifício?
"DEUS proverá para si o cordeiro" (Gn 22.8).
Quem é o Cordeiro de DEUS que tira o pecado do mundo?
JESUS CRISTO.
 
CONSULTE - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 68, p38.
 
SUGESTÃO DE LEITURA - Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal, A Verdadeira Dimensão da Fé e Fazendo O Melhor Depois de Decisões Erradas
 
 
 
Comentários extras do Ev. Luiz Henrique
Resumo rápido da Lição 4, A Provisão De DEUS No Monte Do Sacrifício  (Ev. Henrique).
 
Tenho certeza que nem menino, nem adolescente Isaque era - Gn 22.12 Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Deus, e não me negaste o teu filho, o teu único filho. A palavra "moço" pode significar de 13 até 40 anos (Não sendo casado, como no caso de Iaque). Gênesis é muito difícil para entender cronologia, mas dá para entender que foi próximo da mãe de Isaque morrer que aconteceu isso e antes do casamento de Isaque. BÍBLIA NVI - "Não toque no rapaz" BÍBLIA VIVA - "Deixe o rapaz viver" (ARC) Então, disse: Não estendas a tua mão sobre o moço (ACF)  Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço (ARA)  Então, lhe disse: Não estendas a mão sobre o rapaz
 
TIPOLOGIA -
Abraão - DEUS PAI -
Isaque - DEUS Filho - JESUS -
Sara - Israel -
Lenha - Cruz -
Monte Moriá - Calvário -
Cordeiro - JESUS -
3 Dias - 3 Dias de julgamento de JESUS.
 
 
Resumo da Lição 4, DEUSA Provisão de DEUS no Monte do Sacrifício
Qual era a maior expressão do amor de Abraão? Abraão era homem de Aliança? Abraão era realmente fiel a DEUS? Abraão estaria disposto a dar a DEUS o que ele tinha de mais precioso?
Abrão confiaria que poderia oferecer seu filho a DEUS e que DEUS o restituiria novamente?
DEUS testou Abraão e constatou que Abraão era homem de fé e de fidelidade.
Isaque parece ter por volta de 37 anos nesta época.
Aqui no texto "tentar" (Nacah) tem a conotação de provar, testar, pôr a prova para analisar.
 
I - FÉ PARA SUBIR O MONTE DO SACRIFÍCIO
1. Abraão é provado.
Em Hebreus 11 vemos que Abraão é reconhecido como homem de fé, e não só isso, mas conhecido como Pai da Fé. Embora os sacrifícios humanos fossem proibidos e intoleráveis diante de DEUS, esta era a ordem de DEUS para Abraão: "Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi." Gn 22.2. 
Não havia nada na terra mais preciosos para Abraão do que aquele filho seu com Sara, sua amada, filho do milagre, filho da promessa, filho da velhice, última chance para ele e Sara. Abraão sentia por aquele garoto um amor que chegava a quase loucura. Haveria alguma coisa que Abraão amasse mais do que aquele filho? DEUS não aceita segundo lugar na vida de ninguém. O teste tinha que ser feito. DEUS tinha bênçãos excelentes para Abraão, mas era preciso saber se Abrão estava pronto para recebê-las. Até agora DEUS tem conduzido Abraão para dentro de seu plano diversas vezes por causa de suas constantes escorregadas. Agora havia chegado a hora de Abraão decidir se queria mesmo seguir dentro do plano de DEUS para sua vida ou construir seu próprio caminho fora da vontade de DEUS.
 
Gn 22.1 Deus provou ao Abraão, não para fazê-lo tropeçar e cair, a não ser para incrementar a capacidade do Abraão de obedecer a Deus, e assim desenvolver seu caráter. Da mesma maneira que o fogo refina ao mineral para extrair metais preciosos, Deus nos refina por meio de circunstâncias difíceis. Quando somos provados nos podemos queixar, ou podemos tratar de ver como Deus nos está forçando para forjar nosso caráter.
(ACF)  E aconteceu depois destas coisas, que provou Deus a Abraão, e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis-me aqui.
(ARA)  Depois dessas coisas, pôs Deus Abraão à prova e lhe disse: Abraão! Este lhe respondeu: Eis-me aqui!
(ARC)  E aconteceu, depois destas coisas, que tentou Deus a Abraão e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis-me aqui.
(CATOLICA)    Abraão é provado   Depois desses acontecimentos, Deus pôs Abraão à prova, e lhe disse: ""Abraão, Abraão!"" Ele respondeu: ""Estou aqui"".
(NTLH)  Algum tempo depois Deus pôs Abraão à prova. Deus o chamou pelo nome, e ele respondeu: —Estou aqui.
(NVI)  Passado algum tempo, Deus pôs Abraão à prova, dizendo-lhe: "Abraão! " Ele respondeu: "Eis-me aqui".
(VIVA)  DEPOIS DE ALGUM tempo, Deus pôs à prova a fé e obediência de Abraão. "Abraão! ", chamou Deus. "Aqui estou, Senhor, " respondeu Abraão.  
Como se vê - só uma tradução diz que Abraão foi tentado. (ARC)
 
