quinta-feira, 26 de maio de 2016

Figuras da Lição 9, A Nova Vida em CRISTO, 5 partes, 2Tr16, Ev Henrique, EBD NA TV







































Lição 9, A Nova Vida em CRISTO, 2Tr16, Ev Henrique, EBD NA TV

Lição 9, A Nova Vida em CRISTO
2º trimestre de 2016 - Maravilhosa Graça - O Evangelho de JESUS CRISTO Revelado Na Carta Aos Romanos
Comentarista da CPAD: Pr. José Gonçalves
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
AQUI VOCÊ VÊ PONTOS DIFÍCEIS DA LIÇÃO - POLÊMICOS
 
 
TEXTO ÁUREO"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional". (Rm 12.1)
 

VERDADE PRÁTICAA nova vida em CRISTO consiste em viver fervorosamente a vitória da cruz.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Jo 3.16 - O Reino de DEUS é para todos aqueles que creem, não somente para o judeu
Terça - Jo 3.3 - Para fazer parte do Reino é necessário nascer de novo
Quarta - 2 Co 5.17 - Se alguém está em CRISTO é uma nova criatura e tudo se fez novo
Quinta - Jo 3.5,6 - A regeneração pela água e pelo ESPÍRITO nos torna novas criaturas
Sexta - Cl 2.6,7 - Receber a JESUS como salvador é o início da vida cristã
Sábado - Cl 2.11 - Como novas criaturas fomos circuncidados em JESUS CRISTO
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Romanos 12.1-12
1 - Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional. 2 - E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS. 3 - Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que DEUS repartiu a cada um. 4 - Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, 5 - assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros. 6 - De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; 7 - se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; 8 - ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria. 9 - O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. 10 - Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. 11 - Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; 12 - alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;
 
OBJETIVO GERAL - Mostrar que a nova vida em CRISTO consiste em viver em santidade.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Apontar que precisamos viver a nova vida de maneira que agrade a DEUS;
Explicar a necessidade de se usar os dons com sabedoria e humildade;
Compreender que como novas criaturas precisamos exercitar o amor, o serviço cristão e resistir a todo o mal.
 
PONTO CENTRAL
A nova vida em CRISTO deve ser evidenciada mediante as nossas ações.
 
Resumo da Lição 9, A Nova Vida em CRISTO
I - EM RELAÇÃO A MORDOMIA DA ADORAÇÃO CRISTÃ (Rm 12.1,2)
1. Uma exortação em forma de apelo.
2. Uma palavra concernente ao corpo.
3. Uma palavra concernente à mente.
II - EM RELAÇÃO À MORDOMIA DO EXERCÍCIO DOS DONS (Rm 12.3-8)
1. Exercitá-los com moderação e humildade.
2. Exercitá-los respeitando sua diversidade.
3. Exercitá-los com esmero e regularidade.
III - EM RELAÇÃO À MORDOMIA DA PRÁTICA DAS VIRTUDES CRISTÃS (Rm 12.9-21)
1. Exercitar o amor.
2. Exercitar o serviço cristão.
3. Exercitar a resistência ao mal.

SÍNTESE DO TÓPICO I - 
DEUS deseja que vivamos cada dia da nova vida para Ele.
SÍNTESE DO TÓPICO II - Os dons são resultado da graça divina e devem ser usados com amor e humildade, beneficiando todo o Corpo de CRISTO.
SÍNTESE DO TÓPICO III - Como novas criaturas, o amor precisa moldar nosso comportamento e ser a razão do nosso serviço.
 
PARA REFLETIR - A respeito da Carta aos Romanos, responda: Qual o sentido original da palavra "rogo-vos"?
Essa palavra tem no original o sentido de admoestar, encorajar e exortar.
O que são as palavras introdutórias de Paulo?
As palavras introdutórias de Paulo são um apelo exortativo.
Segundo a lição, o que é necessário para que a adoração seja verdadeira?
Para que a adoração seja verdadeira ela precisa ser realizada por pessoas com a mente transformada.
Segundo Paulo, o que é indispensável no uso dos dons?
A moderação e a humildade são indispensáveis no exercício dos dons.
Segundo a lição, o que significa ser fervoroso?
Ser fervoroso significa ser alcançado pela graça e andar segundo ela.
 
CONSULTE - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 66, p40.
 
 
Comentários de vários autores com alguma modificações do Ev. Luiz Henrique
Pontos difíceis e polêmicos discutidos durante a semana em nossos grupos de discussão no WhatsApp (minhas conclusões)
 
Explicação rápida do Ev Henrique
1 - Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional.

# Rogo-vos - Quer dizer, peço-vos com insistente urgência. essa urgência é tão grande que se torna uma exortação, uma advertência, uma admoestação.

# irmãos - Paulo tratava os crentes como irmãos e não como subalternos ou escravos dele.

# pela compaixão de DEUS - Pela piedade de DEUS, pelo amor que DEUS tem pelos seus filhos.

# que apresenteis - Que se apresentem, quer dizer, que se entreguem, que se coloquem a disposição de DEUS para fazer sua obra.
# o vosso corpo - nossos corpo aqui tem sentido de todo ser (copro, alma e espírito) e não apenas o corpo físico.
# em sacrifício - Não existe manifestação de DEUS sem sacrifício. Para sermos salvos JESUS já fêz o sacrifício perfeito e único, mas para que DEUS se manifeste entre nós em resposta a nosso culto tem que haver sacrifício. Exemplo de sacrifício - JEJUM.
Vejo mais aqui um culto pessoal onde o sacrificado é o próprio crente que se dá a DEUS, se doa, se oferece a DEUS integralmente para servir, para ser escravo, para dar sua vida pelo evangelho.
# vivo, santo e agradável a DEUS -
3 tipos de sacrifícios aceitos por DEUS.
a - vivo - Significa com alegria, significa que haverá vida envolvida, vida dedicada, vida oferecida.
b- santo - Significa separado, consagrado, essencialmente puro; em busca da perfeição.
c- agradável a DEUS - significa que é feito para agradar a DEUS e não aos homens. A intenção é prestar um serviço a DEUS, uma adoração pelo que DEUS é e não pelo que DEUS fêz ou faz ou fará.

# que é o vosso culto racional - significa que é feito de livre e espontânea vontade, com decisão própria de realizar, com desejo de agradar a DEUS. Culto existe para cultuar, reconhecer divindade, poder, honra, glória a DEUS.
Dicionário de ajuda - https://www.priberam.pt
 
 2 E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS.
 # E não vos conformeis - conformar quer dizer entrar na forma, se submeter ao sistema, concordar com o modus viventi dos descrentes, vestir-se como os pecadores, falar como os pecadores, assistir as mesmas coisas que os descrentes, ter os mesmos objetivos de vida que os pecadores, ter os mesmos valores que esses pecadores.
# com este mundo - mundo aqui significa sistema satânico, ideias e ações satânicas, filosofias satãnicas.
# mas transformai-vos - aqui está no imperativo, é uma ordem para que o crente se transforme a sim mesmo, é uma tranformação interna que se verá na parte exterior também. Não é DEUS quem vai nos transformar, mas nós mesmos que vamos lutar contra o pecado, contra Satanás e seus demônios e principalmnete vamos lutar contra nós mesmos e nossas concupiscências (desejos).
# pela renovação do vosso entendimento - significa que para lutarmos e vencermos, para nos transformar, vaos ter que mudar o nosso entendimento sobre tudo, precisamos entender tudo como DEUS entende. para isso precisamos ler e estudar a bíblia, precisamos jejuar e excencialmente orar muito. Assim nosso entendimento se conformará ao entendimento de DEUS sobre tudo. Conheceremos a verdade e esta nos libertará. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. Filipenses 4:8
# para que experimenteis - Não nos conformar e nos transformar vai nos conduzir a experimentar aquiilo que não experimentamos antes. Aquilo que nem conhecíamos antes. Nos conduzirá a um relacionamento de intimidade com DEUS.
# qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS - experimentaremos a plenitude da vontade de DEUS em 3 estágios:
a- Boa - DEUS tem boa vontade para conosco, ELE quer que sejamos seus filhos. DEUS sempre tem um plano maravilhosos para nós e através de nós.
b- Agradável - A vontade de DEUS agrada a ELE e deve nos agradar também pois é sempre para um plano geral de salvação de todos os homens.
c- Perfeita - DEUS é perfeito e tudo o que ELE deseja e executa é perfeito. DEUS nos conduz à perfeição e assim como JESUS é semelhantes a ELE seremos na glória, na Nova Jerusalém, em sua companhia para sempre.
 
 
O batismo no ESPÍRITO SANTO é um revestimento de poder para pregar o legítimo evangelho. Quando aceitamos a JESUS CRISTO como único Salvador e Senhor recebemos o ESPÍRITO SANTO e então estamos salvos, mas para pregar o evangelho precisamos de algo mais, poder. É ai que entra o batismo no ESPÍRITO SANTO e logo após os dons do ESPÍRITO SANTO que são armas do guerreiro espiritual que deseja lutar contra satanás e seus demônios e converter as pessoas do reino das trevas para o reino da luz, do reino de Satanás para o reino de DEUS.
 
BATISMOS
Batismo no corpo de CRISTO - Quando aceitamos a JESUS e recebemos o ESPÍRITO SANTO (selo)
Um só Senhor, uma só fé, um só batismo; Efésios 4:5 
Batismo nas águas
 - Voluntariamente nos submetemos às ordenanças de CRISTO e de sua igreja. Morremos e somos sepultados com CRISTO, mas ressuscitamos com o mesmo CRISTO para uma nova vida em CRISTO.
De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. Romanos 6:4
Batismo de fogo - Nos submetemos ao governo e direção total de DEUS e passamos por perigos que podem nos causar até a morte por causa do evangelho.
Importa, porém, que seja batizado com um certo batismo; e como me angustio até que venha a cumprir-se! Lucas 12:50
Batismo no ESPÍRITO SANTO - Somos revestidos de poder para pregar e ensinar o legítimo evangelho com demonstração do poder de DEUS. é a porta de entrada para o evangelho completo com sinais, prodígios e maravilhas. 
E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Atos 2:4

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao8-mp-2tr11-ogenuinocultopentecostal.htm  importante para nossa lição da semana - LIÇÃO 8 - O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL - Lições Bíblicas do 2º Trimestre de 2011
 
CULTO RACIOINAL OU ESPIRITUAL - É FAZER UM CULTO COM DESEJO DE AGRADAR A DEUS, COM ALEGRIA, É DEIXAR-SE ENVOLVER PELO ESPÍRITO SANTO QUE TOMARÁ AS RÉDEAS DO NOSSO SER PARA QUE POSSAMOS SER USADOS PARA O SERVIÇO DO SENHOR. É DEIXAR DE FAZER POR COSTUME E FAZER POR PRAZER, POR MAOR.
 
Cada um deve fazer seu culto racional. Se apresentar a DEUS, se disponibilizar, entregar sua vida para ser totalmente usado por DEUS para salvação das almas. Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado. 2 Coríntios 12:15
 
 
Lição 9 - FIDELIDADE NO Uso dos Dons -  Lições Do 1º Trimestre De 2006 - Tema – Salvação E Justificação  -  Os Pilares Da Vida Cristã - Comentarista :  Pr. Eliezer Lira  - Os Pilares Da Vida Cristã.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - ROMANOS 12.1-8
1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional. 2 E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS. 3 Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que DEUS repartiu a cada um. 4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, 5 assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros. 6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; 7 se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; 8 ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
 
COMENTÁRIOS: 
MODO CRISTÃO DE VIVER
(BEP - CPAD) e Comentários do Livro Romanos, Introdução e Comentário, de F.F. Bruce
Série Cultura Bíblica, Mundo Cristão, Quinta Edição 1988 e reimpresso em 03-1991, Cidade Dutra – SP – SP
Romanos - Serie Cultura Biblica - ROMANOS - INTRODUÇÃO E COMENTÁRIO - F. F. Bruce. M.A., D.D. - SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, Caixa Postal 21486, São Paulo-SP 04602-970
 
1 Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de DEUS, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS, que é o vosso culto racional.
QUE APRESENTEIS OS VOSSOS CORPOS EM SACRIFÍCIO VIVO. O crente deve ter uma paixão sincera por agradar a DEUS, no amor, na devoção, no louvor, na santidade e no servir.
(1) Nosso maior desejo deve ser uma vida de santidade, e sermos aceitos por DEUS. Para isso, precisamos separar-nos do mundo e aproximar-nos cada vez mais de DEUS (v. 2). Devemos viver para DEUS, adorá-lo, obedecer-lhe; opor-nos ao pecado e apegar-nos à justiça; resistir e repudiar o mal, ser generosos com o próximo na prática de boas obras, imitar a CRISTO, segui-lo, servi-lo, andar na direção do ESPÍRITO SANTO e ser cheio dEle.
(2) Devemos apresentar a DEUS, nosso corpo como morto ao pecado e como templo do ESPÍRITO SANTO (ver v.2; cf. 1 Co 6.15,19).
 
Sacrifício Vivo Em vista de tudo quanto DEUS fez por Seu povo em CRISTO, como Seu povo deve viver? Deve apresentar-se a DEUS como "sacrifício vivo", consagrado a Ele. Os sacrifícios de animais, Oferecidos numa época anterior, tornaram-se obsoletos graças à oferta que CRISTO fez de Si mesmo. Mas sempre a lugar para o serviço divino prestado por corações obedientes.
Em vez de viverem pelos padrões de um mundo em desacordo com DEUS, 0s crentes são exortados a deixar que a renovação das suas mentes, pelo poder do ESPÍRITO, transforme as suas vidas harmonizando-as com a vontade de DEUS.
A bíblia nunca ensina uma doutrina para torná-Ia simplesmente conhecida. Mas ela é ensinada para que seja transferida para a prática.
"Se sabeis estas cousas, bem-aventurados sois se as praticardes" (10 13:17). Daí, Paulo repetidamente apresenta uma exposição doutrinária, após uma exortação ética, interligando ambas, como aqui, pela conjunção "pois" ou equivalente (ver Ef 4:1; CI3:5).
Além disso, é digno de nota que as admoestações éticas desta e doutras epístolas do Novo Testamento, quer sejam ou não de Paulo, têm forte semelhança com o ensino ético de CRISTO registrado nos evangelhos.
Na verdade, elas se baseiam na "lei de CRISTO", como lhe chama Paulo (Gl 6:2; ver 1Co 9:21).
De maneira particular, pode-se traçar uma impressionante lista de paralelos entre 12:3.13:14 e o Sermão Monte. Embora não existisse nesse tempo nem um dos nossos evangelhos canônicos, o ensino de CRISTO registrado neles era corrente nas igrejas
--- certamente em forma oral, e talvez também na forma de sumários escritos.

Que apresenteis os vossos corpos." Ver 6:13, 19; o verbo grego aqui é o mesmo que ali é traduzido por "oferecer" . Agora Paulo expõe com mais pormenores aquilo que está envolvido em apresentar-se os cristãos a DEUS para serem usados no Seu serviço.
Sacrifício vivo. A nova ordem tem os seus sacrifícios, que não consistem nas vidas de outrem, como os antigos sacrifícios de animais (ver Hb 13:15s.; 1 Pe 2:5).
 

O vosso culto racional. A V e RV: "O vosso serviço racional" ou "razoável". RVmg. e RSV traduzem: "Vosso culto espiritual"; NEB "O culto oferecido pela mente e pelo coração" (mg: "O culto que vocês,como criaturas racionais, devem oferecer"). O substantivo é latreia, já usado em 9:4 com referência ao "serviço de DEUS" (AV, RV) ou o "culto" (RSV, AA; ver NEB: "o culto do templo") instituído para os israelitas. O adjetivo é logikos (derivado de logos), que pode significar "razoável", "racional" (o serviço prestado por vidas obedientes é a única resposta razoável ou lógica à graça de DEUS) ou "espiritual", como em 1 Pedro 2:2, onde o "leite da palavra" (A V) é expressão traduzida mais apropriadamente por "leite espiritual" em RV, RSV, NEB e AA. Aqui talvez seja preferível "culto espiritual", em contraste com as exterioridades do culto do templo de Israel.
É FAZER UM CULTO COM DESEJO DE AGRADAR A DEUS, COM ALEGRIA, É DEIXAR-SE ENVOLVER PELO ESPÍRITO SANTO QUE TOMARÁ AS RÉDEAS DO NOSSO SER PARA QUE POSSAMOS SER USADOS PARA O SERVIÇO DO SENHOR. É DEIXAR DE FAZER POR COSTUME E FAZER POR PRAZER.
Rm 6.13 Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a DEUS, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a DEUS, como instrumentos de justiça.
Rm 6.19 Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos [membros] para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, assim apresentai agora os vossos [membros] para servirem à justiça para santificação.
 
2 E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS.
NÃO VOS CONFORMEIS COM ESTE MUNDO, MAS TRANSFORMAI-VOS. Paulo deixa subentender várias coisas neste versículo.
(1) Devemos reconhecer que o presente sistema mundano é mau (At 2.40; Gl 1.4), e que está sob o controle de Satanás (Jo 12.31; 1 Jo 5.19).
(2) Devemos resistir às formas prevalecentes e populares do proceder deste mundo e em lugar disso proclamar as verdades eternas e os padrões justos da Palavra de DEUS, por amor a CRISTO (1 Co 1.17-24).
(3) Devemos desprezar e aborrecer aquilo que é mau, amar aquilo que é justo (v. 9; 1 Jo 2.15-17; ver Hb 1.9) e não ceder aos vários tipos de mundanismo que rodeiam a igreja, tais como cobiça, egoísmo, oportunismo, conceitos humanistas, artifícios políticos visando ao poder, inveja, ódio, vingança, impureza, linguagem imunda, diversões ímpias, vestes imodestas e provocantes, imoralidade, drogas, bebidas alcoólicas e companhias mundanas.
(4) Devemos conformar nossa mente à maneira de DEUS pensar (1 Co 2.16; Fp 2.5), mediante a leitura da Palavra de DEUS e sua meditação (Sl 119.11,148; Jo 8.31,32; 15.7). Devemos permitir que nossos planos, alvos e aspirações sejam determinados pelas verdades celestiais e eternas e não por este presente século mau, profano e passageiro
 E não vos conformeis com este século.
A V: "..com este mundo". "Este século" (aiõn), como em 1 Coríntios 1:20, 2:6,3:18; 2 Coríntios 4:4; Gálatas 1:4, distingue-se de "século vindouro" (como ocorre em Ef 1:21: "não só no presente século, mas também no vindouro"). Conquanto seja chamado "Este mundo perverso" (ou "este presente século mau") (Gl:4, RVmg.), e seja dominado pelo "deus deste século" que cega a mente dos incrédulos (2 Co 4:4, RVmg. e AA), ainda assim é possível às pessoas pertencer temporariamente a "este século" para viverem como herdeiros do século vindouro, da era de renovação e ressurreição. São aqueles sobre os quais "os fins dos séculos têm chegado" (RV, AA), para os quais, visto que são "uma nova criação" em CRISTO. "as cousas antigas já passaram, eis que se fizeram novas (2 Co 5:17, RSV). É pelo poder do ESPÍRITO neles, penhor da sua herança no século vindouro, que podem resistir à tendência de viverem ao nível "deste século".

Transformai-vos. O verbo grego é metamorphoõ, traduzido por "transfigurar-se" nas narrativas da transfiguração em Mateus 17:2; Marcos 9:2. O único outro lugar onde aparece no Novo Testamento é 
2Coríntios 3:18, referindo-se aos crentes "transformados" na imagem do Filho "de glória em glória" (ou ;de um grau de glória a outro", RSV) pela operação do "Senhor, o ESPÍRITO"
 
A Vida Comum dos Cristãos (12:3.8).

A marca das obras das mãos de DEUS é a diversidade, não a uniformidade. Assim é com a natureza; é assim também com a graça. e em nenhum lugar mais do que na comunidade cristã. Nesta há muitos homens e mulheres das mais diversas espécies de origem, ambiente, temperamento e capacidade. E não só isso, mas, desde que se tornaram cristãos, são também dotados por DEUS de uma grande variedade de dons espirituais. Entretanto, graças a essa diversidade e por meio dela, todos podem. cooperar para o bem de todos Seja qual for a espécie de serviço que se deva prestar na igreja, que seja feito de coração com fidelidade pelos que são qualificados por DEUS quer seja a profecia, o ensino, a exortação, a administração, as contribuições materiais, a visitação aos enfermos, quer a realização de qualquer outra classe do ministério.
Para ilustrar suas palavras, Paulo usa a figura do corpo humano, como já fizera em 1 Coríntios 12: 12-27. Cada parte do corpo tem sua função característica a desempenhar e contudo, num corpo sadio, todas as partes funcionam harmoniosa e interdependentemente para o bem do corpo todo. Assim deve ser na igreja que é o corpo de CRISTO.
 
3 Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que DEUS repartiu a cada um.
Pela graça que me foi dada. 
Isto é, a "graça" ou o dom do apostolado (ver 1:5, 15:15). Conforme o versículo 6, cada membro da igreja recebeu uma "graça" especial neste sentido, a qual deve ser exercida para o benefício de todos.
A medida da fé. "Fé" aqui tem sentido bem diferente do que tem na primeira parte da epístola. Aqui indica o poder espiritual dado a cada cristão para o desempenho da sua responsabilidade especial. Ver "segundo a proporção da fé" no versículo 6 (NEB: "em proporção à fé Que um homem tem").
 
4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação,
 
5 assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros.
Um só corpo em CRISTO. 
Compare-se isto com 1 Coríntios 12:27: "vós sois corpo de CRISTO".
Em 1 Coríntios e em Romanos o corpo humano é mencionado simplesmente como uma ilustração da vida corporificada dos cristãos, mas a idéia é levada muito mais longe em Colossenses e em Efésios. Nestas últimas epístolas dá-se ênfase à relação que a igreja, como corpo, mantém para com CRISTO, como a Cabeça. Nelas não há possibilidade de um membro comum da igreja ser comparado com a cabeça, ou com uma parte da cabeça (como acontece em 1 Co 12:16s., 21). Nelas, ainda, deixa-se de falar do corpo como simples símile e se torna deveras o mais eficaz termo que o apóstolo pôde encontrar para exprimir o elo vital que une a vida dos crentes à vida da ressurreição de CRISTO.
 
6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;
DIFERENTES DONS, SEGUNDO A GRAÇA. Paulo alista os dons da graça (gr. charismata), como são chamados. Um dom espiritual pode constituir-se de uma disposição interior, bem como de uma capacitação ou aptidão (Fp 2.13) concedida pelo ESPÍRITO SANTO ao indivíduo, na congregação, para edificação do povo de DEUS e para expressar o seu amor a outras pessoas (ver 1 Co 12.1; 14.12,26; 1 Pe 4.10). A lista que Paulo dá, aqui, dos dons da graça divina deve ser considerada um exemplário e não a totalidade deles.
 
7 se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino;
 MINISTRAR... ENSINAR. "Ministrar" ou "servir" é a disposição, capacidade e poder, dados por DEUS, para alguém servir e prestar assistência prática aos membros e aos líderes da igreja, a fim de ajudá-los a cumprir suas responsabilidades para com DEUS (cf. At 6.2,3). "Ensinar" é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS para o crente examinar e estudar a Palavra de DEUS, e de esclarecer, expor, defender e proclamar suas verdades, de tal maneira que outras pessoas cresçam em graça e em piedade (1 Co 2.10-16; 1 Tm 4.16; 6.3; 2 Tm 4.1,2)
 
8 ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.EXORTA... REPARTE... PRESIDE... EXERCITA... MISERICÓRDIA. Trata-se, aqui, de dons espirituais.
(1) Exortar é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS, para o crente proclamar a Palavra de DEUS de tal maneira que ela atinja o coração, a consciência e a vontade dos ouvintes, estimule a fé e produza nas pessoas uma dedicação mais profunda a CRISTO e uma separação mais completa do mundo (ver At 11.23; 14.22; 15.30-32; 16.40; 1 Co 14.3; 1 Ts 5.14-22; Hb 10.24,25).
(2) Repartir é a disposição, capacidade e poder, dados por DEUS a quem tem recursos além das necessidades básicas da vida, para contribuir livremente com seus bens pessoais, para suprir necessidades da obra ou do povo de DEUS (2 Co 8.1-8; Ef 4.28).
(3) Presidir ou liderar é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS, para o obreiro pastorear, conduzir e administrar as várias atividades da igreja, visando ao bem espiritual de todos (Ef 4.11,12; 1 Tm 3.1-7; Hb 13.7,17, 24).
(4) Misericórdia é a disposição, capacidade e poder dados por DEUS para o crente ajudar e consolar os necessitados ou aflitos (cf. Ef 2.4)
Com liberalidade. 
A V: "Com simplicidade". NEB: "De todo o seu coração" .
O que preside. O exercício da administração na igreja é um dom tão verdadeiramente espiritual como qualquer dos outros mencionados.
Quem exerce misericórdia. NEB: "Se você dá socorro a outros que estão em aflição."
 