2. No limite da capacidade humana.
Imagine um pai-avô. Um homem de 100 anos amava como um avô apaixonado por seu netinho. DEUS poderia lhe pedir qualquer coisa, menos aquele filho amado.
- Será que ouvi a voz de DEUS ou a voz do Diabo? Certamente Abraão ficou a pensar e duvidar de que DEUS lhe pediria tamanha dádiva. Mas não tinha jeito, era isso mesmo que ouvira e foi de DEUS mesmo que ouvira.
"E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi." Gênesis 22:2
Abraão talvez tenha tentado negociar com DEUS. - Leva-me no lugar dele. Que eu morra, mas que ele viva. Mas não havia jeito. DEUS queria seu filho amado.
3. Um pedido difícil.
Como dar nossa vida para DEUS? Sim, aquele filho significava mais do que sua própria vida. Abrão parecia estonteado. Mas, se DEUS me deu um filho aos 100 anos. Filho da Promessa. Filho de um milagre (Sara tinha 90 anos), filho que significava que a promessa de ser pai de multidões e de nações se cumpriria. Agora, como matá-lo? E a promessa? DEUS dá e depois toma? Que coisa é essa?
Abraão não fez nada disso. Não reclamou, não murmurou, não choramingou. era homem de Aliança. era homem obediente a DEUS. era amigo de DEUS. Simplesmente obedeceu.
II - PROVAÇÃO NO MONTE DO SACRIFÍCIO
1. Amor, obediência e fé no monte do sacrifício.
A- O amor para com DEUS.
Quem ocupava o primeiro lugar no coração de Abraão? - Quem olhasse de longe saberia responder com certeza que era aquele filho nascido quando Abraão tinha 100 anos e quando sua mãe, Sara, tinha 90 anos. Mas se enganavam redondamente aqueles que assim pensavam - Abrão provou que seu coração estava em primeiro lugar envolvido com DEUS. Ele amava DEUS acima de qualquer coisa ou de alguém.
B- A obediência.
Abraão não pestanejou. Ao receber a ordem de DEUS de oferecer Isaque a Ele em sacrifício, não titubeou, prontamente aceitou, pois confiava inteiramente em DEUS - Sua vida com DEUS havia lhe ensinado a confiar inteiramente bem DEUS. Não dava para compreender, mas DEUS é DEUS e sabe tudo, e pode tudo e está em toda parte ao mesmo tempo.
C- A fé.
DEUS é o DEUS que vê a fé do homem. A fé pode não existir, ser pequena, ser grande, etc...
E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste? Mateus 14:31
Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé! Seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã. Mateus 15:28
E para que sejamos livres de homens dissolutos e maus; porque a fé não é de todos. 2 Tessalonicenses 3:2
Antes Abrão escorregou várias vezes em sua fé. Ao descer ao Egito e mentir a Faraó, ao arrumar filho com a escrava, Agar, ao ir para Gerar e mentir de novo, agora para Abimeleque , porém, agora estava maduro na fé, tinha um relacionamento de amizade com DEUS. Percebeu que DEUS sempre o preservara e à sua esposa, percebeu que DEUS tinha um plano para ele e que deveria confiar em DEUS.  Sabia que DEUS é DEUS de milagres, nada lhe seria impossível. "Melhor obedecer do que sacrificar". 
2. O clímax da prova.
Assim como JESUS passou pelos julgamentos dos homens e sobre Ele pesou a condenação por três dias, Isaque teve a morte sobre ele decretada por três dias de caminhada ao Monte. Abraão é tipo de DEUS PAI, Isaque é tipo de JESUS CRISTO e Sara é tipo de Israel.
Após 3 dias chegaram ao pé do Monte Moriá. É impressionante o que diz Abraão aos seus 2 moços ou empregados: "E disse Abraão a seus moços: Ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o mancebo iremos até lá; depois de adorarmos, voltaremos a vós" (Gn 22.5). Abraão não disse voltarei a vós, mas voltaremos a vós. Isso é fé. Abraão acreditou que subiria ao Monte, mataria seu filho em sacrifício a DEUS  que DEUS ressuscitaria seu filho e o devolveria a ele e ele voltaria com seu filho vivo.
DEUS um dia enviou seu filho e ele MORREU POR NÓS E RESSUSCITOU, voltando ao PAI.
Assim como Isaque carregou a lenha para o sacrifício, JESUS levou a cruz para que nela fosse pregado e oferecido em sacrifício por nós.
A pergunta de Isaque e a resposta de Abraão também indicam a fé superior de Abraão -  “Então disse Isaque a Abraão, seu pai: Meu pai”! Respondeu Abraão: Eis-me aqui, meu filho! Perguntou-lhe Isaque: Eis o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? Respondeu Abraão: Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. E os dois iam caminhando juntos (Gn 22.7, 8).
Aqui Abraão, sendo homem de Aliança, sabia que se ele oferecesse seu filho a DEUS, DEUS também lhe ofereceria seu filho, pois DEUS é DEUS de aliança. Tudo o que era de DEUS era de Abraão e tudo o que era de Abraão era de DEUS. Impressionante a fé de Abraão. 
3. O momento decisivo da prova.
Não existe caminho mais difícil do que o da obediência a DEUS, pois não entendemos quase nada do que Ele quer fazer, para nós parece loucura, mas ELE está no controle, Ele sabe tudo, Ele pode tudo, Ele está em toda parte ao mesmo tempo, Ele sabe o futuro.
interessante como Isaque não fugiu, não resistiu, era como um cordeiro mudo diante de seus tosquiadores, como foi JESUS diante do calvário.
Abraão matou seu filho mesmo. Não consumou o ato porque um anjo lhe impediu, mas em sua mente já o havia matado e oferecido a DEUS, espiritualmente valeu como se o tivesse executado. A bíblia não diz nada sobre isto, mas imagino quanto tempo levou para Abraão tomar a decisão de descer aquele cutelo sobre seu filho. Deve ter perguntado várias vezes para DEUS se era isso mesmo que queria. Não obteve resposta. Então decidiu obedecer. JESUS, no Getsêmani ainda queria que houvesse outra maneira, mas não havia, então se submeteu à vontade do Pai.
"E adiantando-se um pouco, prostrou-se com o rosto em terra e orou, dizendo: Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres" (Mt 26.39).
Olha agora a declaração de DEUS para Abraão:
"e disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor, porquanto fizeste isto, e não me negaste teu filho, o teu único filho, que deveras te abençoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendência, como as estrelas do céu e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos, e em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz" (Gn 22.16-18).
Por causa disso que fizeste Abraão. Por que foste capaz de me dar o que você mais amava. Por que foste capaz de me amar mais do que qualquer coisa ou pessoa. Agora eu vou te abençoar grandissimamente.
Glória a DEUS. Só teremos tudo de DEUS quando dermos tudo para DEUS. DEUS só poderá nos abençoar como deseja quando pudermos nos entregar totalmente a ELE e lhe dermos tudo o que possuímos.
Por isso JESUS disse isto: Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. João 8:56 - Abraão ofereceu seu filho e creu que ele morreria e ressuscitaria.
Abraão teve a fé que precisamos ter para sermos salvos. Crer que DEUS enviou JESUS para morrer por nós e depois o ressuscitou. Rm 10.8,0,10.
Abraão creu que poderia matar seu filho e depois voltar com ele vivo. A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Rm 10-9
É condição básica para salvação crer na morte e na ressurreição de CRISTO.
Por isso a fé de Abraão agradou tanto a DEUS. Ele creu na morte de Isaque e em sua ressurreição. Ele creu também que DEUS daria seu filho e depois o ressuscitaria.
Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. João 8:56
 