 
Observações nossas:
Há uma diversidade de dons:
1- Dons Naturais (Já se nasce com eles ou são adquiridos humanamente - natural - Vários)
2- Dons de DEUS (DEUS usa pessoas para determinadas obras, não sendo necessariamente uma escolha para um ministério - sobrenatural - Vários )
3- Dons de CRISTO (JESUS escolhe pessoas e as dá à Igreja, com ministérios específicos - sobrenatural - São 05)
4- Dons do ESPÍRITO SANTO (Ação do ESPÍRITO SANTO concedida para capacitar o crente para fazer a obra de DEUS - sobrenatural - São 09)

 LEITURA DIÁRIA
Segunda 1 Co 12.31 - Os dons devem ser buscados
31 Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente.1 Coríntios 14.1 Segui a caridade e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.
 PROCURAI COM ZELO OS DONS ESPIRITUAIS. Os crentes que têm amor genuíno pelos que também pertencem ao corpo de CRISTO, devem buscar os dons espirituais a fim de poderem ajudar, consolar, encorajar e fortalecer os necessitados (cf. 12.17). Não devem esperar passivamente que DEUS lhes conceda os dons do ESPÍRITO SANTO (12.7-10).
Devem, pelo contrário, com zelo, desejar e buscar com oração esses dons, principalmente os que são próprios para encorajar, consolar e edificar (vv. 3,13,19,26).
 
Terça 1 Co 14.31 - Os dons e o ensino devem andar juntos
31 Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros, para que todos aprendam e todos sejam consolados.PROFETIZAR, UNS DEPOIS DOS OUTROS. A distinção entre a profecia como dom espiritual e a profecia como parte das Sagradas Escrituras (2 Pe 1.20), deve ser
conhecida com clareza, embora se trate, nos dois casos, de uma mensagem recebida de DEUS. (1) Os escritores da Bíblia recebiam suas mensagens mediante a inspiração direta e única da parte do ESPÍRITO SANTO, e a comunicavam sem erro. O resultado foi uma mensagem infalível. (2) A profecia do tipo descrito nos caps. 12 e 14, porém, não tem inerente em si a mesma autoridade ou infalibilidade que a inspirada Palavra de DEUS (2 Tm 3.16). Embora provenha do impulso do ESPÍRITO SANTO, esse tipo de profecia nunca poderá ser considerado inerrante. Sua mensagem sempre estará sujeita à mistura e erros humanos. Por isso a profecia da igreja nunca poderá ser equiparada com as Sagradas Escrituras. Além disso, a profecia em nossos dias não poderá ser aceita pela igreja local até que seus membros julguem o seu conteúdo, para averiguar a sua autenticidade (ver v. 29; 12.10). A base fundamental desse julgamento é a Palavra de DEUS escrita: i.e., a profecia está de conformidade com a doutrina apostólica? Toda experiência e mensagem na igreja devem passar pelo crivo da Palavra de DEUS escrita.
 
Quarta 1 Pe 4.10 - O dom deve ser bem administrado
10 Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de DEUS.
Romanos 12.6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;
1 Coríntios 4.7 Porque quem te diferença? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias como se não o houveras recebido?
A base da humildade cristã é reconhecer que os talentos inatos e os dons espirituais que possuímos provêm de DEUS e, portanto, não são motivo para superioridade, status ou orgulho. Tudo quanto possuímos e tudo quanto viermos a ser vêm de DEUS diretamente ou por meio de outras pessoas. Daí, não temos lugar para o orgulho, mas somente para a gratidão a DEUS e ao próximo.
 
Quinta Ef 4.11ª - Os dons são dádivas de CRISTO
11 E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,
O DOADOR. Este versículo alista os dons de ministério (i.e., líderes espirituais dotados de dons) que CRISTO deu à igreja. Paulo declara que Ele deu esses dons
(1) para preparar o povo de DEUS ao trabalho cristão (4.12) e (2) para o crescimento e desenvolvimento espirituais do corpo de CRISTO, segundo o plano de DEUS (4.13-16).
Veja DONS MINISTERIAIS PARA A IGREJA
 
Sexta Ef 4.11-14 - O objetivo dos dons é o aperfeiçoamento dos santos
11 E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, 12 querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, 13 até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO, 14 para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente.
4.11 ELE MESMO DEU. 
Ver o estudo DONS MINISTERIAIS PARA A IGREJA
4.13 A UNIDADE DA FÉ. Em Efésios 4, Paulo ensina que a "unidade do ESPÍRITO" (v. 3) e a "unidade da fé" (v. 13) são mantidas e aperfeiçoadas por: (1) aceitar somente a fé e a mensagem dos apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres do NT (vv. 11,12); (2) crescer na graça, em maturidade espiritual e em CRISTO sob todos os aspectos (v. 15), e ser cheio da plenitude de CRISTO e de DEUS (v. 13; cf. 3.19); (3) não permanecer como criança, aceitando "todo o vento de doutrina", mas, pelo contrário, conhecer a verdade, e assim saber rejeitar falsos mestres (vv. 14,15); (4) sustentar e falar com amor a verdade revelada nas Escrituras (v. 15); e (5) andar em "verdadeira justiça e santidade" (v. 24; vv. 17-32).
4.14 NÃO SEJAMOS MAIS MENINOS. Nos versículos 13-15, Paulo define as pessoas espiritualmente "perfeitas" ou maduras, que possuem a plenitude de CRISTO.
(1) Ser espiritualmente maduro, significa não ser "meninos" (v. 14), os quais são instáveis, facilmente enganados pelas falsas doutrinas dos homens e suscetíveis ao artificialismo enganoso. O crente permanece infantil quando tem uma compreensão inadequada das verdades bíblicas e pouca dedicação a elas (vv. 14,15).
(2) Ser espiritualmente maduro inclui falar "a verdade em caridade" (v. 15). A verdade do evangelho, conforme apresentada no NT, deve ser crida com caridade, apresentada com caridade e defendida em espírito de caridade. Essa caridade é dirigida primeiramente a "CRISTO" (v. 15); em seguida, à igreja (v. 16) e, finalmente, de uns para com os outros (v. 32; cf. 1 Co 16.14).
 
Sábado 1 Co 13.1,2 - O amor é essencial
1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria.
13.1 E NÃO TIVESSE CARIDADE. 
O cap. 13 é uma continuação do ensino de Paulo sobre os dons espirituais. Ele enfatiza, aqui, que ter dons espirituais sem amor (caridade), de nada adianta (vv. 1-3). O "caminho ainda mais excelente" (12.31) é o exercício de dons espirituais com amor (vv. 4-8). O amor, sendo o único contexto em que os dons espirituais podem cumprir o propósito de DEUS, deve ser o princípio predominante em todas as manifestações espirituais. Daí, Paulo exortar os coríntios: "Segui a caridade e procurai com zelo os dons espirituais" (14.1). Os crentes devem, com muito zelo, buscar as coisas do ESPÍRITO, para que, assim equipados, possam ajudar, consolar e abençoar o próximo neste mundo.
13.2 NADA SERIA. Há pessoas afeitas às práticas religiosas sem qualquer aprovação de DEUS. É até possível que nem sejam crentes. Por exemplo, pessoas, que falam em línguas, profetizam, têm conhecimento ou realizam grandes obras da fé, sem, contudo terem amor, nem a justiça de CRISTO. Esses, "nada" são aos olhos de DEUS. Diante de DEUS, a sua espiritualidade e profissão de fé são vãs (v.1); esses não têm lugar no Reino de DEUS (cf. 6.9,10). Não somente lhes falta a plenitude do ESPÍRITO, como também não têm a sua presença habitando neles. As manifestações espirituais que ocorrem neles não provêm de DEUS, mas doutro espírito (ver At 8.21; 1 Jo 4.1). O essencial na autêntica fé cristã é o amor segundo uma ética que não prejudique o próximo e que persevere na lealdade a CRISTO e à sua Palavra (ver também v. 13)
 
OBJETIVOS: Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a:
Explicar a metáfora do corpo aplicada a igreja.
Definir os dons espirituais de Rm 12.6-12.
Buscar os dons espirituais.
 
PONTO DE CONTATO:
A Epístola aos Romanos divide-se em dois principais blocos. No primeiro, a ênfase está no ensino das doutrinas (1-11). O segundo é exortativo e se estende do capítulo 12 ao 16. Temos, portanto, duas características singulares: o ensino e a prática cristã. Nos 315 versículos, distribuídos pelos onze capítulos, o apóstolo ministrou à igreja sobre os profundos mistérios salvíficos da doutrina cristã (11.25). Agora, nesta nova seção, discursa a respeito da prática, devoção e responsabilidades da pessoa justificada. O tema condutor do primeiro era "a justiça divina", mas nesta última, a ética, os dons e o amor procedentes da justificação. Por conseguinte, pretende ser mais prática do que teórica, mais exortativa do que explicativa. Se na primeira seção, Paulo descreveu a doutrina da graça de DEUS, nesta, os atos que se esperam de quem vive na graça.
 
SÍNTESE TEXTUAL:
"Rogo-vos". Este termo no original significa, "eu os exorto" (12.1), isto é, "os encorajo ou admoesto". O apelo à "compaixão de DEUS" conforma-se ao caráter litúrgico da passagem. Os versículos 1 e 2 apresentam termos que lembram os sacrifícios do Antigo Testamento: "apresentar" (o altar), "sacrifício" (a vítima), "culto" (o serviço), "perfeito" (a qualidade). No entanto, diferencia-se deste em razão de ser vivo e racional - dois elementos não encontrados no animal utilizado no sacrifício na Antiga Aliança. O "culto racional" é aquele que procede da plena consciência de que, uma vez livres do pecado pela graça, devemos nos oferecer voluntariamente como sacrifício espiritual, santo e agradável a DEUS como demonstração da operação da graça divina em nossas vidas. O crente é chamado para ser "conforme" à imagem de CRISTO (Rm 8.29), portanto, não pode se "conformar" ou seguir o modelo do mundo (v.2). Pelo contrário, viver a vida cristã renovada segundo a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS. Esta nova vida requer o uso diligente dos dons espirituais concedidos aos crentes.
 
ORIENTAÇÃO DIDÁTICA:
Utilizando o modelo abaixo, peça aos alunos que façam uma comparação da lista de dons relacionadas na Epístola aos Romanos 12. 6-8 com as de 1 Co 12.27-31 e Ef 4.11,12.
Enfatize que, apesar das diferentes categorias e especificidade dos dons, todos são espirituais e foram concedidos por DEUS com o propósito de trazer conforto, unidade e crescimento para a Igreja.
 
 
DONS ASSISTENCIAIS (Rm 12.6-8)
DONS ESPIRITUAIS (1Co 12.27-31)
DONS MINISTERIAIS (Ef 4.11,12)
Contribuição
1- Palavra de Sabedoria
1- Apóstolos
Serviço
2- Palavra de Conhecimento ou da Ciência
2- Profetas
Ensino
3- Discernimento de espíritos
3- Evangelistas
Exortação
4- Fé
4- Pastores
Liderança
5- Curas
5- Mestres
Misericórdia
6- Maravilhas
 
Ajuda
7- Profecia
 
Administração
8- Variedade de Línguas
 
 
9- Interpretação
 
 
 
 
COMENTÁRIO: INTRODUÇÃO
O AMOR DE DEUS DERRAMADO EM NOSSOS CORAÇÕES É QUE NOS IMPULSIONA A TRABALHAR, A FAZER ALGO EM PROL DE DEUS E SUA OBRA, DE AJUDAR AOS OUTROS, POIS É NATURAL, É ESPIRITUAL, QUE FAÇAMOS ALGO PARA MELHORAR A VIDA DE QUEM AMAMOS, ENTÃO, COMO SOMOS REPRESENTANTES DE DEUS NA TERRA, AMAMOS A TODOS INDISTINTAMENTE, COMO DEUS AMA.
DEUS FORNECE TODAS AS FERRAMENTAS PARA NOSSO TRABALHO, É SÓ NOS COLOCARMOS À SUA DISPOSIÇÃO.
Todo serviço no Reino de DEUS deve ser feito à base de verdadeira fé. É o Senhor que habilita o crente, mediante dotação especial, a realizar sua obra da melhor maneira possível. É dele que provém toda a ciência, capacidade e dons ministeriais e espirituais. Por isso, não podemos fazer a obra de DEUS com espírito de competição. O único objetivo do nosso labor deve ser o desenvolvimento e o bem-estar do corpo de CRISTO.
 
I. Um apelo à Consagração pessoal
Antes de tratar de alguns dons especiais concedidos pelo ESPÍRITO SANTO, e de falar sobre o corpo de CRISTO, o apóstolo Paulo rogou aos irmãos de Roma que consagrassem suas vidas a DEUS, a fim de conhecerem, por experiência, a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS. Segundo o apóstolo, esta é a única forma de sermos o que Ele quer que sejamos e de fazermos o que deseja que façamos. É justamente esta entrega total como "sacrifício vivo", este ato de adoração incondicional, que torna o cristão capaz de ser usado plenamente por DEUS.
UM VASO SUJO NÃO SERVE PARA SER USADO, PORTANTO O ARREPENDIMENTO DE PECADOS E UMA SEPARAÇÃO (SANTIFICAÇÃO) SE FAZ NECESSÁRIA PARA UM BOM RENDIMENTO NA OBRA DE DEUS.
O SACRIFÍCIO DA OBRA DEVE SER DE LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE E COM ALEGRIA E PRAZER A EXECUÇÃO.
 
1. Um apelo à consagração. "Rogo-vos, pois, irmãos" (v.1). Rogar é suplicar, apelar com intenso desejo de alcançar alguma coisa. Paulo rogou aos crentes de Roma, em nome da compaixão divina, que apresentassem seus corpos em "sacrifício vivo, santo e agradável a DEUS", isto é, que se separassem completamente das coisas mundanas e se dedicassem integralmente a DEUS e ao seu serviço.
PEDIU COM INSISTÊNCIA, PEDIU COM AMOR E MOSTRANDO NA PRÁTICA DE SUA PRÓPRIA VIDA, DANDO EXEMPLO A ELES DE COMO FAZER., SOUBE TRANSMITIR AQUILO QUE ELE MESMO FAZIA, SACRIFICAVA-SE PELO EVANGELHO.
Nesta passagem, Paulo faz-nos um apelo à consagração total. E esta consagração envolve dois atos distintos: o de DEUS e o nosso. O nosso é apresentar-nos; o de DEUS é tornar-nos capazes de pôr em prática a sua vontade.
O QUE PRECISAMOS FAZER É NOS COLOCAR À DISPOSIÇÃO DE DEUS PARA QUE ELE POSSA NOS USAR, O RESTO DEIXAMOS QUE DEUS IRÁ FAZER. É DEUS QUE NOS CHAMA, NOS TREINA E NOS CAPACITA PARA REALIZARMOS GRANDES COISAS.
 
2. Um apelo à humildade. Ao realizarmos a obra de DEUS, não devemos fazê-lo por nossa própria sabedoria, mas conforme a medida da fé que é concedida por DEUS. Paulo exorta os irmãos romanos a não terem de si mesmos um conceito acima do que se deve. 
O GRANDE PROBLEMA DAQUELES QUE SÃO USADOS POR DEUS É O ORGULHO, É DESEJO DE SER SUPERIOR AOS DEMAIS.
Consideremos, pois, as verdades abaixo:
a) Há sempre a tentação da superestimação da própria importância. É bom notar que Paulo dirigia-se a uma comunidade que estava em CRISTO.
AMAR OS PRIMEIROS LUGARES, AMAR SER RECONHECIDO, AMAR SER ELOGIADO, TUDO ISTO PODE IMPEDIR UM LIVRE AGIR DO ESPÍRITO SANTO, POIS SEU OBJETIVO É QUE DEUS SEJA LOUVADO E NÃO O HOMEM.
b) Não se deve esquecer de que DEUS concedeu a cada crente uma certa "medida" de fé. Não devemos nos estribar no próprio conhecimento, mas, com temperança buscar somente o que convém.
CADA UM TEM UM NÍVEL DE REVELAÇÃO DE DEUS DE ACORDO COM SUA CAPACIDADE DE GUARDAR E APLICAR ESSAS REVELAÇÕES NO REINO DE DEUS.
DEUS DÁ A QUEM COMPARTILHA, ENTÃO QUEM RETÉM NÃO É AGRACIADO.
POR MAIS QUE ESTUDEMOS, SEM A REVELAÇÃO DE DEUS, NADA SABEREMOS E NADA SEREMOS.
c) Somente os que discernem a vontade de DEUS e se rendem integralmente a Ele conseguem identificar sua real posição no corpo de CRISTO.
A VONTADE DE DEUS É PERFEITA E DEVEMOS CONHECÊ-LA EM NOSSA VIDA. PARA QUE FOMOS CHAMADOS? A RESPOSTA SÓ PODE SER UMA: - PARA TRABALHARMOS NA OBRA DA SALVAÇÃO DOS HOMENS.
d) É imprescindível ao cristão ter uma idéia correta de si mesmo para integrar-se perfeitamente ao corpo de CRISTO.
UMA AUTO-ANÁLISE LEVARÁ O CRENTE A SE COLOCAR NA POSIÇÃO DE SERVO, DE EMISSÁRIO DE DEUS PARA REALIZAÇÃO DE GRANDES TAREFAS FEITAS POR PEQUENOS HOMENS.
 
II. A IGREJA COMO O CORPO DE CRISTO
O apóstolo Paulo utilizou-se da figura do corpo humano para demonstrar a função de cada membro do corpo de CRISTO na administração dos dons.
UM CORPO COMO TEMPLO DO ESPÍRITO SANTO USA SEUS MEMBROS SEMPRE PARA O BEM, PARA A EDIFICAÇÃO.
 
1. Um só corpo em CRISTO. Cada membro tem sua função específica a desempenhar e, contudo, num corpo sadio, todas as partes funcionam harmoniosa e independentemente para o bem do todo, assim deve ser na igreja (Ef 1.22,23).
A IGREJA COMO CORPO DEVE SEMPRE SE PREOCUPAR COM O CONJUNTO, COM A HARMONIA ENTRE SEUS MEMBROS, ENVOLVENDO A TODOS NO TRABALHO.
A união de cada membro tem de ser justa e perfeita (1 Co 12.12). Não pode haver desunião nem diferenças entre os irmãos, pois DEUS colocou "cada um deles como quis". Quando um membro sofre, todos padecem com ele! (1 Co 12.25,26).
EXISTEM MEMBROS MAIS HONROSOS E EXISTEM MEMBROS MENOS HONROSOS, ASSIM "OS MAIS' CUIDAM DOS "MENOS" PARA QUE HAJA NIVELAMENTO.
O valor de cada membro é medido pela contribuição que dá ao bom funcionamento do corpo inteiro (1 Co 12.21-23). Qualquer atividade dentro da igreja só terá valor se estiver relacionada com o todo. O trabalho do corpo como um todo é o que importa!
O RESULTADO DA OBRA É QUE VALE, ENTÃO NÃO SÃO OS QUE FAZEM QUE DEVEM SER EXALTADOS, MAS AQUELE QUE ENVIOU, PREPAROU E CAPACITOU.
O DOENTE NÃO AGRADECE ÀS SERINGAS E AOS BISTURIS PELO SUCESSO DA OPERAÇÃO OU CIRURGIA, MAS QUEM É ELOGIADO E EXALTADO É O MÉDICO.
 
2. Diferentes membros, diferentes funções. Somos diversos membros com distintas funções no corpo. Sendo DEUS quem confere dons especiais aos crentes (1 Co 12.4-11), cada qual deverá exercer seu trabalho com o único objetivo de enaltecer a CRISTO, que é a cabeça do corpo, e não a si mesmo.
NO REINO DE DEUS VALE A LEI DA SEMEADURA, QUANTO MAIS SE PLANTA MAIS SE COLHE, QUANTO MAIS SE COLHE, MAIS SEMENTES RECEBE PARA PLANTAR.
1Co 15.58 Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre [abundantes] na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.
 
Portanto, se somos mãos, pés, ouvidos, boca etc., CRISTO realiza sua obra através de nós. Para isso fomos comissionados. Aleluia! (Mt 28.19,20).
NEM TODOS TÊM O MESMO CHAMADO DE DEUS, UM PODE SER CHAMADO PARA PROFETIZAR, OUTRO PARA CURAR, OUTRO PARA PRESIDIR, ETC..., O QUE IMPORTA É ESTAR OCUPADO NA OBRA DE DEUS, FAZENDO AQUILO QUE NOSSO SENHOR DESEJA, AMANDO A TODOS E DESEJANDO QUE TODOS PROGRIDAM EM ESPIRITUALIDADE.
1Co 12.29 Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos doutores? são todos operadores de milagres? 30 Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos? 31 Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente. O AMOR.
 
III. O USO DOS DONS
O apóstolo Paulo não teve a finalidade de listar ou classificar os dons. Ele apenas preocupou-se com o uso destes, entre muitos outros, que podem trazer conforto, unidade e crescimento para a igreja.
OS DONS NÃO ESTÃO LISTADOS EM FORMA CRESCENTE OU DECRESCENTE, INDICANDO UMA ORDEM EM RECEBÊ-LOS OU UMA ORDEM DE IMPORTÂNCIA, APENAS ESTÃO LISTADOS DE ACORDO COM A LEMBRANÇA DE PAULO AO IR ESCREVENDO-OS, O MAIOR E MAIS IMPORTANTE PARA A IGREJA PAULO CITA EM 1CO 14 (1Co 14.1 Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.), PORÉM ELE MESMO DIZ DEPOIS QUE O MAIS IMPORTANTE É O AMOR (1Co 13), POIS SEM ESTE NENHUM DOM TERÁ PROVEITO PARA QUEM O POSSUI, POIS NO FUTURO, QUANDO ESTIVERMOS DIANTE DE DEUS OS DONS JÁ NÃO SERÃO NECESSÁRIOS E AQUI NA TERRA OS DONS SÃO EXERCITADOS PELO AMOR E NÃO PELO INTERESSE PRÓPRIO.
 
EXISTEM OS DONS DE DEUS, DE JESUS CRISTO E DO ESPÍRITO SANTO, PORÉM NA LISTA DE PAULO ESTÃO OS TRÊS TIPOS LISTADOS PARA ABRANGER TODA A OBRA DE DEUS NO SERVIÇO NA IGREJA.
UM CLÁSSICO EXEMPLO DE PROFETA NO NOVO TESTAMENTO, DEPOIS DA MORTE DO REPRESENTANTE MÁXIMO E ÚLTIMO DOS PROFETAS, JOÃO BATISTA:
SEU NOME É ÁGABO. 
At 11.28 E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César.
At 21.10 E, demorando-nos ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, por nome Ágabo; 11 E, vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo, e ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o ESPÍRITO SANTO: Assim ligarão os judeus em Jerusalém o homem de quem é esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios.
 
1. Profecia.  
Profecia aqui parece mais falar a respeito do ministério profético dado por JESUS CRISTO. Uma pessoa dada à Igreja para que possa ministrar a respeito de coisas futuras, prestando assim um serviço de despertamento e avivamento contínuo.
A profecia é um dos dons verbais colocados à disposição dos santos com o propósito de exortar, edificar e consolar a igreja. Ela é concedida ao crente pelo ESPÍRITO SANTO, de forma direta e imediata, a fim de trazer à luz a verdade divina. Este dom deve ser exercido segundo a medida da fé (v.6); isto é: o poder espiritual dado a cada crente para o desempenho de sua responsabilidade específica. Deve ser buscado este dom com desejo ardente.
1Co 14.1 Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.
O que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que interprete.
1Co 145 E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.
Há dois pontos que devem ser considerados:
 
A) O crente que profetiza tem de saber perfeitamente quando está indo além do que lhe foi dado, e deve estar consciente de sua responsabilidade de entregar somente o que DEUS lhe autorizou. É necessário que o servo de DEUS esteja totalmente sob o controle do ESPÍRITO de DEUS.
  Não devem ser desprezadas(1 Ts 5:20). Vêm para edificação, exortação e consolação(1 Co 14:3). Línguas + Interpretação = Profecia (1 Co 14:27,13). Diferente de profeta, todo profeta profetiza, nem todo que profetiza é profeta (1Co 14:31) e (Ef 4:11) Profeta é ministério dado por CRISTO, profecia é manifestação do ESPÍRITO SANTO. Profeta prediz alguma coisa que ainda vai acontecer, profecia não prediz nada. Todos podem profetizar (1 Co 14.31), mas poucos são chamados para serem profetas. 
Ex: JESUS: "Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas eu vos tornarei a ver, e alegrar-se-á o vosso coração, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará."(Jo 16:22).
Paulo: "disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel e o deixaram cair. Enquanto amanhecia, Paulo rogava a todos que comessem alguma coisa, dizendo: É já hoje o décimo quarto dia que esperais e permaneceis em jejum, não havendo provado coisa alguma. Rogo-vos, portanto, que comais alguma coisa, porque disso depende a vossa segurança; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós."(At 27:31-34).
 