III - JESUS, O CORDEIRO DE DEUS NO MONTE DO SACRIFÍCIO
1. O sacrifício do Cordeiro de DEUS (Jo 1.29).
Nisso levantou Abraão os olhos e olhou e eis atrás de si um carneiro embaraçado pelos chifres no mato; e foi Abraão, tomou o carneiro e o ofereceu em holocausto em lugar de seu filho (Gn 22.13).
Para Isaque havia um carneiro para substituí-lo, mas para JESUS não havia substituto. JESUS era o cordeiro de DEUS que tira o pecado do mundo, era insubstituível.
No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. João 1:29
O sacrifício de JESUS foi necessário para o perdão dos nossos pecados
Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Isaías 53:4
Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados. 1 Pedro 2:24
Não existe salvação senão em JESUS CRISTO
E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos. Atos 4:12
2. A reconciliação mediante o sacrifício do Cordeiro.
E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades. Ef 2.16
E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; 2 Coríntios 5:18
Veja que nossa reconciliação com DEUS só é possível através de JESUS e seu sacrifício em nosso lugar.
Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus, Hebreus 10:12
Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados. Hebreus 10:14
Veja que o sacrifício de JESUS é único e perfeito, não precisando de nenhum outro sacrifício para que sejamos salvos.
JESUS é o autor e consumador da nossa fé (Hb 12.2). JESUS é autor porque estava com o PAI quando o plano de salvação foi projetado, também ELE mesmo é DEUS. JESUS é consumador porque ELE mesmo veio executar o plano de DEUS para nos salvar. Era preciso morrer na cruz e ressuscitar.
Nós só precisamos crer e aceitar. Tudo JESUS já fez.
3. A justificação mediante o Cordeiro de DEUS.
JESUS, o Cordeiro de DEUS, assumiu o castigo que era nosso. Ele tomou sobre si a nossa condenação. Na cruz, CRISTO cumpriu a nossa pena, justificando-nos perante o Pai. Ele nos libertou da lei do pecado. Uma vez livres e justificados pela fé, temos paz com DEUS (Rm 5.1).
 
CONCLUSÃO
Fomos justificados por JESUS. Veja que isso é um milagre. Nós não fizemos nada para sermos justificados (salvos), apenas acreditamos em algo que já foi realizado há mais de 2 mil anos atrás. JESUS morreu em nosso lugar levando sobre ELE nossos pecados, maldições, doenças e enfermidades.
Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. Romanos 5:1,2
DEUS é DEUS de provisão. Abraão foi provado, chegou ao limite de sua capacidade humana, teve que atender a um pedido difícil. Teve que provar seu amor, obediência e fé no monte do sacrifício. O clímax da prova foi quando colocou seu filho sobre o altar e se preparou para matá-lo. glória a DEUS que no momento decisivo da prova Abraão não falhou, tomou a decisão de amar a DEUS mais do que a qualquer coisa ou pessoa. Por isso mesmo Abraão foi grandissimamente abençoado por DEUS. Um dia, há mais de dois mil anos, aconteceu o sacrifício do verdadeiro e único Cordeiro de DEUS que tira o pecado do mundo (Jo 1.29). Nossa reconciliação com DEUS aconteceu mediante o sacrifício do Cordeiro de DEUS. nossa justificação se deu mediante o Cordeiro de DEUS que foi morto por nós e em nosso lugar. Glória a DEUS!
 
Lição 6 = 10 de Fevereiro 1991
O NASCIMENTO DE ISAQUE
TEXTO ÁUREO
"Haveria coisa alguma difícil ao Senhor711 (Gn 18.14).
VERDADE PRÁTICA
Deus sempre cumpre as suas p remessas, embora, às vezes, prove a nossa fé ao fazer-nos esperar.
LEITURA DIÁRIA
Segunda-SI 119 38 Confirma tua promessa
Terça-2 Co 1.18-20 Todas promessas soo nele sim
Quarta - Hb 10.23 Fiel é o que prometeu
Quinta - Rm DEUS.20,21 Deus cumpre o que promete
Sexta- l Co l.9 Fiel é Deus
Sábado - Gn 21.1-7 Alegria pelo nascimento de ï saque
TEXTO BÍBLICO BÁSICO Gn 15.DEUS-6; 16.2,3,15; 17.19-21; 21.1-3
Gn 15.DEUS - E els que veio a palavra do Senhor a ele, dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que de tuas entranhas sair, esse será o teu herdeiro,5 - Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse- lhe: Assim será a tua semente, 6 - E creu ele no Senhor, e foi;lhe imputado isto por justiça. 
16.2 - E disse Sarai a Abrão: Eis que o Senhor me tem impedido de gerar; entra pois à minha serva: porventura terei filhos dela. E ouviu Abrão a voz de Sarai.3 - Assim tomou Sarai, mulher de Abrão, a Agar egípcia, sua serva, e deu-a por mulher a Abrão seu marido, ao fim de dez anos que Abrão habitara na terra de Canaã.
15 - E Agar deu um filho a Abrão; e Abrão chamou o nome do seu filho, que tivera Agar, Ismael.
17.19 - E disse Deus: Na verdade, Sara tua mulher te dará um filho, e ,, chamarás o seu nome Isaque, e com  ele estabelecerei o meu concerto, por f concerto perpétuo para a sua semente depois dele.20 - E quanto a Ismael, também te tenho ouvido; eis aqui o tenho abençoado, e fá-lo-ei frutificar, e fá- lo-ei multiplicar grandissimamente; doze príncipes gerará, e dele farei uma 21 - O meu concerto, porém, estabelecerei com Isaque, o qual Sar^ te dará neste tempo determinado, no ano seguinte,
21.1 - E o Senhor visitou a Sara, / como tinha dito; e fez o Senhor a Sara como tinha falado. 2 - E concebeu Sara, e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo é determinado, que Deus lhe tinha dito, 3 - E chamou Abraão o nome de seu filho que lhe nascera, que Sara lhe dera, Isaque.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O nascimento de Isaque representa um exemplo maravilhoso do cumpri- mento das promessas de Deus. A fé de abraão foi-se fortalecendo com o tempo. Algumas vezes, porém, desanimado pela longa espera, tentou solucionar o seu problema usando os próprios meios.
I. DUAS GRANDES PROMESSAS FEITAS A ABRAÃO
1. A primeira promessa. "Far-te- ei uma grande nação". Esta promessa parecia ser de difícil cumprimento, uma vez que Sara, além de estéril, era de idade avançada.
2. A segunda promessa. "À tua semente darei esta terra" (Gn 12.7). Foi-lhe esta promessa dada em Siquém, quando de sua primeira parada na terra da promessa. Esta promessa, várias vezes reforçada por Deus, também parecia de difícil cumprimento. A terra de Canaã era habitada por vários povos (Gn 15.18- 21). (SG) Ele deveria habitar na terra como peregrino e forasteiro (Gn 15.13). Esta promessa só se cumpriria após um período de servidão de quatrocentos anos. Os descendentes de Abraão seriam então uma grande nação. Uma grande nação capaz de não só conquistar a terra, mas também de ocupá-la. E de fato, Israel saiu do Egito na direção de Canaã com 600.000 homens, fora as mulheres e as crianças (Êx 12.37). Para Deus nada é impossível (Lc 1.37).
II. DEUS CONFIRMA SUA PROMESSA POR MEIO DO FOGO
1. A solução humana. Impaciente pela demora do cumprimento da promessa de Deus. Abraão sugeriu ao Senhor que seu servo Eliezer poderia ser o seu herdeiro (Gn 15.2-3). (SH) Deus. então, de modo muito claro, renovou a sua promessa dizendo que o herdeiro seria aquele saído das entranhas de Abraão (Gn 15.DEUS)
2. Aula prática de fé. Deus levou Abraão para fora de sua tenda e disse- lhe: "C' ia agora para os céus, e conta as estrelas, - as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua semente" (Gn 15.5). Certamente Abraão tentou contar as estrelas mas logo perdeu a conta. E creu Abraão no Senhor, e * 'foi-lhe imputado isto por justiça*'(Gn 15.6).
3. O concerto com Deus. Deus renovou também a promessa de dar a terra de Canaã à semente de Abraão. E Deus propôs a Abraão que este lhe oferecesse um sacrifício de concerto. Os animais do sacrifício de concerto seriam fendidos em duas partes, e cada parte disposta uma em frente à outra, deixando entre elas uma passagem (Jr 34.18). Este sacrifício estabelecia por um lado a irrcvogabilidade das promessas de Deus, e por outro, a responsabilidade de Abraão no cumprimento de sua parte. É junto ao altar que fazemos concerto com Deus (SI 50.5). Após termos aceitado o sacrifício de JESUS no Calvário, apresentamo-nos a nós mesmos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus (Rm 12. l ,2), enquanto esperamos que Ele confirme as promessas.
DEUS. A fé e a paciência de Abraão. Preparar os animais para o sacrifício de concerto dependia de Abraão, mas o fogo da confirmação divina viria do céu. Abraão preparou tudo e ficou à espera de Deus. Aves de rapina desciam sobre os animais mortos, e Abraão as enxotava. Deus estava provando a paciência e a fé de Abraão fazendo-o esperar. O tempo de esperar é sempre difícil. O velho patriarca esperou pacientemente o dia inteiro pela manifestação de Deus, tomando conta dos animais sacrificados. Aqueles que desejam ver a sua fé crescer não podem fugir do combate da fé (l Tm 6.12).
5. As trevas da noite envolvem Abraão. Diz a Escritura: * 'E pondo-se o sol, um profundo sono caiu sobre Abraão, e eis que grande espanto e grande escuridão caiu sobre ele" (Gn 15.12). Abraão persistiu até o limite de suas forças. As trevas eram um prenúncio da vitória. Deus assistiu a Abraão. E falou-lhe como se a promessa já fosse um fato consumado (Gn 15.13). É preciso persistir. Um coração quebrantado é agradável ao Senhor (Is 57.15; SI 51.17).