B) O crente que profetiza tem de saber que toda a profecia deve ser julgada, provada (1 Co 14.29; 1 Ts 5.19-21). Toda verdade concedida pelo ESPÍRITO SANTO é coerente e não se contradiz. Sendo assim, qualquer profecia, para ser aceita, deve ser submetida ao padrão estabelecido pela Profecia Escrita, a Palavra de DEUS (Gl 1.8; 1 Jo 2.20,27; 4.1-3).
Pode vir de 3 fontes: DEUS, homem e satanás. Devem ser julgadas (1 Ts 5:21,22) e controladas para haver ordem no culto; um depois do outro e no máximo três em cada reunião (1 Co 14.31).
 
PROFETAS. Os profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do ESPÍRITO SANTO, e cuja motivação e interesse principais eram a vida espiritual e pureza da igreja. Sob o novo concerto, foram levantados pelo ESPÍRITO SANTO e revestidos pelo seu poder para trazerem uma mensagem da parte de DEUS ao seu povo (At 2.17; 4.8; 21.4).
(a) O ministério profético do AT ajuda-nos a compreender o do NT. A missão principal dos profetas do AT era transmitir a mensagem divina através do ESPÍRITO, para encorajar o povo de DEUS a permanecer fiel, conforme os preceitos da antiga aliança. Às vezes eles também prediziam o futuro conforme o ESPÍRITO lhes revelava . CRISTO e os apóstolos são um exemplo do ideal do AT (At 3.22,23; 13.1,2).
(b) A função do profeta na igreja incluía o seguinte: (1) Proclamava e interpretava, cheio do ESPÍRITO SANTO, a Palavra de DEUS, por chamada divina. Sua mensagem visava admoestar, exortar, animar, consolar e edificar (At 2.14-36; 3.12-26; 1Co 12.10; 14.3). (2) Devia exercer o dom de profecia. (3) Às vezes, ele era vidente (cf. 1Cr 29.29), predizendo o futuro (At 11.28; 21.10,11). (4) Era dever do profeta do NT, assim como para o do AT, desmascarar o pecado, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro e combater o mundanismo e frieza espiritual entre o povo de DEUS (Lc 1.14-17). Por causa da sua mensagem de justiça, o profeta pode esperar ser rejeitado por muitos nas igrejas, em tempos de mornidão e apostasia.
(c) O caráter, a solicitude espiritual, o desejo e a capacidade do profeta incluem: (1) zelo pela pureza da igreja (Jo 17.15-17; 1Co 6.9-11; Gl 5.22-25); (2) profunda sensibilidade diante do mal e a capacidade de identificar e detestar a iniqüidade (Rm 12.9; Hb 1.9); (3) profunda compreensão do perigo dos falsos ensinos (Mt 7.15; 24.11,24; Gl 1.9; 2Co 11.12-15); (4) dependência contínua da Palavra de DEUS para validar sua mensagem (Lc 4.17-19; 1Co 15.3,4; 2Tm 3.16; 1Pe 4.11); (5) interesse pelo sucesso espiritual do reino de DEUS e identificação com os sentimentos de DEUS (cf. Mt 21.11-13; 23.37; Lc 13.34; Jo 2.14-17; At 20.27-31).
(d) A mensagem do profeta atual não deve ser considerada infalível. Ela está sujeita ao julgamento da igreja, doutros profetas e da Palavra de DEUS. A congregação tem o dever de discernir e julgar o conteúdo da mensagem profética, se ela é de DEUS (1Co 14.29-33; 1Jo 4.1).
(e) Os profetas continuam sendo imprescindíveis ao propósito de DEUS para a igreja. A igreja que rejeitar os profetas de DEUS caminhará para a decadência, desviando-se para o mundanismo e o liberalimo quanto aos ensinos da Bíblia (1Co 14.3; cf. Mt 23.31-38; Lc 11.49; At 7.51,52). Se ao profeta não for permitido trazer a mensagem de repreensão e de advertência denunciando o pecado e a injustiça (Jo 16.8-11), então a igreja já não será o lugar onde se possa ouvir a voz do ESPÍRITO. A política eclesiástica e a direção humana tomarão o lugar do ESPÍRITO (2Tm 3.1-9; 4.3-5; 2Pe 2.1-3,12-22). Por outro lado, a igreja com os seus dirigentes, tendo a mensagem dos profetas de DEUS, será impulsionada à renovação espiritual. O pecado será abandonado, a presença e a santidade do ESPÍRITO serão evidentes entre os fiéis (1Co 14.3; 1Ts 5.19-21; Ap 3.20-22).
 
2. Serviço. É a disposição, ou capacidade, concedida por DEUS, para o crente servir e prestar assistência prática aos membros e aos líderes da igreja. Este dom se manifesta em toda forma de ajuda que os cristãos possam prestar uns aos outros, em nome de JESUS. Os que possuem este dom têm prazer em ministrar aos santos as coisas materiais que lhes são necessárias. O dom do serviço, como qualquer outro, é essencial para o bom funcionamento do corpo de CRISTO. Quem o tem deve exercê-lo empregando toda a sua energia, no temor do Senhor.
SERVIR É ESPIRITUAL, SERVIR É AMAR, SERVIR É DEIXAR DEUS AGIR, SERVIR É A FUNÇÃO BÁSICA DE TODO O CRENTE, POIS ASSIM ENSINARAM JESUS E PAULO:
Lc 22.27 Pois qual é maior: quem está à mesa, ou quem serve? Porventura não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós sou como aquele que serve.
ATOS 20.35 Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor JESUS, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.
 
3. Ensino. Diferente da profecia, que é de inspiração direta e imediata (1 Co 14.30), o ensino é resultado da preparação do mestre. Ele é exortado a estudar, a ler, a meditar na Palavra de DEUS (1 Tm 4.14-16). Quem ensina recebe de DEUS uma capacidade especial para expor e esclarecer as Escrituras com poder e eficiência, a fim de edificar o corpo de CRISTO.
JESUS ERA POR EXCELÊNCIA UM MESTRE:
Mc 1.22 E maravilharam-se da sua doutrina, porque os ensinava como tendo autoridade, e não como os escribas.
Mc 1.13 E tornou a sair para o mar, e toda a multidão ia ter com ele, e ele os ensinava.
Mc 9.31 Porque [ensinava] os seus discípulos, e lhes dizia: O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão; e, morto ele, ressuscitará ao terceiro dia.
Lc 1947 E todos os dias [ensinava] no templo; mas os principais dos sacerdotes, e os escribas, e os principais do povo procuravam matá-lo.
A UNÇÃO DO ENSINO TRAZ A REVELAÇÃO DA PALAVRA AOS OUVINTES OU LEITORES E COMO CONSEQÜÊNCIA LÓGICA, HÁ UMA TRANSFORMAÇÃO DE VIDA.
DOUTORES OU MESTRES. Os mestres são aqueles que têm de DEUS um dom especial para esclarecer, expor e proclamar a Palavra de DEUS, a fim de edificar o corpo de CRISTO (4.12).
(1) A missão dos mestres bíblicos é defender e preservar, mediante a ajuda do ESPÍRITO SANTO, o evangelho que lhes foi confiado (2Tm 1.11-14). Têm o dever de fielmente conduzir a igreja à revelação bíblica e à mensagem original de CRISTO e dos apóstolos, e nisto perseverar.
(2) O propósito principal do ensino bíblico é preservar a verdade e produzir santidade, levando o corpo de CRISTO a um compromisso inarredável com o modo piedoso de vida segundo a Palavra de DEUS. As Escrituras declaram em 1 Tm 1.5 que o alvo da instrução cristã (literalmente “mandamento”) é a “caridade de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida” (1Tm 1.5). Logo, a evidência da aprendizagem cristã não é simplesmente aquilo que a pessoa sabe, mas como ela vive, i.e., a manifestação, na sua vida, do amor, da pureza, da fé e da piedade sincera.
(3) Os mestres são essenciais ao propósito de DEUS para a igreja. A igreja que rejeita, ou se descuida do ensino dos mestres e teólogos consagrados e fiéis à revelação bíblica, não se preocupará pela autenticidade e qualidade da mensagem bíblica nem pela interpretação correta dos ensinos bíblicos. A igreja onde mestres e teólogos estão calados não terá firmeza na verdade. Tal igreja aceitará inovações doutrinárias sem objeção; e nela, as práticas religiosas e idéias humanas serão de fato o guia no que tange à doutrina, padrões e práticas dessa igreja, quando deveria ser a verdade bíblica.
Por outro lado, a igreja que acata os mestres e teólogos piedosos e aprovados terá seus ensinos, trabalhos e práticas regidos pelos princípios originais e fundamentais do evangelho. Princípios e práticas falsos serão desmascarados, e a pureza da mensagem original de CRISTO será conhecida de seus membros. A inspirada Palavra de DEUS deve ser o teste de todo ensino, idéia e prática da igreja. Assim sendo, a igreja verá que a Palavra inspirada de DEUS é a suprema autoridade, e, por isso, está acima das igrejas e suas instituições.
 
4. Exortação. Há uma diferença fundamental entre exortar e ensinar. O ensino tem por objetivo transmitir o conhecimento, lidar com o intelecto, a mente. A exortação toca no coração e atinge a consciência e a vontade de quem está sendo exortado, de modo que a sua fé é estimulada. O crente passa a ter um maior compromisso com o Reino de DEUS. Na exortação, as verdades ensinadas são aplicadas imediatamente à vida cristã. Quem tem o dom de exortar não é necessariamente um mestre, embora possa sê-lo (At 11.23).
A EXORTAÇÃO MEXE COM A DORMÊNCIA DO CRENTE, DESPERTA-O PARA UMA NOVA REALIDADE E DÁ-LHE UMA INJEÇÃO DE ÂNIMO.
A EXORTAÇÃO NUNCA VISA REBAIXAR OU DIMINUIR O CRENTE, MAS SEMPRE TEM EM VISTA ESTIMULÁ-LO AO CRESCIMENTO E FORTALECIMENTO, TORNANDO-O APTO PARA A OBRA DE DEUS.
 
5. Repartir. Há pessoas especialmente capacitadas por DEUS para dar, repartir com os que não têm. Estas devem fazê-lo com simplicidade, lembrando-se das palavras do Mestre: "não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita" (Mt 6.1-4).
UMA PRÁTICA QUE SE TORNOU NORMAL ENTRE OS CRENTES QUE REALMENTE SE CONVERTIAM:
At 2.45 E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister. 46 E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,
At 4.36 Então José, cognominado pelos apóstolos, Barnabé (que, traduzido, é Filho da consolação), levita, natural de Chipre,37 Possuindo uma herdade, vendeu-a, e trouxe o preço, e o depositou aos pés dos apóstolos.
O MATERIALISMO É BANIDO DO CRENTE QUE REALMENTE SE CONVERTE AO SENHOR. JESUS NOS ENSINOU QUE AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AO IRMÃO COMO A SI MESMO É O RESUMO DA LEI, ENTÃO COMO DEIXAR O IRMÃO PASSAR FOME, TENDO NÓS O DE COMER E MUITAS VEZES ATÉ SOBRANDO E DESPERDIÇANDO? 
 
6. Governo. É o dom de exercer governo ou presidir, de alguma forma, na Igreja. É a tarefa de cuidar do povo e dos bens do Reino (Hb 13.7; 1 Tm 5.17; 1 Ts 5.12,13). Aos que têm este dom, o apóstolo Pedro diz: "apascentai com cuidado, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto, nem como tendo domínio sobre o rebanho de DEUS, mas servindo de exemplo ao rebanho" (1 Pe 5.2-4).
O MOTIVO DO GOVERNO NÃO PODE SER O DE LUCRAR, DE ENRIQUECER, MAS SEMPRE O DE SERVIR COM AUTORIDADE PARA O BEM COMUM.
 
7. Misericórdia. É o dom de ministrar e prestar ajuda aos necessitados e aflitos. Este dom deve ser posto em prática com todo o coração, bom ânimo e entusiasmo. Aquele que tem este dom comunica todo o amor divino aos angustiados.
É TER DÓ DA MISÉRIA DE OUTREM, É SE COLOCAR NO LUGAR DE OUTREM, É SENTIR O QUE O OUTRO SENTE.
JESUS EXERCEU A MISERICÓRDIA POR NÓS SE COLOCANDO EM NOSSO LUGAR NA CRUZ.
 
CONCLUSÃO
Que dom recebeu você de CRISTO? Você o tem exercido com amor e piedade? Ou já o enterrou de forma egoísta? No Reino de DEUS, há importantes obras a serem executadas. Por isso, é de fundamental importância exercermos os dons que o ESPÍRITO SANTO tem nos concedido, a fim de que o Reino se expanda até aos confins da Terra. Que DEUS nos ajude nesta tão gloriosa tarefa!
O DOADOR. Os líderes espirituais dotados de dons que CRISTO deu à igreja. Paulo declara que Ele deu esses dons 
(1) para preparar o povo de DEUS ao trabalho cristão (4.12) e 
(2) para o crescimento e desenvolvimento espirituais do corpo de CRISTO, segundo o plano de DEUS (4.13-16).
 