6.0 fogo divino confirma o pacto. Uma tocha de fogo passou entre aquelas metades (Gn 15.17). Foi uma confirmação de Deus à aliança. Ao manifestar-se o fogo em meio ao sacrifício de concerto, Abraão recebeu o AMÉM de Deus, e louvou-o. Ainda hoje o fogo de Deus confirma as suas promessas. Deus aguarda almas sedentas junto ao altar, e ali ele as baliza com ESPÍRITO SANTO e com fogo (Mt 3.11; At 2.3.DEUS).
III. A LONGA ESPERA E O DESESPERO DE SARA
1. A precipitação de Sara. Sara tomou a iniciativa de fazer cumprir as promessas que Deus havia feito a Abraão. e cometeu tremendo erro que lhe trouxe graves prejuízos morais e espirituais. As promessas de Deus haviam sido renovadas e confirmadas por meio de fogo. Todavia os anos de espera tornaram- se muito longos. Sara, que era estéril, certamente sentia ser ela o impedimento da resposta aguardada por Abraão. Querendo ajudar seu marido, propôs abrir mão de seu direito de ser a única mulher na vida de Abraão, e ofereceu- lhe sua escrava Agar para. através dela, gerar um filho a Abraão, pensando, assim, estar cooperando com Deus no cumprimento de Suas promessas. Solução fácil para um problema que se prolongava. E em um momento de cochilo espiritual, Abraão ouviu a voz de Sara (Gn 16.2), e aceitou a escrava Agar por mulher. Agar concebeu e deu à luz um filho que recebeu o nome de Ismael. (SC)
2. Resultados do nascimento de Ismael. Os frutos colhidos por Sara e Abraão, dessa precipitada "semeadura". não foram nada agradáveis. Consideremos alguns desses lamentáveis resultados:
a) Atrito no lar. Agar vendo que concebera, desprezou a sua senhora (Gn 16.DEUS). Esqueceu-se que continuava sendo escrava de Sara mesmo sendo concubina de Abraão. Sara afligiu Agar e esta fugiu da sua face (Gn 16.6). O anjo do Senhor achou-a no deserto e mandou que ela voltasse para Sara e se humilhasse sob a mão de sua dona. E ela assim o fez.
b) Angústias e esfriamento na fé. O nascimento de Ismael não trouxe alegria a Abraão e nem a Sara. Pelo contrário. só trouxe preocupação. Isto porque desde que entrou o "problema Agar" na família, Deus deixou de se manifestar a Abraão, e este não se sentiu inspirado a edificar- lhe altares. A incredulidade interrompe o contacto com Deus. Quando Zacarias não creu na palavra do anjo Gabriel, ficou mudo (Lc 1.20).
c) ódio, rancor e guerras entre irmãos. Ismael tomou-se pai de uma grande nação e sua mão seria contra todos, e a mão de todos contra ele (Gn 16.12). De fato, seus descendentes são os mais rancorosos inimigos do cristianismo.
IV. DEUS MANIFESTA-SE DE NOVO A ABRAÃO
Depois de treze anos em silêncio, Deus na sua misericórdia manifestou-se de novo a Abraão. Ao longo deste tempo certamente Abraão orava a Deus. arrependido por ter tomado Agar.
Deus apareceu a Abraão e disse-lhe:
"Eu sou o Deus Todo Poderoso; anda em minha presença e sê perfeito; e porei o meu concerto entre mim e ti. e te multiplicarei grandissimamente" (Gn 17. l ,2). Abraão caiu sobre o seu rosto, e Deus falou com ele de modo muito claro e definido. Abraão iria frutificar grandissimamente, seria pai de uma multidão de nações, e dele sairiam reis. Mudou o nome dele de Abrão (pai da altura) para Abraão (pai de uma multidão) (Gn 17.DEUS-6). Deus também mudou o nome de Sarai para Sara (princesa) (Gn17.15), e ela seria mãe de nações (Gn 17.16). Sara daria à luz um filho, e este receberia o nome de Isaque (Gn 17.19). Que encontro maravilhoso!
V. O NASCIMENTO DE ISAQUE
1. Anjos anunciaram o nascimento de Isaque. Os anjos, a caminho de Sodoma. foram visitar Abraão para informar-lhe que "por este tempo da vida Sara terá um filho" (Gn 18.10). Sara riu-se ao ouvir isto. Disse o Senhor a Abraão: **Por que se riu Sara?*' (Gn 18.13). E Sara negou dizendo: **Nãome ri", porquanto temia (Gn 18.15).
2. Deus cumpre a Sua promessa a Sara. Ao cumprir-se o tempo determinado Deus visitou Sara e ela deu à luz um filho. Ele recebeu o nome de Isaque e foi circuncidado ao oitavo dia (Gn 21.1-DEUS). Foi grande a alegria no lar de Abraão. Havia-se confirmado o fato de que Deus ouve as orações e cumpre as suas promessas. (SD) Sara disse: "Deus me tem feito riso. Todo aquele que ouvir se rirá comigo" (Gn 21.6). Sara estava então com a idade de noventa anos.
3. Abraão despede Agar e Ismael. Quando Isaquc foi desmamado, Abraão deu um grande banquete e viu que Ismael zombava. Prevendo que teria problemas decorrentes da permanência de Ismael em sua casa. Sara disse a Abraão para deitar fora Agar juntamente com seu filho Ismael, porque o filho da escrava não herdaria com Isaque (Gn 21.10). Deus disse a Abraão que ouvisse a voz de Sara, e Abraão despediu Agar e seu filho Ismael. Agar deixou de ser escrava de Sara, e habitou com seu filho Ismael no deserto de Para; c era Deus com o moço (Gn 21.20-21).
DEUS. A simbologia de Isaque e Ismael. Estes dois filhos representam uma figura espiritual. Ismael simboliza os nascidos da carne (Jo 3.6). enquanto Isaque simboliza os que nasceram de novo. os que nasceram da promessa (Jo l. 12,13). Assim como Deus aconselhou Abraão a livrar-se de Ismael. Ele quer que nos despojemos da carne com suas obras (Gl 5.24). Deus não reconhece aquilo que é feito por incredulidade. JESUS disse: * *0 servo não ficará para sempre em casa, o filho fica para sempre" (Jo 8.35). Somente através do novo nascimento entramos em comunhão com Deus.
Precisamos, pois, desfazer-nos de tudo que procede da carne, para que JESUS, o nosso "Filho da promessa", possa habitar e operar em nossos corações. Tomamo-nos assim participantes das bênçãos que por herança são dadas por Deus. Deus nos adota como filhos por meio de JESUS CRISTO, pela operação do seu ESPÍRITO (Rm 8.15). Amém!
 
 
Lição 8 - 24 de Fevereiro 1991
ABRAÃO E A GRANDE PROVA
 
TEXTO ÁUREO
"Pela fé ofereceu Abraão a Isaque quando foi provado" (Hb 11.17}.
VERDADE PRÁTICA
Através de provações, novos aspectos da insondável natureza de DEUS são revelados a seus servos.
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 22.7-5 Abraão se levantou de madrugada
Terça - Gn 22.6-9 Abraão edifica um altar
Quarta - Gn 22.10-12 O anjo impede o sacrifício
Quinta - Gn 22. 13.14 O carneiro substituto
Sexta-Gn 22.15-19 A promessa da grande bênção
Sábado -2 Co 5. 18-21 DEUS em CRISTO reconciliou o mundo
TEXTO BÍBLICO BÁSICO Gn 22.1-3,6-13
Gn 22. l - E aconteceu depois destas coisas, que tentou DEUS a Abraão, e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis- me aqui. 2 - E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi. 3 - Então se levantou Abraão pela manhã de madrugada, e albardou o seu Jumento, e tomou consigo dois de seus moços e Isaque seu filho; e fendeu lenha para o holocausto, e levantou- se, e foi ao lu^ar que DEUS lhe dissera.
6 - E tomou Abraão a lenha do holocausto, e pô-la sobre Isaque seu filho; e ele tomou o fogo e o cutelo na sua mão, e foram ambos Juntos. 7 • Então falou Isaque a Abraão seu pai, e disse: Meu pai! E ele disse: Eis-me aqui, meu filho! E ele disse: Eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? 8 - E disse Abraão: DEUS proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. Assim caminharam ambos Juntos. 9 - E vieram ao lugar que DEUS lhe dissera, e edificou Abraão ali  um altar, e pôs em ordem a lenha, e amarrou a Isaque seu filho, e deitou-o sobre o altar em cima da lenha. 10 • E estendeu Abraão a sua mão, e tomou o cutelo para imolar o seu filho; 11 - Mas o anjo do Senhor lhe bradou desde os céus, e disse: Abraão, Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. 12 Então disse: Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a DEUS e não me negaste o teu filho, o teu único. 13 • Então levantou Abraão os seus olhos, e olhou, e eis um carneiro detrás dele, travado pelas suas pontas num mato; e foi Abraão, e tomou o carneiro, e ofereceu-o em holocausto, em lugar de seu filho.
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O patriarca Abraão havia expe- rimentado as mais ricas bênçãos no caminho da fé, mas DEUS o submeteu a prova a fim de fazê-lo desfrutar bênçãos ainda maiores. Assim, Abraão viu-se envolvido em um comovente aconte- cimento que aponta o grande momento quando o Pai celestial entregou seu Filho pela salvação da humanidade. (SCR)
I. PROVA NO CAMINHO DA FÉ
Abraão foi escolhido por DEUS para ser um grande povo, em cujo seio CRISTO haveria de humilhar-se. Abraão, o pai da nação judaica, estava sendo preparado para servir de fundamento patriarcal para este povo. Ele havia trilhado o caminho da fé em estreita comunhão com DEUS. e estava para ser submetido a uma grande prova de fé. (S D) O que DEUS queria provar na vida de Abraão? Consideremos as seguintes virtudes:
a) O amor. "Até opera por caridade" (Gl 5.6). DEUS queria provar se havia alguma coisa que Abraão amava mais do que a DEUS, se Abraão de fato amava a DEUS acima de qualquer coisa deste mundo.
b) A obediência Obediência e fé devem andar perfeitamente entrelaçadas na vida do crente (Rm 1.5; At 5.32). DEUS queria provar se Abraão estava disposto a obedecer em qualquer circunstância, mesmo quando tudo parecesse incerto. É oportuno lembrar que no inicio de sua caminhada, a obediência de Abraão era incompleta.
c) A fé. DEUS queria provar a Abraão em sua fé, pedindo-lhe em sacrifício Isaque que era o próprio cumprimento da promessa. A obediência à ordem de DEUS parecia que iria inviabilizar a concretização da promessa de fazer de Abraão um grande povo.
II. EM QUE CONSISTIU A PROVA
l. O sacrifício pedido. DEUS pediu a Abrãaoque oferecesse seu filho Isaque em holocausto (Gn 22.3). Desse modo, Abraão deveria sacrificar a grande resposta de suas orações, aguardada por 25 anos! E DEUS foi bem específico em seu pedido: "O teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas" (Gn 22.2). (SH)
2. A pronta obediência de Abraão. Nenhuma das provas exigidas a Abraão foi de fácil execução. Na primeira, teve que deixar parentes e amigos e seguir para uma terra que ele não conhecia. Não lhe deve ter sido agradável viver na terra da promissão entre os cananeus, presenciando seus pecados e, além disso, saber que a terra que degradavam lhes pertenceria ainda por muito tempo. Como prova, ele teve ainda que separar-se do sobrinho Ló e mais tarde libertá-lo em luta desigual contra quatro reis, tendo apenas poucos homens consigo. Abraão tinha recebido a grande bênção da sua vida e.depois, veio a prova. Não é difícil de acontecer isso: DEUS provar o crente após dar-lhe uma grande bênção. Seu filho Isaque seria o exato objeto da prova. É notável a expressão com que começa o versículo 3: ** Então (então, neste versículo, quer dizer.respeitando a ordem), se levantou Abraão pela manhã de madrugada... e foi ao lugar que DEUS lhe dissera*  Não revelou a ninguém o que se passava; nem mesmo a Sara. Uma das maiores lições da Bíblia foi a maneira cautelosa como Abraão se preparou para essa penosa jornada. Ele não esqueceu nada. A atenção que damos às coisas necessárias para uma viagem agradável (roupas, sapatos, etc) foi o que Abraão fez naquela madrugada. Não esqueceu nada. Mal sabia ele que estava estabelecendo um dos mais gloriosos tipos bíblicos: O Calvário, onde o Pai haveria de permitir a violência contra o Amado Filho, e onde Ele nos santificaria pela oblação do seu corpo (Hb 10.10). Possivelmente Abraão recebeu esta ordem em uma visão à noite. E, logo, pela manhã, de madrugada preparou-se para realizar a viagem que DEUS lhe ordenara, (Gn 22.3). Tomou consigo dois moços e a Isaque, seu filho, bem como lenha para o holocausto, e partiu rumo ao lugar do sacrifício (Gn 22.3). (SC)