AUXÍLIOS SUPLEMENTARES: Subsídio Teológico
 
"Os dons individuais (12.6-8)
Antes de examinar os dons individualmente, devemos enfatizar que para cada dom o ponto é o mesmo: Se você tem um, use-o. É por isso que a lista de dons é incompleta - de fato, nenhuma lista de dons feita por Paulo é exaustiva (1 Co 12.8-10,28; Ef 4.11). Embora a passagem diante de nós apresente algumas explicações sobre como esses dons devem ser usados, o propósito primário de Paulo é motivação, não instrução. Isso não é incomum. Paulo não define os vários dons em nenhuma das passagens onde ele os alista. Ele presume um entendimento comum por parte da audiência sobre a natureza desses dons, os quais eles teriam recebido por ensino e por observância dos dons em ação. A exceção - isto é, a extensa discussão sobre a natureza de profecia e línguas em 1 Coríntios 14 - não é uma tentativa de apresentar e definir esses dois dons, mas corrigir a percepção dos coríntios e o uso destes.
A lista de sete dons está dividida em duas partes pela estrutura gramatical da passagem que muda abruptamente com o quarto dom. Para cada um dos primeiros três dons, a frase na qual eles aparecem começa com "se"; os últimos quatro começam com "o que". (Van Johnson. Romanos. In ARRINGTON, F.L.; STRONSTAD, R. Comentário bíblico Pentecostal. RJ: CPAD, 2003, p. 893-4.) Leia mais Revista Ensinador Cristão CPAD, no 25, pág. 40.
 
*************************************************************************************************************************************************************
 
DONS ESPIRITUAIS PARA O CRENTE 
1Co 12.7 “Mas a manifestação do ESPÍRITO é dada a cada um para o que for útil”.

PERSPECTIVA GERAL. Uma das maneiras do ESPÍRITO SANTO manifestar-se é através de uma variedade de dons espirituais concedidos aos crentes (12.7-11). Essas
manifestações do ESPÍRITO visam à edificação e à santificação da igreja (12.7; ver 14.26). Esses dons e ministérios não são os mesmos de Rm 12.6-8 e Ef 4.11, mediante os quais o crente recebe poder e capacidade para servir na igreja de modo mais permanente. A lista em 12.8-10 não é completa. Os dons aí tratados podem operar em conjunto, de diferentes maneiras.
(1) As manifestações do ESPÍRITO dão-se de acordo com a vontade do ESPÍRITO (12.11), ao surgir a necessidade, e também conforme o anelo do crente na busca dos dons
(12.31; 14.1).
(2) Certos dons podem operar num crente de modo regular, e um crente pode receber mais de um dom para atendimento de necessidades específicas. O crente deve desejar “dons”, e não apenas um dom (12.31; 14.1).
(3) É antibíblico e insensato se pensar que quem tem um dom de operação exteriorizada (mais visível) é mais espiritual do que quem tem dons de operação mais interiorizada, i.e., menos visível. Também, quando uma pessoa possui um dom espiritual, isso não significa que DEUS aprova tudo quanto ela faz ou ensina. Não se deve confundir dons do ESPÍRITO, com o fruto do ESPÍRITO, o qual se relaciona mais diretamente com o caráter e a santificação do crente (Gl 5.22,23).
(4) Satanás pode imitar a manifestação dos dons do ESPÍRITO, ou falsos crentes disfarçados como servos de CRISTO podem fazer o mesmo (Mt 7.21-23; 24.11, 24; 2Co
11.13-15; 2Ts 2.8-10). O crente não deve dar crédito a qualquer manifestação espiritual, mas deve “provar se os espíritos são de DEUS, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo” (1Jo 4.1; cf. 1Ts 5.20,21).

OS DONS ESPIRITUAIS. Em 1Co 12.8-10, o apóstolo Paulo apresenta uma diversidade de dons que o ESPÍRITO SANTO concede aos crentes. Nesta passagem, ele não
descreve as características desses dons, mas noutros trechos das Escrituras temos ensino sobre os mesmos.
(1) Dom da Palavra da Sabedoria (12.8). Trata-se de uma mensagem vocal sábia, enunciada mediante a operação sobrenatural do ESPÍRITO SANTO. Tal mensagem aplica a revelação da Palavra de DEUS ou a sabedoria do ESPÍRITO SANTO a uma situação ou problema específico (At 6.10; 15.13-22). Não se trata aqui da sabedoria comum de DEUS, para o viver diário, que se obtém pelo diligente estudo e meditação nas coisas de DEUS e na sua Palavra, e pela oração (Tg 1.5,6).
(2) Dom da Palavra do Conhecimento (12.8). Trata-se de uma mensagem vocal, inspirada pelo ESPÍRITO SANTO, revelando conhecimento a respeito de pessoas, de
circunstâncias, ou de verdades bíblicas. Freqüentemente, este dom tem estreito relacionamento com o de profecia (At 5.1-10; 1Co 14.24,25).
(3) Dom da Fé (12.9). Não se trata da fé para salvação, mas de uma fé sobrenatural especial, comunicada pelo ESPÍRITO SANTO, capacitando o crente a crer em DEUS para a realização de coisas extraordinárias e milagrosas. É a fé que remove montanhas (13.2) e que freqüentemente opera em conjunto com outras manifestações do ESPÍRITO, tais como as curas e os milagres (ver Mt 17.20, sobre a fé verdadeira; Mc 11.22-24; Lc 17.6).
(4) Dons de Curas (12.9). Esses dons são concedidos à igreja para a restauração da saúde física, por meios divinos e sobrenaturais (Mt 4.23-25; 10.1; At 3.6-8; 4.30). O
plural (“dons”) indica curas de diferentes enfermidades e sugere que cada ato de cura vem de um dom especial de DEUS. Os dons de curas não são concedidos a todos os membros do corpo de CRISTO (cf. 12.11,30), todavia, todos eles podem orar pelos enfermos. Havendo fé, os enfermos serão curados .
Pode também haver cura em obediência ao ensino bíblico de Tg 5.14-16 (ver Tg 5.15).
(5) Dom de Operação de Milagres (12.10). Trata-se de atos sobrenaturais de poder, que intervêm nas leis da natureza. Incluem atos divinos em que se manifesta o reino de DEUS contra Satanás e os espíritos malignos (ver Jo 6.2 ).
(6) Dom de Profecia (12.10). É preciso distinguir a profecia aqui mencionada, como manifestação momentânea do ESPÍRITO da profecia como dom ministerial na igreja,
mencionado em Ef 4.11. Como dom de ministério, a profecia é concedida a apenas alguns crentes, os quais servem na igreja como ministros profetas . Como manifestação do ESPÍRITO, a profecia está potencialmente disponível a todo cristão cheio dEle (At 2.16-18). Quanto à profecia, como manifestação do ESPÍRITO, observe o seguinte: (a) Trata-se de um dom que capacita o crente a transmitir uma palavra ou revelação diretamente de DEUS, sob o impulso do ESPÍRITO SANTO (14.24,25, 29-31). Aqui, não se trata da entrega de sermão previamente preparado. (b) Tanto no AT, como no NT, profetizar não é primariamente predizer o futuro, mas proclamar a vontade de DEUS e exortar e levar o seu povo à retidão, à fidelidade e à paciência (14.3). (c) A mensagem profética pode desmascarar a condição do coração de uma pessoa (14.25), ou prover edificação, exortação, consolo, advertência e julgamento (14.3, 25,26, 31). (d) A igreja não deve ter como infalível toda profecia deste tipo, porque muitos falsos profetas estarão na igreja (1Jo 4.1). Daí, toda profecia deve ser julgada quanto à sua autenticidade e conteúdo (14.29, 32; 1Ts 5.20,21). Ela deverá enquadrar-se na Palavra de DEUS (1Jo 4.1), contribuir para a santidade de vida dos ouvintes e ser transmitida por alguém que de fato vive submisso e obediente a CRISTO (12.3). (e) O dom de profecia manifesta-se segundo a vontade de DEUS e não a do homem. Não há no NT um só texto mostrando que a igreja de então buscava revelação ou orientação através dos profetas. A mensagem profética ocorria na igreja somente quando DEUS tomava o profeta para isso (12.11).
(7) Dom de Discernimento de Espíritos (12.10). Trata-se de uma dotação especial dada pelo ESPÍRITO, para o portador do dom discernir e julgar corretamente as profecias e distinguir se uma mensagem provém do ESPÍRITO SANTO ou não (ver 14.29; 1Jo 4.1). No fim dos tempos, quando os falsos mestres (ver Mt 24.5 ) e a distorção do cristianismo bíblico aumentarão muito (ver 1Tm 4.1), esse dom espiritual será extremamente importante para a igreja.
(8) Dom de Variedades de Línguas (12.10). No tocante às “línguas” (gr. glossa, que significa língua) como manifestação sobrenatural do ESPÍRITO, notemos os seguintes fatos: (a) Essas línguas podem ser humanas e vivas (At 2.4-6), ou uma língua desconhecida na terra, e.g., “línguas... dos anjos” (13.1; ver cap. 14 ). A língua falada através deste dom não é aprendida, e quase sempre não é entendida, tanto por quem fala (14.14), como pelos ouvintes (14.16).
(b) O falar noutras línguas como dom abrange o espírito do homem e o ESPÍRITO de DEUS, que entrando em mútua comunhão, faculta ao crente a comunicação direta com
DEUS (i.e., na oração, no louvor, no bendizer e na ação de graças), expressando-se através do espírito mais do que da mente (14.2, 14) e orando por si mesmo ou pelo
próximo sob a influência direta do ESPÍRITO SANTO, à parte da atividade da mente (cf. 14.2, 15, 28; Jd 20). (c) Línguas estranhas faladas no culto devem ser seguidas de sua interpretação, também pelo ESPÍRITO, para que a congregação conheça o conteúdo e o significado da mensagem (14.3, 27,28). Ela pode conter revelação, advertência, profecia ou ensino para a igreja (cf. 14.6). (d) Deve haver ordem quanto ao falar em línguas em voz alta durante o culto. Quem fala em línguas pelo ESPÍRITO, nunca fica em “êxtase” ou “fora de controle” (14.27,28).
(9) Dom de Interpretação de Línguas (12.10). Trata-se da capacidade concedida pelo ESPÍRITO SANTO, para o portador deste dom compreender e transmitir o significado de
uma mensagem dada em línguas. Tal mensagem interpretada para a igreja reunida, pode conter ensino sobre a adoração e a oração, ou pode ser uma profecia. Toda a
congregação pode assim desfrutar dessa revelação vinda do ESPÍRITO SANTO. A interpretação de uma mensagem em línguas pode ser um meio de edificação da congregação inteira, pois toda ela recebe a mensagem (14.6, 13, 26). A interpretação pode vir através de quem deu a mensagem em línguas, ou de outra pessoa. Quem fala em línguas deve orar para que possa interpretá-las (14.13).
 