3.0 maior exemplo de fé. Chegou ao pé dó monte Moriá deixou aos moços e os animais, e subiu com Isaque ao monte. (SG)Isaque carregava a lenha, e ABraão o fogo e o cutelo. Isaque fez a seu pai a emocionante pergunta: "Mas onde está o carneiro do holocausto? Abraão respondeu: "DEUS proverá para si o cordeiro do holocausto, meu filho" (Gn 22.7.8). Ao afastar-se Abraão dos dois moços que levara consigo, recomendou-lhes que ficassem afastados, pois ele e Isaque, após adorarem, voltariam. Não pode haver qualquer suspeição quanto a essa segurança, pois ele tinha uma promessa de DEUS que haveria de cumprir-se no próprio Isaque. Diríamos que era mais do que uma promessa: Um concerto! Um concerto solene. Dois pensamentos antagônicos martelavam a mente de Abraão naquele momento: Imolar o filho e descer do monte com ele. vivo como subira. Ainda que chegasse a atear fogo à lenha e que o corpo do rapaz se tomasse em cinzas, ele cria que, mesmo assim, das cinzas DEUS o poderia ressuscitar. Diz a Bíblia: **Ao terceiro dia levantou Abraão os olhos e viu o lugar de longe*'. Oh. mesmo crendo no poder de DEUS, como não deve ter sido dura a caminhada de três dias. E que choque não deve ter vibrado todo o ser daquele pai, ao ver de longe o lugar onde iria descer o cutelo sobre o próprio filho. Tal fato lembra-nos os três dias em que o Pai Celestial permitiu que o Seu Filho Unigênito permanecesse sepultado no seio da terra. Na resposta de Abraão para o rapaz: "DEUS proverá para si o cordeiro", Abraão,"Sem saber, alimentava uma verdade maravilhosa. Não só no episódio assim aconteceria, mas na plenitude dos tempos DEUS enviaria o Cordeiro, o Seu Cordeiro.
DEUS. O altar do sacrifício. Abraão edificou um altar, pôs a lenha em ordem, e preparou-se para sacrificar seu filho. Isaque, embora adulto, não ofereceu resistência. Mas quando Abraão estendeu a sua mão para imolar seu filho, o anjo do Senhor bradou: * *Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada, porquanto agora sei que temes a DEUS e não me negaste o teu filho o teu único" (Gn 22.10-12).
5. O cordeiro substituto. Abraão levantou seus olhos e viu um carneiro preso. no mato, pelas pontas. Então, tomou- o e ofereceu-o em lugar de Isaque (Gn 22.13). E chamou Abraão o nome daquele lugar: "O Senhor proverá" (Gn22.14).
6. DEUS alcançou o seu objetivo. Ao submeter Abraão a essa tremenda prova DEUS alcançou plenamente o seu objetivo pois constatou que:
• Abraão amava a DEUS acima de tudo neste mundo?
• Abraão estava disposto a obedecer à risca qualquer ordem de DEUS.
• Abraão possuía uma grande fé, pois cria que se Isaque tivesse de fato sido morto. DEUS o ressuscitaria.
Deste modo, em figura, Abraão o recobrou. (Hb 11.18.19). O que DEUS queria acima de tudo era a prova máxima da dedicação de Abraão. E assim foi. Ele mostrou com a ação (não com os lábios) inteira submissão a DEUS; deixou evidente que amava e respeitava ao Senhor acima de tudo. até do seu único filho. Tal prova de obediência deve ter elevado muito a fé de Abraão, assim como sua consagração ao Senhor. No v. 11, está escrito que o anjo do Senhor bradou a Abraão desde os céus para evitar que a faca descesse sobre o pescoço de Isaque. Assim foi com Isaque, tipo de JESUS. Com o próprio JESUS, porém, não houve alternativa nem socorro, mas teve que beber até ao fim o cálice amargo. JESUS CRISTO suportou sobre si o peso brutal das hostes infernais; suou sangue, mas caminhou sem vacilações para ser entregue nas mãos dos juizes perversos. DEUS, por amor do Seu nome, por amor aos pecadores, ali não era possível suspender a ordem. Para isso Ele viera: **Para desfazer as obras do Diabo" e "buscar o perdido*'.  Teria a execução de Isaque algum valor sacrificial? Não! Ele poderia apenas morrer por causa dos seus próprios pecados, sem qualquer vantagem, nem mesmo para ele. na eternidade. Nenhum pecador poderá morrer para livrar-se dos seus pecados. É por isso que o sacrifício de JESUS tem valor: Porque ele não tinha pecado. Logo, o sacrifício de Isaque sob nenhum aspecto tinha o menor valor. Por que chamou Abraão aquele lugar de Jeová-Jiré (O Senhor proverá)? Ele teve ali uma nova experiência. Maravilhosa experiência. Reconheceu o plano da redenção. Pôde vislumbrar a ocasião futura quando a excelsa promessa da vinda do Redentor seria cumprida para a salvação de todos nós.
III. CONSEQUÊNCIAS IMEDIATAS DA PROVA
1. O grande livramento. Eis a grande lição sobre o modo como DEUS lida com seus servos. Só depois da obediência de Abraão. DEUS enviou o livramento.
2. Promessas renovadas e ampliadas (Gn 22.16-19). Após ser provado, Abraão foi aprovado por DEUS e teve por Ele as promessas renovadas e ampliadas. ;
3. Visão profética do Calvário. JESUS disse aos judeus: Abraão vosso pai. exultou por ver o meu dia. e viu-o. e alegrou-se" (Jo 8.56). Abraão em visão viu o sacrifício de JESUS, o qual era tipificado no sacrifício que ele próprio acabara de oferecer. Que bênção inexplicável!
IV. O SACRIFÍCIO DE ISAQUE, UM SÍMBOLO DO SACRIFÍCIO DE JESUS
1. Abraão oferece Isaque em sacrifício. O sacrifício de Isaque foi um símbolo do sacrifício de JESUS, pois DEUS deu seu Filho Unigênito em sacrifício pelos nossos pecados. Já antes da fundação do mundo o Pai havia elaborado o plano da salvação através de Seu Filho, e o Filho havia aceito essa missão (Ef 3.DEUS-11; Ap 13.8).
2. Isaque sobe o Moriá. Isaque a caminho do Monte tipificava JESUS a caminho do Gólgota. Isaque sabia que seu pai ia oferecer um holocausto a DEUS. mas não sabia que o sacrifício seria ele próprio. JESUS, porém, estava bem consciente do sofrimento que lhe esperava (Lc 12.49-50; Jo 12.21). O peso que dominava o coração de Abraão a caminho do supremo sacrifício, simboliza o sentimento do Pai quando seu Filho foi preso e condenado. Contudo diz a Escritura: * *DEUS estava em CRISTO reconciliando consigo e mundo*' (2 Co 5.19).
3. Isaque é colocado sobre-o altar. Consideremos a analogia: Isaque foi amarrado e colocado sobre o altar, mas não foi sacrificado. JESUS foi crucificado sem oferecer qualquer resistência. Enquanto seus carrascos pregavam seus pés e suas mãos no madeiro. Ele orava: * 'Pai. perdoa-lhes porque não sabem o que fazem" (Lc 23.34). Abraão levantou a sua mão para imolar Isaque, mas foi impedido pelo brado do anjo. No Gólgota não se ouviu a voz de qualquer anjo. JESUS sofreu a agonia da crucificação, e. em certo instante, exclamou: "DEUS meu. DEUS meu. por que me desamparaste?" (Mt t27.46). Todavia, aproximando-se o momento da morte. JESUS deu o brado da vitória: "ESTÁ CONSUMADO!" (Jo 19.30).
DEUS. Isaque desceu do altar. Em Moriá o anjo^tÏè DEUS se mamfeslóu e. deste modo. livrou Isaque da morte. JESUS ficou na cruz até o fim, porém. DEUS o ressuscitou. Por ocasião da morte de JESUS, houve também uma manifestação divina, pois o véu do templo se rasgou de alto a baixo, mostrando que a porta da salvação está aberta para todos.
 