 
*************************************************************************************************************************************
 
DONS MINISTERIAIS PARA A IGREJA 
Ef 4.11 “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores.”
O DOADOR. Este versículo alista os dons de ministério (i.e., líderes espirituais dotados de dons) que CRISTO deu à igreja. Paulo declara que Ele deu esses dons (1) para preparar o povo de DEUS ao trabalho cristão (4.12) e (2) para o crescimento e desenvolvimento espirituais do corpo de CRISTO, segundo o plano de DEUS (4.13-16).
APÓSTOLOS. O título “apóstolo” se aplica a certos líderes cristãos no NT. O verbo apostello significa enviar alguém em missão especial como mensageiro e representante pessoal de quem o envia. O título é usado para CRISTO (Hb 3.1), os doze discípulos escolhidos por JESUS (Mt 10.2), o apóstolo Paulo (Rm 1.1; 2Co 1.1; Gl 1.1) e outros (At 14.4,14; Rm 16.7; Gl 1.19; 2.8,9; 1Ts 2.6,7).
(1) O termo “apóstolo” era usado no NT em sentido geral, para um representante designado por uma igreja, como, por exemplo, os primeiros missionários cristãos. Logo, no NT o termo se refere a um mensageiro nomeado e enviado como missionário ou para alguma outra responsabilidade especial (ver At 14.4,14; Rm 16.7; cf. 2Co 8.23; Fp 2.25). Eram homens de reconhecida e destacada liderança espiritual, ungidos com poder para defrontar-se com os poderes das trevas e confirmar o Evangelho com milagres. Cuidavam do estabelecimento de igrejas segundo a verdade e pureza apostólicas. Eram servos itinerantes que arriscavam suas vidas em favor do nome de nosso Senhor JESUS CRISTO e da propagação do evangelho (At 11.21-26; 13.50; 14.19-22; 15.25,26). Eram homens de fé e de oração, cheios do ESPÍRITO (ver At 11.23-25; 13.2-5,46-52; 14.1-7,21-23).
(2) Apóstolos, no sentido geral, continuam sendo essenciais para o propósito de DEUS na igreja. Se as igrejas cessarem de enviar pessoas assim, cheias do ESPÍRITO SANTO, a propagação do evangelho em todo o mundo ficará estagnada. Por outro lado, enquanto a igreja produzir e enviar tais pessoas, cumprirá a sua tarefa missionária e permanecerá fiel à grande comissão do Senhor (Mt 28.18-20).
(3) O termo “apóstolo” também é usado no NT em sentido especial, em referência àqueles que viram JESUS após a sua ressurreição e que foram pessoalmente comissionados por Ele a pregar o evangelho e estabelecer a igreja (e.g., os doze discípulos e Paulo). Tinham autoridade ímpar na igreja, no tocante à revelação divina e à mensagem original do evangelho, como ninguém mais até hoje (ver 2.20). O ministério de apóstolo nesse sentido restrito é exclusivo, e dele não há repetição. Os apóstolos originais do NT não têm sucessores (ver 1Co 15.8).
PROFETAS. Os profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do ESPÍRITO SANTO, e cuja motivação e interesse principais eram a vida espiritual e pureza da igreja. Sob o novo concerto, foram levantados pelo ESPÍRITO SANTO e revestidos pelo seu poder para trazerem uma mensagem da parte de DEUS ao seu povo (At 2.17; 4.8; 21.4).
(1) O ministério profético do AT ajuda-nos a compreender o do NT. A missão principal dos profetas do AT era transmitir a mensagem divina através do ESPÍRITO, para encorajar o povo de DEUS a permanecer fiel, conforme os preceitos da antiga aliança. Às vezes eles também prediziam o futuro conforme o ESPÍRITO lhes revelava . CRISTO e os apóstolos são um exemplo do ideal do AT (At 3.22,23; 13.1,2).
(2) A função do profeta na igreja incluía o seguinte: (a) Proclamava e interpretava, cheio do ESPÍRITO SANTO, a Palavra de DEUS, por chamada divina. Sua mensagem visava admoestar, exortar, animar, consolar e edificar (At 2.14-36; 3.12-26; 1Co 12.10; 14.3). (b) Devia exercer o dom de profecia. (c) Às vezes, ele era vidente (cf. 1Cr 29.29), predizendo o futuro (At 11.28; 21.10,11). (d) Era dever do profeta do NT, assim como para o do AT, desmascarar o pecado, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro e combater o mundanismo e frieza espiritual entre o povo de DEUS (Lc 1.14-17). Por causa da sua mensagem de justiça, o profeta pode esperar ser rejeitado por muitos nas igrejas, em tempos de mornidão e apostasia.
(3) O caráter, a solicitude espiritual, o desejo e a capacidade do profeta incluem: (a) zelo pela pureza da igreja (Jo 17.15-17; 1Co 6.9-11; Gl 5.22-25); (b) profunda sensibilidade diante do mal e a capacidade de identificar e detestar a iniqüidade (Rm 12.9; Hb 1.9); (c) profunda compreensão do perigo dos falsos ensinos (Mt 7.15; 24.11,24; Gl 1.9; 2Co 11.12-15); (d) dependência contínua da Palavra de DEUS para validar sua mensagem (Lc 4.17-19; 1Co 15.3,4; 2Tm 3.16; 1Pe 4.11); (e) interesse pelo sucesso espiritual do reino de DEUS e identificação com os sentimentos de DEUS (cf. Mt 21.11-13; 23.37; Lc 13.34; Jo 2.14-17; At 20.27-31).
(4) A mensagem do profeta atual não deve ser considerada infalível. Ela está sujeita ao julgamento da igreja, doutros profetas e da Palavra de DEUS. A congregação tem o dever de discernir e julgar o conteúdo da mensagem profética, se ela é de DEUS (1Co 14.29-33; 1Jo 4.1).
(5) Os profetas continuam sendo imprescindíveis ao propósito de DEUS para a igreja. A igreja que rejeitar os profetas de DEUS caminhará para a decadência, desviando-se para o mundanismo e o liberalimo quanto aos ensinos da Bíblia (1Co 14.3; cf. Mt 23.31-38; Lc 11.49; At 7.51,52). Se ao profeta não for permitido trazer a mensagem de repreensão e de advertência denunciando o pecado e a injustiça (Jo 16.8-11), então a igreja já não será o lugar onde se possa ouvir a voz do ESPÍRITO. A política eclesiástica e a direção humana tomarão o lugar do ESPÍRITO (2Tm 3.1-9; 4.3-5; 2Pe 2.1-3,12-22). Por outro lado, a igreja com os seus dirigentes, tendo a mensagem dos profetas de DEUS, será impulsionada à renovação espiritual. O pecado será abandonado, a presença e a santidade do ESPÍRITO serão evidentes entre os fiéis (1Co 14.3; 1Ts 5.19-21; Ap 3.20-22).
EVANGELISTAS. No NT, evangelistas eram homens de DEUS, capacitados e comissionados por DEUS para anunciar o evangelho, i.e., as boas novas da salvação aos perdidos e ajudar a estabelecer uma nova obra numa localidade. A proclamação do evangelho reúne em si a oferta e o poder da salvação (Rm 1.16).
(1) Filipe, o “evangelista” (At 21.8), claramente retrata a obra deste ministério, segundo o padrão do NT. (a) Filipe pregou o evangelho de CRISTO (At 8.4,5,35). (b) Muitos foram salvos e batizados em água (At 8.6,12). (c) Sinais, milagres, curas e libertação de espíritos malignos acompanhavam as suas pregações (At 8.6,7,13). (d) Os novos convertidos recebiam a plenitude do ESPÍRITO SANTO (At 8.14-17).
(2) O evangelista é essencial no propósito de DEUS para a igreja. A igreja que deixar de apoiar e promover o ministério de evangelista cessará de ganhar convertidos segundo o desejo de DEUS. Tornar-se-á uma igreja estática, sem crescimento e indiferente à obra missionária. A igreja que reconhece o dom espiritual de evangelista e tem amor intenso pelos perdidos, proclamará a mensagem da salvação com poder convincente e redentor (At 2.14-41).
PASTORES. Os pastores são aqueles que dirigem a congregação local e cuidam das suas necessidades espirituais. Também são chamados “presbíteros” (At 20.17; Tt 1.5) e “bispos” ou supervisores (1Tm 3.1; Tt 1.7).
(1) A tarefa do pastor é cuidar da sã doutrina, refutar a heresia (Tt 1.9-11), ensinar a Palavra de DEUS e exercer a direção da igreja local (1Ts 5.12; 1Tm 3.1-5), ser um exemplo da pureza e da sã doutrina (Tt 2.7,8), e esforçar-se no sentido de que todos os crentes permaneçam na graça divina (Hb 12.15; 13.17; 1Pe 5.2). Sua tarefa é assim descrita em At 20.28-31: salvaguardar a verdade apostólica e o rebanho de DEUS contra as falsas doutrinas e os falsos mestres que surgem dentro da igreja ). Pastores são ministros que cuidam do rebanho, tendo como modelo JESUS, o Bom Pastor (Jo 10.11-16; 1Pe 2.25; 5.2-4).
(2) Segundo o NT, uma igreja local era dirigida por um grupo de pastores (At 20.28; Fp 1.1). Os pastores eram escolhidos, não por política, mas segundo a sabedoria do ESPÍRITO concedida à igreja enquanto eram examinadas as qualificações espirituais do candidato.
(3) O pastor é essencial ao propósito de DEUS para sua igreja. A igreja que deixar de selecionar pastores piedosos e fiéis não será pastoreada segundo a mente do ESPÍRITO (ver 1Tm 3.1-7). Será uma igreja vulnerável às forças destrutivas de Satanás e do mundo (ver At 20.28-31). Haverá distorção da Palavra de DEUS, e os padrões do evangelho serão abandonados (2Tm 1.13,14). Membros da igreja e seus familiares não serão doutrinados conforme o propósito de DEUS (1Tm 4.6,14-16; 6.20,21). Muitos se desviarão da verdade e se voltarão às fábulas (2Tm 4.4). Se, por outro lado, os pastores forem piedosos, os crentes serão nutridos com as palavras da fé e da sã doutrina,
e também disciplinados segundo o propósito da piedade (1Tm 4.6,7).
DOUTORES OU MESTRES. Os mestres são aqueles que têm de DEUS um dom especial para esclarecer, expor e proclamar a Palavra de DEUS, a fim de edificar o corpo de CRISTO (4.12).
(1) A missão dos mestres bíblicos é defender e preservar, mediante a ajuda do ESPÍRITO SANTO, o evangelho que lhes foi confiado (2Tm 1.11-14). Têm o dever de fielmente conduzir a igreja à revelação bíblica e à mensagem original de CRISTO e dos apóstolos, e nisto perseverar.
(2) O propósito principal do ensino bíblico é preservar a verdade e produzir santidade, levando o corpo de CRISTO a um compromisso inarredável com o modo piedoso de vida segundo a Palavra de DEUS. As Escrituras declaram em 1 Tm 1.5 que o alvo da instrução cristã (literalmente “mandamento”) é a “caridade de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida” (1Tm 1.5). Logo, a evidência da aprendizagem cristã não é simplesmente aquilo que a pessoa sabe, mas como ela vive, i.e., a manifestação, na sua vida, do amor, da pureza, da fé e da piedade sincera.
(3) Os mestres são essenciais ao propósito de DEUS para a igreja. A igreja que rejeita, ou se descuida do ensino dos mestres e teólogos consagrados e fiéis à revelação bíblica, não se preocupará pela autenticidade e qualidade da mensagem bíblica nem pela interpretação correta dos ensinos bíblicos. A igreja onde mestres e teólogos estão calados não terá firmeza na verdade. Tal igreja aceitará inovações doutrinárias sem objeção; e nela, as práticas religiosas e idéias humanas serão de fato o guia no que tange à doutrina, padrões e práticas dessa igreja, quando deveria ser a verdade bíblica.
Por outro lado, a igreja que acata os mestres e teólogos piedosos e aprovados terá seus ensinos, trabalhos e práticas regidos pelos princípios originais e fundamentais do evangelho. Princípios e práticas falsos serão desmascarados, e a pureza da mensagem original de CRISTO será conhecida de seus membros. A inspirada Palavra de DEUS deve ser o teste de todo ensino, idéia e prática da igreja. Assim sendo, a igreja verá que a Palavra inspirada de DEUS é a suprema autoridade, e, por isso, está acima das igrejas e suas instituições.
 
************************************************************************************
 
DONS DO ESPÍRITO SANTO
 
1-    Operações de DEUS (DONS)
E há diversidade de operações, mas é o mesmo DEUS que opera tudo em todos.(I Co 12:6)
E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro mestres, depois operadores de milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.(I Co 12:28)
De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com zelo; o que usa de misericórdia, com alegria. (Rm 12: 6-8) DEUS pode usar animal para falar, como fez com a jumenta de Balaão ou usar um descrente para glorificá-lo, com fez com Nabucodonosor; DEUS usa a quem quer e da maneira que quer.
 
2-    Dons de CRISTO (Ministérios):  
    E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres.(Ef 4:11); são pessoas dadas à Igreja, para orientá-la e guiá-la fazendo-a crescer. Para edificar e fortalecer a noiva de CRISTO, que é a Igreja. Assim como no corpo humano temos cinco sentidos (olfato,visão,tato,paladar e audição), assim também no corpo de CRISTO, na terra tem cinco ministérios.
 
3-    Dons do ESPÍRITO SANTO (Manifestações = mostrar realmente a presença de DEUS):
    A cada um, porém, é dada a manifestação do ESPÍRITO para o proveito comum. Porque a um, pelo ESPÍRITO, é dada a palavra da sabedoria; a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, a palavra da ciência; a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, a fé; a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, os dons de curar; a outro a operação de milagres; a outro a profecia; a outro o dom de discernir espíritos; a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação de línguas. Mas um só e o mesmo ESPÍRITO opera todas estas coisas, distribuindo particularmente a cada um como quer. Para estudá-los dividimos em.
 
4-    DONS DE REVELAÇÃO - DONS DE PODER - DONS DE INSPIRAÇÃO.
 
4.1-    DONS DE REVELAÇÃO (REVELAM ALGO OCULTO OU DESCONHECIDO  SOBRENATURALMENTE).
 
4.1.1. Palavra de sabedoria:
    Palavra= pequena parte da sabedoria de DEUS; acontecimento futuro, só DEUS sabe; tem a ver com onisciência.
Ex:JESUS: "Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos; assim será também a vinda do Filho do homem. Então, estando dois homens no campo, será levado um e deixado outro; estando duas mulheres a trabalhar no moinho, será levada uma e deixada a outra. Vigiai, pois, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor; sabei, porém, isto: se o dono da casa soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem." (Mt 24: 36-44)
Paulo: "34 Rogo-vos, portanto, que comais alguma coisa, porque disso depende a vossa segurança; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós." (At 27:34).
 
4.1.2. Palavra de conhecimento ou da ciência:
Palavra = pequena parte do conhecimento de DEUS, revelação de coisa conhecida; tem a ver com onipresença. (pode ser coisa conhecida por pessoas em outra parte ou localidade, que é revelada aqui onde estamos).
Ex: JESUS: "Mas JESUS logo percebeu em seu espírito que eles assim arrazoavam dentro de si, e perguntou-lhes: Por que arrazoais desse modo em vossos corações?" (Mc 2:8)
JESUS: Jo 1.48 Perguntou-lhe Natanael: Donde me conheces? Respondeu-lhe JESUS: Antes que Felipe te chamasse, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira.
Paulo: "Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos transformados"(I Co 15:51).
 
4.1.3. Discernimento de espíritos: 
    Saber de onde vem e o que está operando numa pessoa.
Ex: JESUS: "E JESUS, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados são os teus pecados."(Mc 2:5)
Paulo:" E fazia isto por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Eu te ordeno em nome de JESUS CRISTO que saias dela. E na mesma hora saiu."(At 16:18).
 
4.2-    DONS DE PODER (DÃO PODER PARA SE FAZER ALGO SOBRENATURAL).
 
4.2.1. Fé:  
    Para crer no impossível (temos fé natural, sobrenatural e espiritual), precisamos de fé para comer (pode estar envenenado), para andar no meio da rua (pode ser atropelado), para viajar de avião (pode cair), para adorar a DEUS (Não estamos vendo-o), para crer em milagres sem os ver. Don de fé é acreditar que o impossível de acontecer já aconteceu. É impossível que alguém que já morreu torne a viver.
Ex: JESUS: "E, tendo dito isso, clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora!(Jo 11: 43)
Paulo: "Tendo Paulo descido, debruçou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, pois a sua alma está nele."(At 20:10)
                    NASCERIA UM FILHO DE UM CASAL EM QUE O HOMEM TEM 100 ANOS E A MULHER 90 ANOS? ABRAÃO CREU ASSIM MESMO. PODERIA ALGUÉM MATAR UM FILHO E DEPOIS VOLTAR PARA CASA COM ESTE FILHO VIVO? ABRAÃO CREU; POR ISSO FOI JUSTIFICADO PELA SUA FÉ EM DEUS.
 
4.2.2. Dons de curar: 
    Dons no plural, alguns são usados para certos tipos de doenças, NENHUMA PESSOA É USADA PARA CURAR TODOS OS TIPOS DE DOENÇA.
Ex: JESUS: "Mas ele, conhecendo-lhes os pensamentos, disse ao homem que tinha a mão atrofiada: Levanta-te, e fica em pé aqui no meio. E ele, levantando-se, ficou em pé."(Lc 6:8)
Paulo: "Aconteceu estar de cama, enfermo de febre e disenteria, o pai de Públio; Paulo foi visitá-lo, e havendo orado, impôs-lhe as mãos, e o curou."(At 28:8); "Erasto ficou em Corinto; a Trófimo deixei doente em Mileto."(2Tm 4:20). PAULO NÃO CUROU SEU COMPANHEIRO TRÓFIMO.
 
4.2.3. Operação de maravilhas: 
    Mudança na natureza, MUDA O QUE ERA NATURAL.
EX. PARAR O SOL (JOSUÉ) - VOLTAR DEZ GRAUS O TEMPO (ISAÍAS)
Ex: JESUS: "Dito isto, cuspiu no chão e com a saliva fez lodo, e untou com lodo os olhos do cego, e disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa Enviado). E ele foi, lavou-se, e voltou vendo."(Jo 9:6,7)
Paulo: "Mas ele, sacudindo o réptil no fogo, não sofreu mal nenhum."(At 28:5).
 
4.3-    DONS DE INSPIRAÇÃO OU DA FALA (DIZEM ALGO DE SOBRENATURAL).
 
4.3.1. Profecia:
    Pode vir de 3 fontes: DEUS, homem e satanás. Devem ser julgadas (1 Ts 5:21,22) e controladas para haver ordem no culto; um depois do outro e no máximo três em cada reunião (1 Co 14.31). Não devem ser desprezadas(1 Ts 5:20). Vêm para edificação, exortação e consolação(1 Co 14:3). Línguas + Interpretação = Profecia (1 Co 14:27,13). Diferente de profeta, todo profeta profetiza, nem todo que profetiza é profeta (1Co 14:31) e (Ef 4:11) Profeta é ministério dado por CRISTO, profecia é manifestação do ESPÍRITO SANTO. Profeta prediz alguma coisa que ainda vai acontecer, profecia não prediz nada. Todos podem profetizar (1 Co 14.31), mas poucos são chamados para serem profetas. 
Ex: JESUS: "Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas eu vos tornarei a ver, e alegrar-se-á o vosso coração, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará."(Jo 16:22).
Paulo: "disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel e o deixaram cair. Enquanto amanhecia, Paulo rogava a todos que comessem alguma coisa, dizendo: É já hoje o décimo quarto dia que esperais e permaneceis em jejum, não havendo provado coisa alguma. Rogo-vos, portanto, que comais alguma coisa, porque disso depende a vossa segurança; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós."(At 27:31-34).
 
4.3.2. Variedade de línguas: 
    4 tipos de línguas: Não proibais falar em línguas; é ordem de DEUS (1 Co 14.39).
 
4.3.2.1. Língua para oração:  
                                                                                          
    "Porque se eu orar em língua, o meu espírito ORA BEM, mas o meu entendimento fica infrutífero."(I Co 14:14). Você quer orar bem? Veja também em Rm 8.26 que não sabemos pedir como convém, mas o ESPÍRITO SANTO sabe o que precisamos e ELE sabe pedir.
Fala com DEUS: "Porque o que fala em língua não fala aos homens, mas a DEUS; pois ninguém o entende; porque em espírito fala mistérios."(I Co 14:2). Por isso é tão combatido o falar em línguas, pois nem Satanás entende.
Edificação própria: "O que fala em língua edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja."(I Co 14:4)
Você quer ser edificado? "Mas vós, amados, edificando-vos sobre a vossa santíssima fé,  orando no ESPÍRITO SANTO," Jd.20 (orar no ESPÍRITO, não quer dizer orar em pensamento).
 
 4.3.2.2. Língua para interpretação: 
    "Todos têm dons de curar? falam todos em línguas? interpretam todos?"(I Co 12:30), nem todos recebem; "Que fazer, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento."(I Co 14:15). Falam em línguas todos? Quer dizer em línguas para interpretação, ou seja, nem todos têm o dom de línguas, mesmo sendo batizados. Essa linguagem pode ser interpretada pelo que fala ou por outrem.
 
4.3.2.3. Língua como sinal para incrédulo: 
    "De modo que as línguas são um sinal, não para os crentes, mas para os incrédulos; a profecia, porém, não é sinal para os incrédulos, mas para os crentes."(I Co 14:22); estrangeiros ouvem em sua própria língua, ex: "Ouvindo-se, pois, aquele ruído, ajuntou-se a multidão; e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua."(At 2:6). Pode alguém ser usado para falar, por exemplo em alemão em algum lugar e uma pessoa presente ali, que fala alemão entenderá tudo o que DEUS quer falar-lhe.
 
4.3.2.4. Gemidos inexprimíveis:
    " Do mesmo modo também o ESPÍRITO nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o ESPÍRITO mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis."(Rm 8:26), oração intercessora. O ESPÍRITO SANTO é nosso intercessor aqui na terra. ELE leva nossa oração a JESUS CRISTO que está assentado à direita de DEUS PAI, intercedendo por nós lá no céu. O pai recebe a oração e responde de acordo com sua vontade.
 
4.3.3. Interpretação de Línguas:
"Que fazer, pois, irmãos? Quando vos congregais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. Se alguém falar em língua, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e cada um por sua vez, e haja um que interprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado (ore tão baixinho que ninguém o note) na igreja, e fale consigo mesmo, e com DEUS."(I Co 14:26-28); "Por isso, o que fala em língua, ore para que a possa interpretar."(I Co 14:13) JESUS não falava porque tudo que falava era o que DEUS queria falar e as línguas são sinais da presença de DEUS em nosso meio, JESUS é DEUS.
Paulo: "Dou graças a DEUS, que falo em línguas mais do que vós todos."(I Co 14:18).Não quis dizer latim, grego e hebraico, pois são línguas aprendidas e faladas no tempo de Paulo por quase todos; o que Paulo quis dizer é que orava muito em línguas e também que tinha dom de línguas.
 Nós falamos sem aprender, vem de cima, vem de DEUS, não necessitamos que alguém nos ensine, podemos receber na igreja, na rua, no campo, em casa (como aconteceu comigo) ou outro qualquer lugar sem interferência de outrem ou por imposição de mãos de alguém.
   
5-    CONSIDERAÇÕES FINAIS:
 
5.1• Dons, só depois do batismo com o ESPÍRITO SANTO.(vaso vazio não transborda)
5.2• O senhorio é de CRISTO.(o cabeça do corpo)
5.3• Para glorificação de DEUS.(o ESPÍRITO SANTO glorifica a DEUS)
5.4• Vaso deve estar limpo sempre para o uso constante.(santificação)
5.5• Nada é de nós mesmos, tudo vem de DEUS(nada de orgulho).
5.6• Todos os dons são para os outros só um para nós linguagem de oração. (língua que foi batizado) 
 
Paulo e os Dons
 
Estudando sobre a vida do apóstolo Paulo pude confirmar realmente que os nove dons operavam em seu ministério:
 
Vamos ver: 
1-PALAVRA DE SABEDORIA: (pequena parte da sabedoria de DEUS a respeito do futuro) At 27.22 Mas agora vos admoesto a que tenhais bom ânimo, porque não se perder] a vida de nenhum de vós, mas somente o navio. 
2- PALAVRA DE CONHECIMENTO: (pequena parte do conhecimento  de DEUS a respeito de algo conhecido em outra parte, porém não no local revelado) At 27.10 Dizendo-lhes: Senhores, vejo que a navegação há de ser incômoda, e com muito dano, não só para o navio e carga, mas também para as nossas vidas. 
3- DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS: At 16.18 E isto fez ela por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de JESUS CRISTO, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu. 
4- FÉ: (Dom necessário para ressurreição de mortos - crer no impossível) At 20.10 Paulo, porém, descendo, inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a sua alma nele está. 
5– MILAGRES OU MARAVILHAS (Agindo sobrenaturalmente na natureza) At  28. 5 Mas, sacudindo ele a víbora no fogo, não sofreu nenhum mal. 
6– DONS DE CURAR: At 28. 8 E aconteceu estar de cama enfermo de febre e disenteria o pai de Públio, que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele, e o curou.
7- PROFECIA (Edificação, Exortação e Consolação) Ts 4.13 Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. 
8– DOM VARIEDADE DE LÍNGUAS: 1 Co 14. 18 Dou graças ao meu DEUS, porque falo mais línguas do que vós todos 
9– DOM DE INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS: 1 Co 14. 13 Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar (Este não está claro, porém por dedução, como estava ensinando, muito provavelmente era o que acontecia com ele próprio).
 
 
Fontes:
www.cpad.com.br Bíblias, Livros e Revistas. (BEP - CPAD)
Comentários do Livro Romanos, Introdução e Comentário, de F.F. Bruce
Série Cultura Bíblica, Mundo Cristão, Quinta Edição 1988 e reimpresso em 03-1991, Cidade Dutra – SP – SP
 
 
Referências Bibliográficas (outras estão acima)
Dicionário Bíblico Wycliffe. 4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009.
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
www.ebdweb.com.br - www.escoladominical.net - www.gospelbook.net - www.portalebd.org.br/
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD
Manual Bíblico Entendendo a Bíblia, CPAD
Dicionário de Referências Bíblicas, CPAD
As Disciplinas da Vida Cristã; CPAD
Hermenêutica Fácil e descomplicada, CPAD
Revistas antigas - CPAD
Romanos - Serie Cultura Biblica - ROMANOS - INTRODUÇÃO E COMENTÁRIO - F. F. Bruce. M.A., D.D. - SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, Caixa Postal 21486, São Paulo-SP 04602-970