Referências Bibliográficas (outras estão acima)
Dicionário Bíblico Wycliffe. DEUS.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal, Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006, Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm  -- www.ebdweb.com.br - www.escoladominical.net - www.gospelbook.net - www.portalebd.org.br/  -- http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD, Manual Bíblico Entendendo a Bíblia, CPAD, Dicionário de Referências Bíblicas, CPAD, Hermenêutica Fácil e descomplicada, CPAD, Revistas antigas - CPAD
Silva, Antonio Gilberto da, 1929- A Prática do evangelismo pessoal / Antonio Gilberto da Silva. - Rio de Janeiro : Casa Publicadora das Assembléias de DEUS, 1983.
Lições Bíblicas - 2000 - 3º Trimestre - Evangelismo e Missões - CPAD - Comentarista - Esequias Soares
ESFORÇA-TE PARA GANHAR ALMAS - Orlando Boyer - Editora Vida - ISBN: 857367153X - Ano: 1975
Espada Cortante - Atos: o Evangelho do ESPÍRITO SANTO - Orlando S. Boyer - CPAD, Espada Cortante - João: o Evangelho do Filho de DEUS Orlando S. Boyer - CPAD
Atos - Série Cultura Bíblica - I. Howard Marshall - SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA e ASSOCIAÇÃO RELIGIOSA EDITORA MUNDO CRISTÃO,
Rua Antonio Carlos Taconni, 75 e 79, Cidade Dutra, São Paulo-SP, CEP 04810
Os dons Ministeriais - Por A. L. Gill - www.gillministries.com
DE CIDADE EM CIDADE - Elementos para uma teologia bíblica de missão Urbana em Lucas-Atos - Descoberta Editora Ltda - Londrina - PR - Jorge Henrique Barro - 2006
Tesouro de Conhecimentos Biblicos / Emilio Conde. - 2* ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de DEUS, 1983
Wiesber, Comentário Bíblico. Editora Geográfica, 2008, Champlin, Comentário Bíblico. Hagnos, 2001, Concordância Exaustiva do Conhecimento Bíblico "The Treasury of Scripture Knowledge"
Pequena Enciclopédia Bíblica - Orlando Boyer - CPAD